Posts

05-formare1

Formare Luiz Antônio: conheça os aprovados para 2018

05-formare1

RESULTADO PROCESSOSELETIVO FORMARE 2018 – INTERNATIONAL PAPER – UNIDADE DE LUIZ ANTÔNIO, SP

Confira abaixo a lista de aprovados no processo seletivo do Formare para unidade da International Paper em Luiz Antônio.

APROVADOS FORMARE 2018 – LAN

AMANDA MELO DA SILVA

ANA CAROLINA FAGUNDES DA SILVA ARAÚJO

ANTONIO MESSIAS RIBEIRO DOS SANTOS

BIANCA HELENA SILVA

DANIELE GABRIEL DOS SANTOS

DAVID JARDIM DA SILVA

DIEGO RODRIGO DOMINGOS DE SOUZA

GABRIEL RICARDO ROMANO DE GODOY

INELISE LAURA DA CRUZ FERREIRA

INGRID DA SILVA FELIX

JOÃO VITOR PEREIRA DA SILVA

LAURA LIMA ALVES FERREIRA

LUIZ GUILHERME MONTANHA VITORIO

PABLO FERNANDO DOS SANTOS ALVES

PATRICK TRINDADE VIANA

SIMEÃO CARLOS FRANCISCO

 

 

05-formare1

Formare Mogi Guaçu – aprovados para visita domiciliar

05-formare1

Estamos chegando na reta final! Confira abaixo os candidatos aprovados para a última fase do processo seletivo do Formare International Paper – unidade Mogi Guaçu/SP.

As visitas domiciliares acontecerão na semana de 26/12 a 29/12 no município de Mogi Guaçu. Nessa etapa o foco da equipe do Formare é conversar com os pais e responsáveis dos candidatos.

ALAN SILVA DOS SANTOS JUNIOR
AMANDA ROBERTA CORREA RANGEL
BIANCA HELENE DA SILVA
CLAUDIA GISLENE GONÇALVES DOS SANTOS
DIANDRA MARIA ROBERTO DIAS
EVANDRO HENRIQUE LOPES
EVELIN DE JESUS MENDES
EVELIN OLIVEIRA GONÇALVES
FABIANA FERNANDA CAVENAGHI
FRANCIELY CRISTINA DA SILVA
GABRIEL CAVALCANTE SANTOS
GABRIELA VITORIA DE OLIVEIRA
GABRIELE REZENDE
GRAZIELI MARIANA PEDRO
GUSTAVO ALVES DA SILVA
JAQUELINE SILVA SANTON
KAREN CRISTINA SERAFIM
KEREN RAQUEL TOLEDO PIZA
LEANDRO ROSA DE OLIVEIRA
LEONARDO JOSÉ DA SILVA
LUANA GABRIELE MACHADO
LUANA SOUZA QUEIROZ
LUARA TENÓRIO BRANDÃO
LUCAS CARVALHO DOS SANTOS
MARCOS ANTONIO SOARES
MARINA GASPAR DE ARAÚJO
MIKAELA ALANA NAJLA DINIZ ANDRADE
NATHALIA FERREIRA OLIVEIRA
NATHAN DOS SANTOS SAMPAIO
NATHAN PHELIPE CHAVARI ROSSI
PABLO ALEXSANDER RODRIGUES
PAMELA VICTORIA DA SILVA SABINO
PEDRO OTAVIO FRALEONE
VIVIANE APARECIDA ALVES PRADO
05-formare1

Formare Mogi Guaçu: aprovados para visita técnica

05-formare1

Confira a lista de aprovados na terceira etapa do processo seletivo do Formare International Paper, na unidade Mogi Guaçu/SP.

A próxima etapa acontece no dia 06/12/2017 (quarta-feira) às 8h, na International Paper.
Endereço: Rodovia SP 340, km. 171 – Mogi Guaçu/SP CEP: 13845-901.

Os aprovados deverão se dirigir para Portaria 1.
Todos deverão comparecer portando calça jeans, sapato fechado (sem salto) e camisa.

AMANDA ROBERTA CORREA RANGEL
BIANCA HELENE DA SILVA
CLAUDIA GISLENE GONÇALVES DOS SANTOS
DIANDRA MARIA ROBERTO DIAS
EVANDRO HENRIQUE LOPES
EVELIN DE JESUS MENDES
EVELIN OLIVEIRA GONÇALVES
FABIANA FERNANDA CAVENAGHI
FABRICIO GOMES DA SILVA
FRANCIELY CRISTINA DA SILVA
GABRIEL CAVALCANTE SANTOS
GABRIELA DA SILVA IGNÁCIO
GABRIELA VITORIA DE OLIVEIRA
GABRIELE REZENDE
GRAZIELI MARIANA PEDRO
GUSTAVO ALVES DA SILVA
JAQUELINE SILVA SANTON
KAREN CRISTINA SERAFIM
KEREN RAQUEL TOLEDO PIZA
LEONARDO JOSÉ DA SILVA
LUANA GABRIELE MACHADO
LUANA SOUZA QUEIROZ
LUARA TENÓRIO BRANDÃO
LUCAS CARVALHO DOS SANTOS
MARCOS ANTONIO SOARES
MARINA GASPAR DE ARAÚJO
MIKAELA ALANA NAJLA DINIZ ANDRADE
NATHALIA FERREIRA OLIVEIRA
NATHAN DOS SANTOS SAMPAIO
NATHAN PHELIPE CHAVARI ROSSI
PABLO ALEXSANDER RODRIGUES
PAMELA VICTORIA DA SILVA SABINO
PEDRO OTAVIO FRALEONE
VIVIANE APARECIDA ALVES PRADO

 

BAT5766

Formare realiza processo seletivo para turmas de 2018

O número de inscritos este ano chegou a quase 400

Lançado em 2010 pelo Instituto International Paper e BAT5766desenvolvido pela Fundação Iochpe, o Projeto Escola Formare chega à sua nona edição. Foram aproximadamente 400 inscritos para o processo seletivo para uma concorrência de 7,96 de candidato por vaga.

Neste ano, a disputa maior foi em Mogi Guaçu (SP), que de 20 vagas ofertadas foi para 24 e recebeu 235 inscritos. Em segundo lugar, está Três Lagoas (MS), que obteve 7,4 candidatos por vaga. Por último, Luíz Antônio (SP) com 89 estudantes disputando 16 lugares.

Como funciona o processo seletivo?   A primeira etapa é a inscrição, depois disso os candidatos realizam provas de Língua Portuguesa, Matemática e Redação. Segue para a terceira fase os aprovados, que participam de dinâmicas em grupo. O momento expõe situações do dia a dia, que possibilitam aos recrutadores conhecer e identificar o perfil dos futuros alunos.

Além de participarem de uma entrevista individual, os selecionados recebem uma visita domiciliar feita pela equipe do Instituto IP. O objetivo é conhecer a família do candidato para verificar os requisitos socioeconômicos e confirmar as informações prestadas ao longo da seleção. Só podem concorrer, jovens de baixa renda que concluíram o Ensino Médio na rede pública da região onde o projeto atua.

O que acontece de agora em diante? – Os 50 jovens aprovados passam por uma formação profissional com duração de 9 meses. Neste tempo, eles aprendem sobre o mercado de trabalho e as particularidades do processo de fabricação de papel e celulose.

A grade curricular é bastante similar à do Ensino Médio, com Matemática, Física, Química e Inglês. No entanto, as principais matérias dessa formação abrangem comunicação e relacionamento, organização industrial e manutenção eletromecânica.

As atividades do projeto são ministradas por educadores voluntários (EV’s). Tratam-se de profissionais da International Paper, que se dedicam a compartilhar conhecimento e reservam um tempo para a elaboração das aulas, que estão previstas para iniciarem em março de 2018.

Desde 2010, o Formare já profissionalizou em média 300 jovens. Ao final do curso, todos recebem o diploma de formação profissional emitido pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC).

05-formare1

Formare Três Lagoas: Aprovados para a entrevista

05-formare1

 

Confira a lista de aprovados para a próxima fase do Processo Seletivo do Formare 2018 em Três Lagoas (MS)

As entrevistas acontecerão na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS) Campus I.

Data: 7/11/2017
Horário: 7h
Endereço:  Avenida Capitão Olinto Mancini, nº 1662 (em frente ao quartel) – UFMS.
Bairro: Colinos – Três Lagoas/ MS

Aprovados para a fase de entrevistas:

BEATRIZ CHACRA FERREIRA
BIANCA FRANÇA REIS
BRUNA VITÓRIA BORGES GONÇALVES
ELIANA BORGES LOPES
GABRIELA MACIEL SOUZA
GEOVANNA SANTIAGO COSTA
GLEICIELLY REGATTIERI SOUZA
INGRID VITÓRIA FERNANDES SANTANA
ISABELLA MELISSA MARQUES SANTOS
JÉSSICA PEREIRA DE SOUZA
JHONATAN GALEANO LOPES
JOAO VICTOR CASTRO DOS ANJOS
JOSSENILDO REISSON MATOS DA SILVA
JULLYANA KARINE SOARES LOVO
LAURA DANIELA DIAS FERREIRA
LAURA PAULA FERREIRA BARROS
LUANA KELLY DO NASCIMENTO
LUCAS ORMODE PEREIRA DA SILVA
LUCAS TERUHIKO YAMAMOTO NARIMATU
MARCOS VINICIUS DE OLIVEIRA SILVA
MONIQUE MARQUES DE SOUZA CAMARA
NATHÁLIA MATIAS RODRIGUES
NILTON RODRIGUES DOS SANTOS JUNIOR
PEDRO HENRIQUE DE SOUZA
RAQUEL DE MOURA MARTINI
YAGO AUGUSTO VIANA

DSC_6176

Dia Nacional do Livro: 29 de outubro

Data celebra o surgimento da Biblioteca Nacional em 1810

DSC_6265

O Dia Nacional do Livro, comemorado em 29 de outubro, nos remete aos tempos do Brasil colonial. Com a vinda da corte portuguesa ao País em 1808, a cidade do Rio de Janeiro recebeu um rico acervo da Real Biblioteca de Portugal, com mais de 60 mil itens. Em princípio, todo o material foi instalado das dependências do Hospital da Ordem Terceira do Carmo.

Mas, no dia 29 de outubro de 1810, a coroa portuguesa fundou a Biblioteca Nacional, com a transferência do acervo para um novo local. Um decreto estabelecia que “nas catacumbas do Hospital do Carmo se erija e acomode a Real Biblioteca e instrumentos de física e matemática, fazendo-se à custa da Fazenda Real toda a despesa conducente ao arranjo e manutenção do referido estabelecimento”. Este fato histórico inspirou a criação do “Dia Nacional do Livro”.

Com o retorno da família real à Portugal, parte do acervo também voltou ao país de origem. Mesmo assim, com a passagem dos anos e a aquisição de coleções valiosas, a Biblioteca Nacional só cresceu. A instituição é considerada pela UNESCO uma das dez maiores bibliotecas nacionais do mundo e é a maior da América Latina, com atualmente cerca de 10 milhões de itens.

Mais leitores – o hábito de leitura no Brasil cresce lentamente. Em 2015, 50% da população havia lido livros em 12 meses e no ano passado, este percentual subiu para 56%, de acordo com uma pesquisa feita pelo Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística) a pedido do Instituto Pró-Livro.

De acordo com a pesquisa, 67% dos entrevistados afirmaram que não houve estímulo de pessoas próximas para que lessem mais. Ciente do papel da leitura para o desenvolvimento de crianças e jovens, o Instituto International Paper investe em iniciativas para ampliar o acesso à leitura. O projeto Cidade do Livro, por exemplo, beneficiou cerca de 50 mil crianças em sete anos de atuação.

08-guardioes-das-aguas

Escolas vencedoras do Projeto Guardiões das Águas reforçam a importância da água

De julho a setemshutterstock_347798567bro, educadores da rede pública de Luís Antônio (SP) e região trabalharam a conscientização dos alunos para a preservação dos recursos hídricos, no projeto “Guardiões das Águas”, coordenado pelo Instituto International Paper.

As escolas dos municípios paulistas de Luís Antonio, Altinópolis, Guatapará e São Simão enviaram seus projetos para a redução do desperdício de água e as vencedoras, receberam um prêmio em dinheiro para tirar a ideia do papel e colocá-la em prática.

Mão na massa – A Escola Marcílio Bondesan, vencedora em São Simão, realizou a construção de uma minicisterna para a captação e o reaproveitamento da água da chuva, gerando economia.

Já a Escola Profª Andréia Sertori Sandrin, em Guatapará, incluiu em seu projeto dinâmicas de conscientização para a conservação da água, além da montagem de um espaço verde na escola, algo que não existia. Para isso, construiu um telhado verde com eucalipto tratado. O intuito foi mostrar aos alunos que mesmo com pouco espaço é possível respeitar a natureza e trazer mais vida para a área.

Em Altinópolis, uma palestra sobre sustentabilidade, realizada na Escola Profª Carmem Miguel Vicari pelo engenheiro civil Wadje de Mello Sobiesiak, abordou o papel das pessoas na preservação do meio ambiente. O profissional mostrou que é dever de cada um de nós colaborar para a redução da poluição, poupando os recursos naturais. Na ocasião, o engenheiro mostrou para os alunos a planta do projeto de implementação de dois reservatórios de água.

Na Escola Helena Maria Luiz de Mello, em Luiz Antônio, o projeto incluiu a construção de uma cisterna no pátio, que irrigará com água da chuva uma horta feita pelos próprios alunos com garrafas PET e pneus.

IIP – O envolvimento das escolas com o Projeto Guardiões das Águas promove a mudança do comportamento dos indivíduos para o uso sustentável dos recursos hídricos. Preservar a natureza é garantir a nossa própria existência.

A economia da água é um assunto que sempre renderá reflexão e conscientização. É por isso que, desde 2008, o Instituto International Paper atua em prol desta causa, unindo toda a comunidade escolar, para que se possa, de fato, transformar a vida das pessoas.

Leandra_e_Glaucia

Instituto International Paper comemora uma década de transformação e responsabilidade social

É um orgulho ver como esse projeto faz diferença na vida das pessoas”, diz Leandra Ferreira Leite, presidente do Instituto

Leandra Ferreira Leite, presidente do Instituto e Gláucia Faria, gerente de Responsabilidade Social e Sustentabilidade
Leandra Ferreira Leite, presidente do Instituto, e Gláucia Faria, gerente de Responsabilidade Social e Sustentabilidade

Há 10 anos, em setembro de 2007, foi criado o Instituto International Paper. Em uma década de responsabilidade social corporativa, desenvolvimento educacional e socioambiental, a instituição tornou-se referência em coordenar e executar ações que transformam a educação de milhares de jovens e crianças brasileiras.

Os primeiros preparativos para a criação do Instituto IP contaram com a participação voluntária de aproximadamente 200 profissionais, que assistiram a alguns workshops. O resultado dessas capacitações foi a criação da visão, missão e público alvo da instituição.

Para Gláucia Faria, gerente de responsabilidade social e sustentabilidade, foi um momento único todo o processo criativo, o que torna o Instituto um propagador de consciência ambiental e sustentabilidade para futuras gerações. Hoje, 11 projetos estão em andamento, buscando construir e investir em iniciativas alinhadas à preservação ambiental, ao voluntariado e ao compromisso social e educacional.

Confira, abaixo, a entrevista que fizemos com Gláucia Faria e com Leandra Leite, presidente do Instituto International Paper, desde maio de 2012. Elas contam sobre os momentos que marcaram a trajetória do IIP e quais são os planos futuros.

Instituto International Paper – Para vocês, quais foram os maiores obstáculos que enfrentaram?

Leandra Ferreira Leite – Manter os projetos e o número de pessoas influenciadas com os recursos que temos. Entender e cumprir a legislação da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP). Por fim, o engajamento das pessoas e o interesse nos projetos, também é outro obstáculo que enfrentamos.

Gláucia Faria – Fazer com o que Instituto IP funcionasse uniformemente e que fosse reconhecido por todos. Foi um desafio ganharmos autonomia para que a instituição tivesse credibilidade e relevância entre as pessoas como nos dias de hoje.

IIPE quais foram as maiores conquistas que celebraram?

Leandra Ferreira Leite – A parceria com a Fundação Iochpe para o Projeto Formare; a mudança no Natureza e Corpo em Três Lagoas, que trouxe outro nível de envolvimento das escolas, alcançando novos benefícios. O sucesso da parceria com a Cidade do Livro e o crescimento do Apicultura Solidária.

Gláucia Faria – Sem dúvida, os 10 anos de existência do Instituto International Paper é a maior conquista que estamos celebrando.

IIP – O Instituto International Paper tem planos para o futuro? Quais são?

Leandra Ferreira Leite – Manter os projetos que são significativos para os beneficiários e trazer novos programas que atendam melhor as comunidades onde estamos, tanto no negócio de papel e embalagens. Este ano, realizamos um diagnóstico para identificar onde podemos atuar melhor e essa será nossa discussão daqui em diante.

Gláucia Faria – Dar continuidade com os projetos e trabalhar em novos para que possamos transformar cada vez mais a vida de jovens e adolescentes das comunidades que atuamos.

IIP – Qual é sua relação com o IIP?

Leandra Ferreira Leite – Parceria. Uma relação que se estabelece no auxílio, no desenvolvimento e no reconhecimento da instituição para todos os públicos. Participo do Formare como voluntária desde o primeiro ano, em 2010, e é um orgulho ver como esse projeto faz diferença na vida das pessoas.

Gláucia Faria – É além do profissional, o Instituto se tornou parte de mim. Os nossos projetos transformam a vida das pessoas e elas levam consigo uma sementinha da mensagem que plantamos durante esses 10 anos.

IIP – O Instituto International Paper é…

Leandra Ferreira Leite – Uma instituição focada na transformação social da vida das pessoas, atuando junto à comunidade com o objetivo de ser um diferencial na educação e responsabilidade socioambiental.

Gláucia Faria – Um propagador de consciência ambiental e sustentabilidade para as nossas futuras gerações.

 

shutterstock_590703260

Professor utiliza papelão e canetinha para ensinar matemática a alunos

Com apenas dois objetos, o docente transformou a educação de uma escola periférica do Rio de Janeiroshutterstock_514725154

Em 8 de setembro foi celebrado o Dia Mundial da Alfabetização, criado há mais de 50 anos pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultural (UNESCO). A data tem o propósito de celebrar a alfabetização e a educação como uma forma de empoderamento para milhares de mulheres e homens pelo mundo.

Em média, a taxa de brasileiros com 15 anos ou mais que não sabem ler ou escrever caiu pelo quarto ano consecutivo, conforme a pesquisa realizada em 2016 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mesmo com essa evolução, o analfabetismo ainda é sinônimo de exclusão e pobreza para a população dessa faixa etária.

Diante desse cenário, o professor Luís Felipe Lins revolucionou suas aulas de matemática usando canetinha e papelão na Escola Municipal Francis Hime. De que forma?  Ele utilizou os materiais para criar jogos, como memória e dominó para ensinar matemática a alunos a partir do 6º ano do Ensino Fundamental.

Os estudantes precisam decifrar enigmas, escrever como obtiveram o resultado, além de registrar todo o processo em vídeo para compartilhar com os colegas. Para o professor, isso é desenvolver habilidades além da matemática, como a escrita, a oralidade e o trabalho em equipe.

A escola já conquistou 197 medalhas em competições de matemática num período de dez anos, o que rendeu resultados significativos para o ensino da escola, que utiliza itens básicos do dia a dia das crianças.

Por meio de iniciativas – A educação é uma das causas abraçadas pelo Instituto International Paper, que contribui para a vida de milhares de jovens e adolescentes por meio de projetos onde a empresa mantém operações.

O Projeto Escola Formare do Instituto IP já capacitou mais de 450 jovens entre 16 e 18 anos nas cidades de Mogi Guaçu e Luiz Antônio no estado de São Paulo e Três Lagoas no Mato Grosso do Sul.

Em 2017, o Formare recebeu cerca de 170 profissionais da International Paper, que decidiram compartilhar seus conhecimentos voluntariamente aos alunos. Ao todo, em 2016, a empresa já beneficiou mais de 28 mil pessoas.

Consulte a matéria completa no Blog Adoro Papel!

shutterstock_588007646

Dia da Árvore e Dia do Papeleiro

Ambas as datas são comemoradas em setembro e têm motivos em comum

shutterstock_127683065Em 20 de setembro é celebrado o Dia do Papeleiro. A data foi estabelecida como marco da fundação do Sistema Sepaco de Saúde, em 1956, instituição criada para atender aos profissionais do setor papeleiro e seus dependentes.

Já em 21 de setembro é comemorado o Dia da Árvore. A data, que marca também o início da primavera no Brasil, busca conscientizar a população sobre a importância desse ser vivo para o meio ambiente.

As comemorações deste dia começaram no final do século XIX. Isso porque, em 10 de abril de 1872, o político e jornalista estadunidense Julius Sterling Morton plantou uma grande quantidade de árvores na cidade de Nebraska (EUA). A ocasião ficou conhecida como “Day Arbor” e foi um marco ecológico para a preservação das espécies arbóreas.

Comemorada mundialmente na chegada da primavera, muitos países adequaram a data a partir das características físico-climáticas de suas regiões. Na Polônia, por exemplo, as comemorações acontecem em 10 de outubro; na Tanzânia, em 1º de janeiro.

A indústria e as florestas – O eucalipto é cultivado para ser utilizado pela indústria de papel e celulose, tornando o processo 100% reciclável e biodegradável. Em média, no Brasil, a taxa de reaproveitamento do papel, que pode ser reciclado, é aproximadamente de 60%.

No Instituto International Paper, são executadas diversas iniciativas ambientalmente responsáveis, que protegem a biodiversidade e o meio ambiente. Além de manterem um hectare de terra reservado para a conversação da fauna e da floral regional, auxiliando na preservação da mata nativa, são realizadas ações educativas com crianças e adolescentes.

Em 2016, o Programa Educação Ambiental (PEA) preparou atividades variadas entre estudantes e professores em Mogi Guaçu (SP) e Luiz Antônio (SP), região em que o programa atua.

Uma das ações, que envolveu mais de 3 mil pessoas, consistiu em mostrar os detalhes sobre a fabricação do papel. A intenção foi desmitificar alguns conceitos do processo produtivo e apresentar as outras iniciativas da empresa para a preservação do meio ambiente.  Somente na IP, são produzidas mais de 16 milhões de mudas por ano.

shutterstock_553811536

10 anos do Instituto é tema em workshop para participantes do ESA

Fomentar prshutterstock_553811536ojetos educacionais e socioambientais com foco em crianças e adolescentes é um processo de transformação alinhado aos valores que o Instituto International Paper pratica. Para disseminar os aprendizados e orientações conduzidos em projetos e celebrar uma década de atuação, o Instituto promoveu, em agosto, o workshop “10 anos do Instituto IP”.

Participaram da ação membros do ESA (Educação Socioambiental): estudantes do ensino fundamental e médio, além de educadores e coordenadores de escolas da rede estadual, municipal e particular das cidades de Mogi Guaçu (SP), Mogi Mirim (SP) e Estiva Gerbi (SP).

A proposta – Este ano, os participantes do ESA serão desafiados a escrever uma redação, tendo como base a história do Instituto IP, com o tema “Transformar a vida das pessoas é o nosso papel”. No workshop, eles foram orientados sobre como trabalhar a temática, alinhada ao conteúdo programático previsto na grade curricular. Essa é mais uma oportunidade de aprimorar as habilidades dos estudantes e também dos educadores, sendo um estímulo para os jovens participantes do concurso de redação.

No dia 29 de setembro, ocorre a cerimônia de premiação dos vencedores do ESA e a festa de celebração destes 10 anos de Instituto.

O projeto – Desde 1975, as unidades de Mogi Guaçu e Luiz Antonio têm o propósito de colaborar com a formação educacional e socioambiental de crianças e adolescentes. Para isso, são realizados um concurso de redação e também um concurso literário. Além disso, os alunos e professores participam de ações em prol do reflorestamento de áreas degradadas.

Turma de Luiz Antônio (SP)

Alunos do Formare em Luiz Antonio participam da SIPAT

Jovens montam estande para falar sobre projeto global da IP

A unidade de Luiz LUIZ ANTONIO 2017Antonio da International Paper finalizou a sua Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT). E os alunos do Projeto Escola Formare participaram ativamente da iniciativa, com um estande montado para falar sobre o GMS (sigla em inglês para Sistema Global de Manufatura), projeto implementado para todos os negócios de papel e papel para embalagens, com a visão de se tornar a melhor indústria de manufatura do mundo. Para a IP, segurança é um valor inegociável e a semana de 23 de agosto a 1º de setembro foi mais um momento de reforçar o quão fundamental o trabalho focado na prevenção de acidentes é para todos na empresa. O tema escolhido pelos alunos foi o Sistema Global de Manufatura (GMS) e os seus cinco pilares: Saúde, Segurança e Meio Ambiente (EHS&S), Pessoas, Redução de Custos, Capital e Confiabilidade. A escolha desse tema para SIPAT se deu por ser um tema muito relevante e também por ser possível abordar de a relação de cada um dos elementos com ações de prevenção de acidentes de trabalho”, explica Sabrina Tenello, Analista de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da IP, área que coordena as atividades do Instituto.

A ideia de falar sobre o Sistema Global de Manufatura partiu dos próprios alunos, que além de escolher o tema e se empenharam na montagem do estande e nas explicações dadas aos profissionais que participaram das atividades.

A intenção foi trazer mais leveza e criatividade a um assunto sério, despertando a curiosidade das pessoas e esclarecendo alguns tópicos do GMS que ainda deixam dúvidas. “Os alunos abordaram um tema que está em alta na empresa e que muitos ainda têm dificuldade de entender o que é, diz a trainee Gabriella Pavanelli, que também faz parte da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes).

A Educadora Voluntária (EV), nas disciplinas de matemática e física, Gabriella acompanha a evolução dos alunos desde o início das aulas e se surpreendeu com o planejamento dos estudantes durante o evento.  “Os alunos sistematizaram a participação de cada um no estande, mostrando desenvolvimento pessoal. Houve revezamento nos horários de almoço, um verdadeiro trabalho em equipe. ”

O trabalho dos alunos não ficou restrito somente à semana da SIPAT. Os jovens prepararam todo o conteúdo antecipadamente e fizeram sabatinas entre os grupos para alinhar tudo o que seria falado e responder a todas as perguntas que chegassem.

A participação na SIPAT foi mais uma etapa do processo de desenvolvimento profissional que acontece nos dez meses do Formare. Com o curso já na segunda metade, a evolução é nítida e os alunos já começaram a pensar com mais clareza sobre o futuro. “Hoje vejo mais envolvimento e motivação nos alunos. Muitos já sabem do que gostam e já traçaram um plano para o ano que vem. Isso é muito importante, porque aqui eles podem experimentar, conhecer e pedir orientação. Estou muito feliz de contribuir com o Formare, porque também aprendo todos os dias com eles. É a primeira porta aberta de muitas possibilidades”, finaliza a trainee Gabriella Pavanelli.

Formare IP celebra o “Dia Nacional do Voluntariado”

O Dia Nacional do Voluntariado é celebrado dia 28 de agosto. Em celebração à data, os alunos do Formare organizaram e prestaram uma homenagem a todos os voluntários do programa.

No evento, os voluntários foram convidados para celebrar o dia com um café da tarde e os alunos aproveitaram para fazer os agradecimentos por meio de mensagens, músicas e apresentações.

A homenagem reforça a importância do trabalho voluntário para a IP, que por meio de programas e projetos, realiza ações sociais e comunitárias. O trabalho dos Educadores Voluntários, junto com as equipes de Responsabilidade Social, é executar atividades educacionais com os alunos do Formare por 9 meses.

O programa já capacitou mais de 400 jovens desde 2010. Só neste ano, 174 profissionais decidiram compartilhar seus conhecimentos com os alunos para a edição de 2017. A significativa adesão ao projeto mostra o comprometimento e o engajamento da International Paper com o voluntariado.

Histórico da data – No dia 28 de agosto de 1985, foi instituído o Dia Nacional do Voluntário por meio da Lei Nº 7.352. No Brasil, os trabalhos voluntários surgiram em 1543 com um grupo de imigrantes portugueses instalados em São Vicente (SP). Eles recebiam aventureiros exaustos devido a longa viagem marítima, que haviam atravessado para alcançar novas terras. No início, era muito comum entidades de caráter voluntário estarem associadas às organizações religiosas e étnicas.

Outro marco histórico e muito conhecido pela população brasileira foi o início da Cruz Vermelha em 1908. A organização iniciou o movimento mundial de escotismo no país e trouxe como referência o voluntariado sem filiação partidária e sem fins lucrativos.

Em 1993, o trabalho voluntário se fortaleceu com a criação da Ação da Cidadania Contra a Fome e a Miséria e pela Vida. O movimento tem o propósito de sensibilizar e organizar a sociedade brasileira em busca por iniciativas de combate à fome.

Na última segunda-feira, 28 de agosto, o governo federal, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), lançou o “Viva Voluntário”, programa nacional de voluntariado que tem o objetivo de aumentar o engajamento dos brasileiros em atividades solidárias e transformadoras.

CAPA

Apicultores do programa Apicultura Solidária recebem novos equipamentos de proteção individual

“Cooperados estavam ansiosos para receber os novos materiais”, conta José Antônio Monteiro

1

Na unidade de Luiz Antônio, nos dias 6 e 7 de julho, os cooperados da Cooperativa dos Apicultores da Região de Ribeirão Preto (COOPERAPIS) e a Associação dos Apicultores de Leme e Região (AAPILEME), receberam novos equipamentos de proteção individual (EPI) para o cultivo e colheita de mel.

Para trabalhar com abelhas são necessárias técnicas de manejo e de produção, mas além disso, para garantir a segurança desses trabalhadores no dia a dia, eles precisam de roupas especiais. Durante a produção e extração de mel, é imprescindível um macacão, par de luvas, par de botas e um fumegador. E foram esses materiais que os cooperados receberam do Instituto International Paper.

A entrega dos equipamentos de proteção individual para os apicultores faz parte de uma ação da IP, que renova as ferramentas de trabalho dos cooperados uma vez ao ano. Segundo o líder da COOPERAPIS, José Antônio Monteiro, é uma iniciativa muito importante para todos os apicultores, que utilizam um material de extrema qualidade.

2
“Quando soube em que dia poderia buscar todos os pacotes, avisei os cooperados. Alguns já estavam superansiosos para receber os novos equipamentos de proteção e por isso vieram até a mim para buscar”, conta Antônio, que trabalha com apicultura há mais de 40 anos.

Para Monteiro, é muito gratificante fazer parte do projeto Apicultura Solidária. O programa, ajuda no desenvolvimento socioambiental dos apicultores locais e contribui para a geração de renda desses trabalhadores, que utilizam das áreas florestais de eucalipto da International Paper.

shutterstock_343101845

Férias escolares pelo mundo

As estações do ano e datas comemorativas fazem com que cada país adote o recesso em diferentes datas do calendário

shutterstock_343101845

No Brasil, janeiro, julho e dezembro costumam ser meses muito aguardados por alunos de todo o país, pois eles marcam a chegada das férias escolares. Os períodos de recesso alternam entre as escolas particulares e as públicas, que seguem um calendário de nível federal, variando entre 60 e 120 dias distribuídos nos três meses.

Em outros países, porém, essa disposição pode ser bem diferente. É o caso da França, que permite que crianças e adolescentes em idade escolar tenham diversas pausas ao longo do ano. Lá, assim como em boa parte da Europa, dos Estados Unidos e do Canadá, o ano letivo tem início em setembro. Entre o fim de outubro e o começo de novembro, acontecem as “vacantes de la toussaint”, em comemoração ao Dia das Bruxas. E nos meses seguintes ainda acontecem mais quatro pausas: as férias de Natal, inverno, primavera e verão – nos meses de dezembro, fevereiro, abril e julho, respectivamente.

As temperaturas rigorosas dos Estados Unidos fazem com que, lá, a organização dos dias letivos também seja diferente de outras partes do mundo. As aulas começam no meio do ano, quando entra o verão, e o inverno marca as férias, uma vez que a neve é um grande obstáculo para quem precisa se locomover. E existe, ainda, o famoso “spring break”: período de pausa de uma semana antes do início da primavera, para alunos das escolas e universidades norte-americanas.

Na Finlândia, país que sempre figura no topo dos rankings internacionais por sua qualidade na educação, os estudantes possuem uma jornada escolar curta e as férias de verão duram dez semanas! Um longo período se comparado às outras nações.

Embora as quantidades e datas sejam tão diferentes, uma coisa é certa: nenhum país abre mão do merecido descanso durante o ano escolar. Para as crianças, além de um momento de relaxamento e diversão, as férias trazem enormes benefícios para a aprendizagem e devem ser aproveitadas ao máximo.

Renato Meulman Leite da Silva_ Forestry area_crop

Dia do Engenheiro Florestal

Especialistas no manejo sustentável das florestas celebram a profissão em 12 de julho

Renato Meulman Leite da Silva_ Forestry area

No dia 12 de julho é comemorado o “Dia do Engenheiro Florestal”, profissional dedicado à gestão racional e sustentável dos recursos florestais. A data homenageia São João Gualberto, escolhido pelo Papa Pio XIII como Protetor dos Florestais e um dos precursores das leis agrárias. A ele e a seus discípulos é atribuído o lema “conservar e saber usar”, que norteia os trabalhos destes profissionais até os dias de hoje.

Na IP, não poderia ser diferente: são as técnicas de manejo florestal que garantem a qualidade e a sustentabilidade do papel que é produzido pela empresa. Todo o trabalho é focado na redução do desperdício para o bom aproveitamento das florestas plantadas. Para isso, as técnicas de cultivo são essenciais.

“Na IP, temos engenheiros florestais trabalhando nas operações, desde a produção de mudas até a colheita florestal e abastecimento fabril. Também temos engenheiros florestais nas áreas de suporte, como planejamento e inventário, geoprocessamento, fomento e parceria, pesquisa e desenvolvimento”, explica o coordenador de Pesquisa e Desenvolvimento da International Paper, Renato Meulman, que trabalha há sete anos na empresa.

Ele conta que as possibilidades de atuação do engenheiro florestal são múltiplas e não se restringem apenas ao manejo florestal. “Hoje temos engenheiros nas áreas de suprimentos e nas áreas fabris, para produção de celulose.”

Para ser bem-sucedido na profissão – Mas quais as habilidades essenciais que os profissionais precisam desenvolver ao longo da carreira? Para Renato Meulman, é fundamental que o profissional goste do trabalho no campo e entenda como aliar os benefícios que os recursos naturais trazem para as sociedades, com a sustentabilidade do meio ambiente. A utilização destes recursos deve ser inteligente para garantir que não se esgotem na natureza.

“O meu trabalho envolve o desenvolvimento de novas tecnologias tanto para as operações florestais quanto para máquinas e equipamentos. Preciso também garantir que as recomendações técnicas estejam aplicadas de maneira correta para manter a qualidade das operações nas florestas plantadas”, explica.

No Brasil, a profissão de Engenheiro Florestal é relativamente nova e data da década de 1960. Nesses 50 anos, muita coisa mudou e as técnicas de manejo florestal evoluíram muito com as novas  tecnologias que têm contribuído para melhorar as atividades no campo.

DSC_0158

Ex-aluno do Formare IP conquista certificado Yellow Belt

Jediel Sabino fez parte da primeira turma do Projeto, em 2010 e hoje é engenheiro químico 

DSC_0166_

Aos 24 anos de idade, sete deles como profissional da IP, Jediel Sabino é um exemplo para as novas turmas do Formare. Contratado pela IP em 2010, após a conclusão do Fomare, ele começou sua trajetória na empresa como auxiliar de laboratório e foi técnico I e II, antes de se tornar operador de Painel da Caustificação e do forno de cal.

Nestes sete anos, Jediel formou-se em engenharia química na Faculdade Municipal Professor Franco Montoro, em Mogi Guaçu, e aperfeiçoou-se na carreira. Este ano, ele obteve o certificado Yellow Belt, concedidos a profissionais que realizam treinamento da metodologia “Seis Sigma”, para melhoria dos processos dentro de uma empresa.

A certificação – Obter um Yellow Belt exige um treinamento específico e a entrega de um projeto. Para conseguir a certificação, Jediel propôs um projeto de economia de químicos no processo de recuperação, com a redução do PH do grits (resíduo da fabricação do papel e da celulose).

“A ideia surgiu de uma necessidade ambiental de controlar o PH nos subprodutos gerados no processo de caustificação. Com a implantação do plano de melhoria, tivemos uma economia de R$16.000,00 mensais em perdas de produtos químicos, além de melhorar as metas ambientais”, explica.

A importância do Formare – Como aluno da primeira turma do Formare IP, o operador conta que, ter participado das aulas, foi fundamental para que pudesse construir sua carreira com mais clareza. Aproveitou, principalmente, as orientações que recebia dos profissionais mais experientes. “O Formare me mostrou como seria minha vida dentro de uma empresa. Isso realmente me ajudou a definir um plano de carreira, a decidir sobre a minha formação”, conta ele, que já participou como Educador Voluntário nas turmas do Projeto.

Para fazer acontecer – Com sua experiência de ter passado pelo Formare e ter se tornado um profissional IP, Jediel reforça a importância do aprendizado contínuo para a construção da vida profissional, com espaço para novas conquistas e crescimento. “É preciso ter vontade de aprender, ser curioso e aproveitar as oportunidades para tirar todas as dúvidas. Todo conhecimento, por mais simples que seja, quando aplicado traz grandes ganhos”, diz.

Alunos do Formare se apresentam em instituição de ensino superior

Convite feito por Educador Voluntário deu aos jovens a oportunidade de conversar com universitários

No dia 8 de junho, os alunos do Formare de Três Lagoas (MS) se apresentaram na 1º Semana Acadêmica, Cultural e Esportiva de Administração e Ciências Contábeis da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. O evento, realizado no anfiteatro do Campus II da instituição, abordou temas sobre inovação, motivação e mercado de trabalho.

Os alunos foram convidados por Otávio Rodrigues, estudante de Administração de Empresas da UFMS e Educador Voluntário do Formare. “O evento precisava de algo incomum, que se diferenciasse dos projetos de startups dos universitários. Inicialmente, a minha ideia era levar os alunos para prestigiar as palestras, mas depois sugeri que eles tivessem uma participação mais efetiva na Semana Acadêmica”, explica.

Os estudantes do Formare fizeram uma apresentação sobre “A História das Startups”, seguindo o tema escolhido para os debates do dia. Foi a primeira vez que se apresentaram para uma quantidade maior de pessoas.

Para embasar o conteúdo que seria ministrado, Rodrigues conta que, no primeiro módulo do projeto, os assuntos abordados foram sobre “Relacionamento e Trabalho em Equipe”, com o intuito de orientá-los a respeito da postura e da comunicação verbal durante apresentações.

Os universitários acharam incrível a organização e a disposição que os alunos tiveram, incluindo conceitos novos sobre o tema. “Houve muita participação dos estudantes e os jovens do Formare conseguiram lidar muito bem com essas situações”, comenta Otávio.

Outros Educadores Voluntários puderam assistir à apresentação dos alunos e ficaram orgulhos com essa experiência. “Tivemos nossas expectativas superadas, visto que sempre depositamos uma confiança muito grande neles”, finaliza o EV.

Relatório Instituto IP 2016-1_crop

Instituto IP divulga relatório de atividades

Programas coordenados pelo IIP beneficiaram mais de 28.500 pessoas em 2016

Relatório Instituto IP 2016-1

O Instituto International Paper divulgou, no final de abril, o relatório de atividades 2016. Ao todo, 28.574 pessoas foram beneficiadas pelos projetos realizados pelo IIP e seus parceiros em 14 cidades. Para se ter uma ideia, o número de impactados pelas ações é mais do que o dobro da população estimada do município de Luiz Antonio (SP), que conta hoje com cerca de 13.703 habitantes, de acordo com o IBGE.

O IIP em números – Ao longo de um ano, foram realizadas 24 ações nos 10 projetos coordenados pelo Instituto. Juntas, as iniciativas totalizaram R$ 1,2 milhão em investimentos na área de Responsabilidade Social Corporativa, mostrando o compromisso do IIP com o desenvolvimento socioeducacional de crianças e adolescentes. Confira alguns destes projetos:

PEA – O Programa de Educação Ambiental (PEA) tem como objetivo dialogar com professores e alunos do Ensino Fundamental para desmistificar questões relacionadas à sustentabilidade na produção de papel. Durante as visitas das escolas nas unidades, são abordados temas como a importância das florestas plantadas na preservação da fauna e da flora nativas, além das iniciativas em reciclagem e tratamento de efluentes feitas pela IP. Em 2016, o PEA beneficiou 3.161 pessoas, entre alunos e professores.

Formare – Desde 2010, o Projeto Escola Formare IP já preparou mais de 250 jovens para darem seus primeiros passos no mercado de trabalho. Todos os anos, 50 adolescentes, sendo 20 da cidade de Mogi Guaçu (SP), 20 de Luiz Antônio (SP) e região e 10 de Três Lagoas (MS), são selecionados para uma formação de 9 meses dentro das unidades da IP.

Além de acompanharem as aulas, ministradas por profissionais da IP, que atuam como Educadores Voluntários (EVs), estes jovens recebem orientações sobre estudos e carreira. Também aprendem sobre o setor de papel e celulose. No ano passado, 248 pessoas participaram das atividades do Formare.

Guardiões das Águas – Com o objetivo de despertar a reflexão sobre o uso consciente dos recursos hídricos, o projeto Guardiões das Águas existe desde 2008 e mobiliza alunos e professores do ensino básico, além de estender suas atividades para a comunidade. Em 2016, as ações aconteceram no município de Rio Verde (GO) e dividiram-se em três ondas: a primeira delas, “Linha D’Água”, incluiu uma palestra do navegador Amyr Klink a alunos da rede municipal de ensino e uma exposição fotográfica das expedições de Klink. Esta fase, impactou 4.047 pessoas.

A segunda onda, “Espaço Mundi” levou o espetáculo “Dr. Gota Contra o Desperdício” a comunidade, beneficiando 4.966 pessoas. A peça, montada em um cenário inflável em forma de meio globo terrestre aborda situações relacionadas ao desperdício de água.

Para encerrar as atividades, na terceira onda, o IIP premiou os melhores projetos para redução do consumo de água propostos pelas escolas. No total, as três ondas de implantação do Guardiões das Águas impactaram 10.225 membros da comunidade escolar de Rio Verde.

Apicultura Solidária – Em 2016, a produção de mel nas florestas plantadas de Mogi Guaçu e Luiz Antônio chegou a 15 toneladas, quase o dobro do que foi produzido em 2015 (8,4 toneladas). No ano passado, o IIP contratou uma consultoria para orientar os apicultores clandestinos a atuarem dentro das normas de segurança, convidando-os para fazer parte do projeto.

Natureza e Corpo – O projeto desenvolvido no município de Três Lagoas levou a horta comunitária a 300 alunos com idade de 12 a 16 anos de idade. Eles tiveram a oportunidade de visitar um assentamento rural, antes de começarem o plantio de verduras e legumes nos canteiros escolares.

ESA – Os Concursos de Redação e Literário do Projeto Educação Sociombiental, ESA, envolveram 449 pessoas entre alunos e professores dos últimos anos do Ensino Fundamental (5º e 9º) e do Ensino Médio. Com base no tema da ONU “2016, ano internacional das leguminosas”, os participantes tiveram que dissertar sobre alimentação saudável. Antes do concurso, porém, os professores participaram de workshops para levarem a temática para o debate em sala de aula.

Cidade do Livro – O programa de incentivo à leitura do IIP beneficiou 12.974 pessoas em 2016 e encerrou um ciclo de sete anos, após a passagem pelos municípios de Mogi Guaçu (SP), Três Lagoas (MS), Ribeirão Preto (SP), Suzano (SP), Paulínia (SP), Franco da Rocha (SP), Itapeva (SP), Rio Verde (GO) e Manaus (AM).

Leia na íntegra o relatório de Atividades do IIP.

^D674C5412891430DE7D995934BFFF000C5A4B646F49EA8FE60^pimgpsh_fullsize_distr

IIP celebra “Dia do Apicultor”

Apicultura_ (15)

O Instituto International Paper preparou uma ação especial para o Dia do Apicultor, celebrado em 22 de maio: a distribuição do mel produzido nas florestas plantadas da IP, pelo projeto “Apicultura Solidária”, aos profissionais de todas as unidades da empresa no País.

Para homenagear o trabalho dos apicultores, os alunos do Projeto Formare organizaram pacotes com sachês de mel, que serão entregues, de 22 a 26 de maio, com um folder informativo, que traz curiosidades sobre a data. Em Mogi Guaçu (SP), Três Lagoas (MS) e Luiz Antônio (SP), a entrega das lembranças será de responsabilidade dos próprios alunos. Já nas unidades de embalagem, a entrega será feita por profissionais internos denominados “pontos focais” do Instituto IP.

O mel foi produzido na safra passada pela pela Associação de Apicultores de Leme e Região (AAPILEME), que é parceira do Instituto desde 2014.
O projeto “Apicultura Solidária” visa ao uso das florestas plantadas de eucalipto da IP, para o cultivo e o comércio de mel. Ao todo, já foram produzidas mais de 70 toneladas do alimento. O objetivo também é expandir o desenvolvimento da produção e contribuir para a geração de renda aos apicultores locais.

Celebrar o “Dia do Apicultor” é celebrar o cuidado destes profissionais com o habitat das abelhas e, também, um alimento rico e benéfico para o corpo. É o reconhecimento desta importante atividade no âmbito da agroecologia nacional.

Histórico da data - Celebrado no dia 22 de maio, o Dia do Apicultor é uma homenagem a Santa Rita de Cássia, considerada a padroeira de todos os apicultores e também, dos que trabalham com a produção de mel e seus derivados. A história da apicultura no Brasil iniciou por volta de 1839, quando o padre Antônio Carneiro importou de Portugal, 100 colônias de abelhas europeias para o País, instalando-as na praia Formosa, no Rio de Janeiro.

Ao constatar problemas de adaptação devido às condições climáticas tropicais, o professor Warwick Estevan Kerr viajou à África com o apoio do Ministério da Agricultura e trouxe 49 rainhas, que foram instaladas no apiário experimental de Rio Claro, no Estado de São Paulo.

Durante o período, abelhas de 26 colmeias foram liberadas, ocorrendo o cruzamento das africanas com as europeias já existentes. Na época, era pouco explorado o estudo de novas técnicas de manejo. No entanto, com o tempo, os apicultores remanescentes passaram a expandir os métodos de cultivo.
Após a realização de simpósios e congressos que reuniram produtores e pesquisadores, a apicultura tornou-se um setor muito importante na produção agropecuária.

Em 1967, foi fundada a Confederação Brasileira de Apicultura, que resultou no primeiro congresso brasileiro do setor, três anos depois.
Em 2009, o Brasil ocupou o 4º lugar no ranking de maiores exportadores de mel do mundo. Em 2015, o país esteve na 8º posição, segundo dados da Associação Brasileira de Exportadores de Mel (ABEMEL).

 

 

shutterstock_130286066

A busca por respostas para a crescente escassez de água

Cachoeira do Fundao_ Serra Canastra_MGEm artigo publicado no site das Nações Unidas do Brasil, José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), destaca a crescente escassez da água e ações que devem ser levadas em conta com base em dimensões globais. “Não se pode evitar uma seca, mas pode-se impedir que a seca se transforme em fome”, ressalta.

Segundo Graziano, o aumento da água não resolverá a crise global. Ele menciona, que a partir de agora, obter resultados para o crescimento, devem ser realizados em três dimensões: econômico, social e ambiental. Dessa forma, seria possível enfrentar fatores que encadeiam problemas estruturais pelo mundo todo, entre os quais a falta de saneamento básico e de recursos naturais.

A crise hídrica seria apenas um fator de risco entre tantos outros países como Sudão do Sul, onde 40% da população vive em situação de desnutrição e calamidade pública. Embora a nação seja rica em petróleo, há 5 milhões de pessoas vivendo em estado de insegurança alimentar. Em países como esse, quando desastres climáticos acontecem, podem ocorrer guerras regionais devido à extrema pobreza.

A crise hídrica e projetos em ação – A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que, atualmente, cerca de 663 milhões de pessoas no mundo vivem sem acesso à água potável, um recurso de extrema importância para agricultores, responsáveis pela grande parcela das 800 milhões de pessoas em rotina de fome. A agricultura é um elemento fundamental, mas consome 70% da água doce no mundo. Por isso, é preciso articular ações que diminuam essa utilização, afirma o diretor-geral em seu artigo.

Promovendo ações de conscientização – No Brasil, por exemplo, há milhares de famílias pobres que vivem em áreas secas e usufruem de cisternas para armazenar água de chuva. Desde 2003, o Programa Cisternas do Governo Federal já entregou cerca de 1,2 milhão de cisternas, com capacidade total de armazenamento de 20 bilhões de litros. O custo de instalação é de R$ 3 mil e, para cada família, garante o abastecimento de até cinco pessoas, por oito meses. Programas educativos e voltados para a reutilização e preservação de água são medidas fundamentais, como o uso responsável da água na agricultura, citado por Graziano.

A economia e a reflexão sobre a utilização consciente de recursos hídricos são pautas trabalhadas no projeto Guardiões das Águas do Instituto International Paper (IIP). Além de abordarem questões quanto ao uso racional da água, a instituição desenvolve outros projetos como o Natureza e Corpo, que visam conscientizar sobre a qualidade de vida e hábitos saudáveis por meio da implantação de hortas comunitárias. Ambos os projetos do IIP são políticas públicas, que trabalham com temas da atualidade e de integração, para conscientizar e repercutir temas em torno do consumo consciente de recursos hídricos e naturais do planeta.

Fonte: ONUBR

shutterstock_338383619

Abril: mês da literatura infantil

shutterstock_338383619

O mês de abril celebra a literatura infantil ao homenagear os autores Hans Christian Andersen e Monteiro Lobato. Em diferentes épocas e localidades, estes escritores deixaram uma herança cultural que resiste ao tempo e atravessa gerações, abrindo as portas do mundo dos livros para milhares de crianças.

Além de exaltar a importância dos autores, as duas datas também promovem iniciativas para o estimulo à leitura por crianças e adolescentes.

Dia Internacional do Livro Infantil: 2 de abril

shutterstock_313165946

Criado em 1967 pelo International Board on Books for Young People (IBBY), o “Dia Internacional do Livro Infantil” homenageia o nascimento do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen. Ele se tornou famoso pelas adaptações de fábulas e histórias conhecidas em todo o mundo, como “O Patinho Feio”, “A Pequena Sereia”, “A Roupa Nova do Imperador” e “A Rainha da Neve”, que inspirou o filme “Frozen”, da Disney.

A cada ano, é escolhido um país membro do IBBY para representar a data, um autor local, que escreve uma mensagem de incentivo à leitura pelas crianças, e um ilustrador, responsável pela criação de um cartaz para divulgar a celebração e promover a leitura infantil em todo o mundo.

Em 2017, o “Dia Internacional do Livro Infantil” completou seu 50º aniversário, tendo a Rússia como representante e o escritor Sergey Makhotin como porta-voz. Em sua mensagem, ele rememora a infância, a alegria de segurar um livro com uma das mãos e de sentir o cheirinho de livro novo ao folhear as páginas.

Dia Nacional do Livro Infantil: 18 de abril

Cultural_1885.qxd

Criado em 2002, a partir da lei nº 10.402, o “Dia Nacional do Livro Infantil” homenageia o nascimento de Monteiro Lobato, pai de Narizinho, de Pedrinho e de toda a turma do Sítio do Pica-pau Amarelo.  Apesar de também ter escrito obras para adultos, ele costuma ser mais lembrado pela literatura infanto-juvenil, em que resgatou elementos da cultura caipira e personagens do folclore brasileiro.

Lobato também é considerado um dos pioneiros dos paradidáticos, livros que complementam a aprendizagem, unindo de maneira lúdica, conceitos de diferentes áreas do conhecimento às narrativas literárias.  Títulos como “Aritmética da Emília”, “Emília no país da Gramática” e “Serões de Dona Benta” são alguns exemplos de seu legado para a educação infantil.

Além de escrever, Lobato traduziu e adaptou diversas obras para o português, como “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll e uma compilação de contos de Hans Christian Andersen, entre outros títulos. Sua famosa frase “Um país se faz com homens e livros”, mostra sua preocupação com a educação e a cultura nacional.

O IIP e o incentivo à leitura 

DSC_6265

Contribuir para a educação socioambiental de crianças e jovens é uma das missões do Instituto International Paper. O Cidade do Livro Itinerante é um dos projetos porta-vozes dessa causa, unindo teatro e contação de histórias, busca estimular o hábito da leitura desde cedo e já atendeu mais de 50 mil crianças em nove municípios brasileiros nos últimos sete anos.

shutterstock_387561841

Jardinagem pelo correio

Projeto estimula a troca de sementes por carta

shutterstock_387561841

Com o surgimento do e-mail, a troca de cartas tornou-se um hábito raro entre as pessoas. Mas, a empresária de Florianópolis, Anaísa Catucci teve uma ideia original, que superou a marca de 2 mil pessoas interessadas em 24 horas: a troca de sementes pelo correio. Assim começou o projeto “Sementes pelo Mundo”.

A ideia começou quando Anaísa e o namorado resolveram fazer uma horta doméstica. As sementes que sobraram foram anunciadas nas redes sociais e atraíram milhares de desconhecidos, muito mais até do que a quantidade que eles tinham em mãos. Ao unir o gosto pela correspondência e pela jardinagem, a empresária formou uma rede para a troca de sementes, que são enviadas por carta, com instruções para o plantio.

O projeto atualmente busca parceiros para continuar a crescer e acumula histórias. Os interessados têm diferentes perfis, que vão de pais que querem mostrar aos filhos como uma semente germina a pessoas que perderam parentes e encontraram na jardinagem uma espécie de terapia.

Plantas na educação – No Instituto International Paper, o projeto Natureza e Corpo existe desde 2013 na unidade de Três Lagoas Lagoas (MS) para difundir a cultura regional por meio das ervas e hortas comunitárias implantadas nas escolas municipais.

Até 2015, o Natureza e Corpo fazia um resgate da tradição, com as plantas utilizadas pelos nossos avós em chás e na culinária, mostrando os benefícios das plantas para a saúde. No ano passado, o Natureza e Corpo ingressou em uma nova fase e levou a horta para a escola, em uma proposta multidisciplinar, em que os professores das diversas áreas do conhecimento se apropriavam dos canteiros para a explicação de conteúdos da grade curricular tradicional, conectando teoria e prática.

shutterstock_556842991

ONU propõe redução de plásticos dos oceanos

shutterstock_556842991

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou, no final de fevereiro, uma campanha global pela diminuição de plásticos dos oceanos até 2020. Denominada “Clean Seas”, a iniciativa é mobilizar governos, empresas e membros da sociedade civil em prol desta meta.

Lançada na Cúpula Mundial dos Oceanos, a campanha propõe diferentes focos de atuação. Às autoridades governamentais, cabe a implantação de políticas públicas para a redução do uso de plástico. Para as empresas, a diminuição de embalagens neste material, estimulando também a mudança de comportamento no consumidor final.

Em números – De acordo com dados da ONU, de todo o lixo presente nos oceanos, 80% é composto por plásticos. Isso significa um prejuízo estimado em US$ 8 bilhões à natureza. Se a situação não mudar, a perspectiva é que, no ano de 2050, haja mais plásticos do que peixes nos oceanos.

Diante de um cenário que pede por mudanças urgentes, alguns países, como a Indonésia, que sediou a Cúpula dos Oceanos em fevereiro, e também o Uruguai, já se comprometeram com a meta. Além destes, mais sete países também assumiram o compromisso.

Na mira – De todos os tipos de plásticos que chegam aos oceanos, dois tipos têm, hoje, o maior impacto sobre o ecossistema marinho: os microplásticos contidos em cosméticos e as embalagens descartáveis. A meta é eliminá-los dos oceanos até 2020.

Novo olhar – Ciente dos danos que o descarte de plástico na natureza pode causar, uma startup mexicana, a EcoDomum, enxergou uma oportunidade: transformar o que iria para o lixo em casas populares. Além de fabricar os painéis utilizados na construção, a empresa participa das etapas anteriores, como a coleta e a separação do material.

Só em 2016, foram construídas mais de 500 casas. O custo médio de um projeto de 40 m² é US$ 280. A iniciativa mostra que há caminhos viáveis para que o plástico ganhe novos destinos.

Além de convocar os governos e as empresas, a campanha da ONU traz à tona uma importante questão: como a mudança de hábito influencia positivamente na redução dos impactos ambientais? Tem-se, então, o importante papel das escolas e das famílias na educação das futuras gerações, disseminando práticas mais sustentáveis para redução dos resíduos plásticos na natureza.

Na International Paper, as atividades coordenadas pelo Instituto IP têm o objetivo de difundir boas práticas em sustentabilidade e meio ambiente nas comunidades onde a empresa opera. Para isso, o Instituto atua em parceria com as escolas locais, levando os projetos PEA (Programa de Educação Ambiental), ESA (Educação Socioambiental) e Guardiões das Águas.

Cada um deles traz a reflexão sobre a importância de se adotar hábitos mais sustentáveis para reduzir, reciclar e reutilizar.

baled at source 2

Logística reversa: uma aliada da sustentabilidade

baled at source ip

Desde 2015, o Brasil tem um Acordo Setorial firmado entre o poder público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes, para a implantação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto. Nele, empresas privadas se comprometeram em reduzir em 22% a quantidade de embalagens destinadas a aterros até o fim deste ano.

Este grupo de organizações, que é ligado ao “Compromisso Empresarial para Reciclagem” (CEMPRE), conta com o processo de logística reversa para cumprir essa meta. Desta forma, ao mesmo tempo em que estimula o trabalho de cooperativas, a inciativa colabora com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, implementada na forma de lei pelo Governo Federal em 2010.

Em fevereiro deste ano, o relatório com os primeiros resultados do Acordo Setorial de Embalagens revelou que o sistema de logística reversa chega a mais de 50% da população, por meio de ações realizadas em 422 municípios em 25 estados brasileiros. Elaborado pelo grupo “Coalizão Embalagens”, que reúne 28 associações empresariais, os dados mostram que isso só foi possível graças a ampliação da capacidade produtiva das cooperativas.

Na International Paper – A redução de resíduos é uma preocupação constante na IP. Uma das alternativas implantadas pela empresa, desde 2013, é o projeto Baled at Source, ou B@S. Ele consiste na compra de aparas (fardos de papelão ondulado) diretamente de supermercados, hospitais e indústrias.

A IP estabelece uma parceria com estas grandes empresas e oferece os recursos necessários, como transporte e prensa enfardadeira, para que as embalagens retornem e possam ser recicladas.  As aparas são utilizadas na fabricação de novas caixas de papelão e, ao comprar diretamente da fonte, ganha-se na relação custo-benefício e no produto final, que é de mais qualidade por conta da matéria-prima.

05-formare1

Educadores Voluntários preparam-se para o Formare

Antes do início do curso, os EVs participaram de treinamento com técnicas e metodologias de ensino para aproveitar ao máximo o horário das aulas

Formare

Nos dias 22, 23 e 24 de fevereiro, os Educadores Voluntários da edição de 2017 do Projeto Escola Formare IP, nas unidades de Três Lagoas, Luiz Antônio e Mogi Guaçu, passaram por um dia de treinamento prático. Ministrado pela Fundação Iochpe, o curso foi elaborado para instrumentalizar os profissionais da International Paper com técnicas pedagógicas para o trabalho em classe e melhor aproveitamento das aulas, além de trazer dicas de apoio para pesquisa de temas, preparo de conteúdo, propostas de trabalhos e dinâmicas em sala de aula, atribuições extraclasse de cada um dos Educadores Voluntários.

A ideia é fazer com que os EVs possam extrair o seu máximo potencial como educadores e estimular os alunos a fazerem o mesmo, desenvolvendo um pensamento crítico e analítico às mais diversas situações.  O treinamento, que também apresentou um panorama da educação no Brasil, explicou ainda a melhor forma de organizar a agenda de trabalho do profissional IP, conciliando-a com as atividades das aulas.

 Formando jovens para o futuro

 Ao longo de sete anos na International Paper, com a coordenação do Instituto IP, o Projeto Escola Formare IP já capacitou cerca de 350 jovens, preparando-os para o mercado de trabalho. Ao longo de 10 meses, eles participam de diversas aulas e desenvolvem habilidades e competências, com disciplinas que trabalham a comunicação e o relacionamento interpessoal, além de temas específicos relacionados à produção de celulose e papel. Os jovens aprendem a elaborar e a executar projetos, que são apresentados às demais áreas da empresa, e dão suporte à organização e divulgação de eventos do IIP, como as campanhas de voluntariado, entre outras iniciativas.

Ao final da capacitação, os alunos recebem um diploma reconhecido pelo Ministério da Educação e emitido pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

 

shutterstock_447240640

Aplicativos gratuitos ajudam na rotina de sala de aula

Projeto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) cataloga softwares livres com conteúdos para a Educação Básica e Ensino Superior

shutterstock_447240640

Os alunos e os Educadores Voluntários do Formare 2017 podem contar com mais uma fonte de pesquisa gratuita para auxiliar as aulas e as pesquisas: o projeto “Software Educacional Livre para Dispositivos Móveis”.

Desenvolvido pelo professor universitário Paulo Francisco Slomp e seu aluno André Machado, ambos da UFRGS, o projeto consiste em uma tabela com mais de 300 aplicativos gratuitos para Android, com conteúdos de apoio em diversas áreas do conhecimento. Uma alternativa que pode ajudar educadores e estudantes no dia a dia da sala de aula, com materiais gratuitos e abertos a quem quiser aprender mais.

Confira as categorias e o número de aplicativos por nível de ensino.

– 78 para Educação Infantil;
– 154 para os anos iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano);
– 173 para os anos finais do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano);
– 181 para o Ensino Médio;
– 203 para o Ensino Superior.

O material está dividido por área do conhecimento e reúne conteúdos sobre Biologia, Educação Física, Educação Artística, Física, Geografia, Informática, Matemática, Medicina, Música, Química e Sociologia. Há também material sobre acessibilidade, ensino religioso, idiomas e jogos.

Treinando o inglês – A lista reúne aplicativos em português, inglês, francês, espanhol e catalão. A maioria dos conteúdos está na língua inglesa, o que possibilita a prática do idioma ao incluí-lo nas atividades do dia a dia, além do estudo das próprias disciplinas que integram o currículo escolar.

Conteúdo aberto – A tabela criada por Paulo Slomp e André Machado está aberta a inserções de novos aplicativos, o que possibilita a atualização da listagem a qualquer momento.

Ficou curioso? Acesse a lista aqui.

novo

Formare IP abre inscrições para Educadores Voluntários em 2017

Até o dia 17 de fevereiro, qualquer profissional da IP pode escolher uma disciplina para ministrar aulas para as próximas turmas em Mogi Guaçu, Luiz Antônio e Três Lagoas

BAT5766

As inscrições para o próximo time de Educadores Voluntários da turma 2017 do Projeto Escola Formare já estão abertas. Para participar, basta apenas o pré-requisito do voluntariado: ter vontade.

No ano passado cerca de 150 profissionais se inscreveram para dar aulas aos alunos do projeto nas unidades de papel e celulose, localizadas em Mogi Guaçu (SP), Luiz Antônio (SP) e Três Lagoas (MS).  Este ano, a expectativa é termos ainda mais voluntários no Formare, mostrando o compromisso dos profissionais da IP com a capacitação de jovens.

Vontade de ensinar e de aprender – cada profissional pode escolher até três disciplinas para ministrar aulas, de acordo com seus conhecimentos e área de atuação. Desta forma, eles contribuem para o desenvolvimento de jovens que estão em fase de decisão de carreira. “A experiência de atuar como EV é bastante enriquecedora, pois aprendi a lidar com diferentes opiniões e a ouvir mais. É um treinamento de liderança”, diz Gláuber Sales, educador voluntário em Mogi Guaçu.

Para Wagner Cortez, educador voluntário em Luiz Antônio, participar do Formare também ajudou a achar soluções para o seu dia a dia. “A busca por materiais para preparar as aulas, me mostrou que há muitas semelhanças entre os assuntos trabalhados no curso e o que se discute no dia a dia profissional. Eu não só encontrei soluções, como consegui captar ideias dos alunos para serem implementadas no meu trabalho”, revela.

Em Três Lagoas, a educadora voluntária Bruna Locatelli, vê o Formare como uma via de mão dupla na construção de conhecimento, capaz de transformar quem se propõe a ensinar e quem chega para aprender. “É um trabalho que me ensinou a ser melhor em todos os aspectos. É muito gratificante”, conta.

Início das aulas – o Projeto Escola Formare IP inicia o ano letivo no dia 3 de março. Em 2017, os 50 alunos aprovados seguem o mesmo calendário, com o final do curso previsto para novembro. Nos próximos dez meses, as turmas terão a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o processo de fabricação de papel e celulose, além de aprender conceitos de comunicação oral e escrita, língua inglesa, sustentabilidade, segurança, entre outros temas.

O intuito é combinar algumas disciplinas teóricas, que ajudarão os alunos na conquista de uma vaga no mercado de trabalho, com a parte prática voltada aos processos industriais. “A ideia é instrumentalizarmos os alunos para que eles consigam participar de futuras entrevistas de emprego, mostrando todo o seu potencial, com um bom currículo e uma boa vivência, por conta das interações que eles têm ao longo do curso”, explica a Gerente de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da IP, Gláucia Faria.

Este ano, mais de 500 candidatos das três regiões participaram do processo seletivo na disputa por uma vaga no Formare IP.

testeira-quadrinhos2

30 de janeiro é Dia do Quadrinho Nacional

Considerados a porta de entrada de muitas crianças para o universo da leitura, os quadrinhos acompanham leitores por várias gerações. Saiba mais sobre esta data.

testeira-quadrinhos

Maurício de Sousa, Laerte, Ziraldo, Angeli, Glauco e Jaguar.  Esses são alguns dos nomes de artistas brasileiros a serem lembrados em 30 de janeiro, data que celebra a criatividade do quadrinho nacional. A primeira história em quadrinhos brasileira foi publicada em 30 de janeiro de 1869, pelo cartunista de origem italiana Angelo Agostini: “As Aventuras de Nhô-Quim ou Impressões de Uma Viagem à Corte”.  A publicação narra as peripécias de Nhô-Quim, que sai de Minas Gerais em direção ao Rio de Janeiro.

Foi somente em 1984, 115 anos após a primeira história de Nhô-Quim ter sido publicada, que o Dia do Quadrinho Nacional passou a ser celebrado. Ao longo deste período, o Brasil revelou grandes quadrinistas. Artistas que ganharam destaque especial entre as décadas de 50 e 70, com a publicação dos quadrinhos em jornais e revistas, estabelecendo um diálogo com crianças e jovens ou marcando posição em relação à política vigente no País.

A linguagem também ganhou força com o surgimento da internet, que se consolidou como canal para a revelação de cartunistas e gibis independentes. Além disso, eventos como a Comic Con Experience (SP), o Festival Guia dos Quadrinhos (SP) e a Bienal de Quadrinhos de Curitiba (PR) tornaram-se garantia de espaço e de projeção para diferentes gerações de talentosos quadrinistas brasileiros.

Prova de que os quadrinhos são uma linguagem que agrada a todas as idades é um artigo na publicação “Economia Criativa”, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). De acordo com o texto divulgado em 2014, estima-se que o Brasil tenha aproximadamente 18 milhões de leitores de quadrinhos, englobando de colecionadores a leitores eventuais dos HQs.

 Incentivo à leitura, uma bandeira do IIP

Os quadrinhos não são sinônimo apenas de entretenimento. Também são uma importante ferramenta para estimular crianças a lerem. Inclusive, o trabalho com HQs em sala de aula é defendido por muitos educadores. Por sua linguagem ágil e capaz de expressar facilmente traços da cultura e comportamento de um povo, os gibis são também apontados como instrumento para a formação do pensamento crítico.

Uma posição adotada oficialmente até mesmo pelo Ministério da Educação (MEC), pois integra os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), que estabelecem diretrizes para os conteúdos utilizados na Educação Básica, que engloba a Educação Infantil e os Ensinos Fundamental e Médio.

Neste caminho, uma das causas abraçadas pelo Instituto International Paper (IIP), por meio dos projetos que apoia, é a educação de crianças e adolescentes com o incentivo à leitura. Exemplo é a “Cidade do Livro”, que já beneficiou mais de 50 mil crianças de dez municípios, entre 2009 e 2016.

 

Logo-Instituto

Iniciativas do Instituto beneficiam mais de 28 mil pessoas em 2016

Logo-Instituto

Transformar a vida das pessoas. Com este objetivo, o Instituto International Paper (IIP) realizou em 2016 uma série de iniciativas para a promoção da educação socioambiental de crianças e adolescentes, impactando mais de 28 mil pessoas por meio dos programas: Projeto Escola Formare, Programa de Educação Ambiental (PEA), Cidade do Livro Itinerante, Educação Socioambiental (ESA), Guardiões das Águas, Guardiões em Ação, Apicultura Solidária e Natureza e Corpo.

Por trás destes projetos, temas como voluntariado, preservação ambiental, educação profissional, incentivo à leitura e alimentação saudável foram levados às comunidades onde a IP atua.

Projeto Escola Formare: em 2016, o Formare completou seis anos na IP05-formare1, totalizando a formação de 350 jovens. Pelo programa, os alunos realizam um curso de formação profissional inicial dentro da própria empresa; os profissionais atuam como educadores voluntários e compartilham seus conhecimentos técnicos e experiências profissionais, possibilitando a esses jovens uma visão mais clara sobre a escolha da futura carreira e a dinâmica do mercado de trabalho. Todos os anos, o Formare IP abre 20 vagas para jovens residentes em Mogi Guaçu (SP), 20 vagas para a região de Luiz Antônio (SP) e 10 vagas para Três Lagoas (MS), cidades em que a International Paper (IP) mantém operações para a produção de papel e celulose.

 

11-peaPrograma de Educação Ambiental (PEA) – O Programa de Educação Ambiental existe desde 1993, com o objetivo de conscientizar alunos e professores da educação básica sobre a importância das florestas plantadas na manutenção dos recursos naturais, colaborando para a preservação da mata nativa. Em 2016, mais de três mil pessoas passaram pelo programa, nas unidades de Luiz Antônio e Mogi Guaçu (SP) e também nos municípios paulistas de São Simão, Santa Rosa de Viterbo, Guatapará, Mogi Mirim, Aguaí e Altinópolis.

 

08-guardioes-das-aguasGuardiões das Águas – O projeto foi a Rio Verde (GO) para reforçar à comunidade a importância da preservação dos recursos hídricos. Dividido em três fases, o projeto aconteceu em março de 2016 e apresentou a exposição Linha D’ Água, com fotos das expedições do navegador Amyr Klink. A mostra ficou em cartaz no Shopping Buriti. Em um segundo momento, alunos do 4º e 5 º ano da rede municipal puderam assistir ao espetáculo teatral Espaço Mundi, no Parque de Exposições de Rio Verde. A ação foi encerrada com um concurso que premiou os melhores projetos para redução do consumo de água, elaborados pelas escolas participantes.

 

01_APICULTURA-baixaApicultura Solidária – O destaque de 2016 no Apicultura Solidária, projeto que aproxima as florestas plantadas da IP de uma cooperativa de produtores de mel, foi a capacitação dos apicultores para o envase do mel produzido na área florestal da IP. Um trabalho que garantiu mais autonomia e conhecimento aos cooperados, que contribuiu para o alcance da produção de 15 toneladas de mel.

 

03-cidade-dolivro

Cidade do Livro Itinerante – Em 2016, o projeto esteve nas cidades de Manaus (AM) e Rio Verde (GO), onde mais de 12 mil crianças puderam rir e aprender com as peripécias da Tracinha, uma traça muito esperta que prefere devorar os livros pela leitura. Com isso, o projeto encerrou um ciclo de sete anos de trabalho, período no qual a Cidade do Livro Itinerante também passou pelas cidades de Mogi Guaçu (SP), Três Lagoas (MS), Ribeirão Preto (SP), Suzano (SP), Paulínia (SP), Franco da Rocha (SP) e Itapeva (SP). Graças ao projeto, mais de 50 mil crianças puderam embarcar nesse mundo mágico da literatura.

 

ESA_logoEducAção Socioambiental (ESA) – Os concursos do ESA já são uma tradição na região de Mogi Guaçu. Realizado há 41 edições, o concurso de redação é voltado para alunos do 5º e 9º anos do Ensino Fundamental e para alunos do 3º ano do Ensino Médio. Aos professores da rede pública, o ESA oferece o concurso literário, que passou da 11ª edição. A cada ano, a proposta é sempre ampliar as discussões de um tema da atualidade na comunidade escolar. Em 2016, o tema escolhido para ambos os concursos foi Alimentação Saudável, seguindo a temática da ONU, que elegeu o período como o Ano Internacional das Leguminosas.

 

10-natureza-corpoNatureza e Corpo - Em 2016, o projeto avançou ao começar a trabalhar com o plantio de verduras e legumes. Nos anos anteriores, era priorizado o cultivo de ervas e temperos. Com o novo foco, somado à temática da alimentação saudável trabalhada no ESA, o IIP levou mais um tema para discussão na comunidade escolar: a sustentabilidade alimentar, que foi trabalhado por professores de diferentes disciplinas. Em 2017, as atividades continuam acompanhando o calendário escolar e os temas relacionados à sustentabilidade, educação e meio ambiente.

 

guardioes-em-acaoGuardiões em Ação – Com o objetivo de possibilitar o trabalho voluntário para os profissionais do escritório de São Paulo, desde de 2012 o projeto Guardiões em Ação marca presença em datas comemorativas levando muita alegria e a interação entre crianças e adolescentes de comunidades carentes da capital paulista e os guardiões (voluntários da IP). Em 2016 os guardiões agiram em duas missões, a primeira foi na Páscoa e a segunda no Natal.

 

05-formare1

Aprovados no Formare 2017

05-formare

RESULTADO PROCESSO SELETIVO FORMARE – INTERNATIONAL PAPER 2017

Confira abaixo a lista de aprovados no processo seletivo do Formare para unidades da International Paper em Três Lagoas, Luiz Antônio e Mogi Guaçu.

LISTA DE APROVADOS PARA O FORMARE IP 2017

Unidade: Três Lagoas/MS

Aprovado
1 Abner Loureiro Santana
2 Cleisla Martins da Silva
3 Eduardo Borges Lopes
4 Felipe da Silva Campos
5 Felipe Henrique Medeiros de Lima
6 Juliane Ribeiro Teixeira
7 Letícia Vasques Lucena
8 Lincoln Batista Melchior
9 Natálya Moreira da Silva
10 Pâmela Feitosa Dos Santos

 

Unidade: Luiz Antônio/SP

Aprovados de Luiz Antônio
1 Alex Gonçalves dos Santos
2 Állan Gabriel dos Santos Bortolozzo
3 Ana Beatriz Ferreira
4 Caio Vinicius Tavares Costa Claro
5 Celso Aparecido Silva Junior
6 Crisele Aparecida dos Santos Costa
7 Gabriel Ribeiro Junqueira
8 João Vitor Beluti da Silva
9 José Henrique dos Santos Belchior
10 Julia da Silva Souza
11 Juliana Teixeira Pimenta
12 Karen Maria Garcia
13 Mileny Hatsue Nomura
14 Othon Omar Balthazar
15 Pâmela Priscila Baldissarelli Bibiano
16 Paulo Henrique Oliveira da Silva Santos
17 Pérola Nicole Gonçalves
18 Rafaela Gonçalves Duarte
19 Raila da Silva Santos
20 Rita de Cássia Ribeiro

 

Unidade: Mogi Guaçu/SP

Aprovado
1 Alan Henrique de Oliveira Menezes
2 Aline Aparecida Scanavachia
3 Ana Beatriz de Faria
4 Anderson Antonio da Silva
5 Camila Negli Panseri
6 Eduardo Henrique Dos Santos
7 Flavio Scomparin Gomes
8 Giovanna Gabrielly Silva Costa
9 Guilherme Brandão Martins de Sousa
10 Hebert Willam da Rosa
11 Ivana Renata Zavoski
12 Jenifer Kauany de Souza dos Reis
13 Marcos Abreu de Souza
14 Marcos Gabriel dos Santos Carvalho
15 Matheus Guimarães Justino
16 Rafael Luiz de Moura Borges
17 Sarah da Rocha Porfírio
18 Sarah Ribeiro da Silva
19 Stefany Nunes do Amaral
20 Thainá Ferreira de Sousa

 

Documentos que deverão ser providenciados para admissão dos alunos Formare:

Todos os aprovados:

1 foto ¾, recente;

1 cópia do RG;

1 cópia do CPF;

1 cópia da Certidão de Nascimento;

1 cópia de Comprovante de endereço (conta de luz, água ou telefone);

1 cópia do cartão do SUS;

Declaração original de conclusão do Ensino Médio ou declaração de matrícula no 3º ano do Ensino Médio;

Carteira de vacinação original.

Apenas aprovados menores de idade:

1 cópia do RG dos Pais e/ou Responsável;

1 cópia do CPF dos Pais e/ou Responsável;

1 Comprovante de endereço dos Pais e/ou Responsável (apenas se o aluno não residir na mesma casa);

OBS: Os documentos deverão ser entregues na data do exame admissional.

Em breve entraremos em contato para marcar a data do exame médico e entrega dos documentos pessoais. Fique atento e caso tenha alguma dúvida entre em contato com o Coordenador Formare da sua unidade.

TRES LAGOAS
Gabriel Lima
gabriel.lima@ipaper.com
(67) 2105-6124
LUIZ ANTÔNIO
Sabrina Tenello
sabrina.tenello@ipaper.com
(16) 3986-9073/ (16) 99781-7695
MOGI GUAÇU
Tomás Fernandes
tomas.fernandes@ipaper.com
(19) 3861-8955/ (19) 99818-8245

 

floresta ip mogi guaçu

Quanto custa a melhoria da qualidade do ar?  

Estudo revela que investimento de R$ 13 por habitante em plantio de árvores é suficiente para melhorar a saúde em áreas urbanas

Trecho da floresta IP em Mogi Guaçu (SP)

Trecho da floresta IP em Mogi Guaçu (SP)

A poluição do ar e o aumento da temperatura global fazem parte dos 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS), instituídos pela Organização da Nações Unidas (ONU). De olho na redução dos impactos ambientais nas próximas décadas, diversas instituições, além da ONU, debatem soluções viáveis para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

É o caso da The Nature Conservancy, que divulgou em novembro de 2016 um estudo que mostra que, com o investimento de US$ 4 por habitante (cerca de R$ 13) no plantio de árvores é possível a redução de até um quarto das partículas suspensas no ar, gerada nos grandes centros urbanos pela queima de combustíveis fósseis.

De acordo com os autores do estudo “Plantando Ar Puro”, a limpeza do ar e manutenção da temperatura trazida pelas árvores trariam grandes benefícios para a saúde das populações nas grandes cidades. Todos os anos, estima-se que morrem mundialmente cerca de três milhões pessoas em decorrência de complicações respiratórias, cardíacas ou derrame, ocasionadas pela inalação de micropartículas de poluentes, que entram na corrente sanguínea.

As árvores, quando corretamente plantadas em áreas estratégicas, funcionam como um filtro, garantindo a limpeza do ar e o conforto térmico. Um sopro de ar fresco, considerando que a temperatura de ambientes arborizados pode ser até 2°C mais baixa, sem falar que as árvores também contribuem para a manutenção da umidade do ar.

Nas áreas florestais da International Paper, por exemplo, são mais de 102 mil hectares de terras plantadas, sendo 70% destinado à plantação de eucalipto e 25% à conservação de vegetação nativa. O cultivo de eucalipto da IP captura cerca de 6 toneladas de CO² a cada tonelada de papel produzido, deixando o ar mais limpo para a comunidade e reforçando nosso compromisso com o planeta e com as futuras gerações.

Formatura MG_2016

Emoção marca formatura dos alunos do Projeto Escola Formare 2016

Formatura LAN_2016

Em clima de despedida, mas com um gosto de “quero mais”, alunos encerram ciclo de dez meses com diploma nas mãos e maturidade para os próximos desafios

Dezembro foi um mês de muita emoção e expectativa para os alunos do Projeto Escola Formare IP, coordenado pelo Instituto International Paper (IIP). Após 09 meses de muito aprendizado e troca de experiências, os alunos de Mogi Guaçu e Luiz Antônio oficialmente encerraram o curso e conseguiram a certificação no curso profissionalizante de Assistente de Produção da Indústria de Processos. Mas essa conquista não seria possível sem toda a dedicação dos Educadores Voluntários (EVs), que dedicaram parte de sua agenda para ensinar o que sabem e transmitir um pouco de suas experiências profissionais.

Formatura MG_2016Mogi Guaçu – A formatura dos alunos de Mogi Guaçu aconteceu no dia 15 de dezembro, no Espaço Gênesis, no Jardim Parque Real, em Mogi Guaçu (SP). Emocionados, os alunos homenagearam os EVs, Gláuber Correa Sales, engenheiro trainee da área Industrial, responsável pela disciplina de Fundamentação Numérica, e José Carlos Alexandre Barbosa, que ministrou a disciplina de Medição e Desenho Mecânico.

Ao longo do curso, os profissionais acompanharam de perto o desenvolvimento dos alunos, respondendo às perguntas e esclarecendo dúvidas sobre carreira, formação acadêmica, escolha da faculdade, bem como questões relacionadas ao dia a dia do processo de fabricação de papel e celulose.

Formatura LAN_2016Luiz Antônio – No dia seguinte à formatura dos alunos de Mogi Guaçu, foi a vez da turma de Luiz Antônio. Os 19 jovens selecionados para o Projeto em 2016 reconheceram e agradeceram o trabalho dos Tutores e EVs por tudo o que aprenderam nas aulas e pelo amadurecimento para enfrentar o mercado de trabalho. Durante a cerimônia, que aconteceu na própria unidade da International Paper (IP), os jovens relembraram os bons momentos que passaram na empresa e reforçaram a importância de cada voluntário para essa conquista.

Os homenageados deste ano em Luiz Antônio foram: o EV e executivo de marketing da Solenis, Elídio Frias, que também é parceiro das ações do IIP, e Joselir Cassucci, responsável pela disciplina de Química, que promoveu uma atividade multidispliclinar envolvendo a construção e o lançamento de um foguete feito com garrafas PET. O sucesso foi tão grande que houve até um pequeno evento para exposição dos projetos antes do lançamento. Os nomes mais criativos foram premiados e o foguete que foi mais longe, também.

“É muito gratificante poder contribuir de alguma maneira para o desenvolvimento destes jovens, mostrando que, com garra e dedicação, é possível alcançar todos os objetivos na vida e realizar sonhos”, diz a gerente de Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade, Gláucia Faria, que coordena as atividades do IIP.

Todos os profissionais que fizeram parte do Formare 2016, agora, ficam na torcida para o sucesso dos jovens formandos. A eles, desejamos muito boa sorte e uma linda carreira pela frente.

Mas o Formare não para. Já está quase tudo pronto para as próximas turmas de 2017. Aos “novatos”, o IIP deseja boas-vindas!

 

DSC_0094

Alunos do Formare Mogi Guaçu organizam doação de alimentos

DSC_0048As famílias atendidas pelas instituições que fazem parte da Federação das Entidades Assistenciais Guaçuanas (FEAG) terão uma mesa mais farta neste Natal. Isso porque os alunos do Projeto Escola Formare da Internacional Paper trabalharam desde outubro na organização de uma campanha de doação de alimentos para tornar o fim de ano de muita gente mais saboroso.

As doações foram feitas voluntariamente pelos profissionais da IP de Mogi Guaçu, que tiveram de 31 de outubro a 25 de novembro para fazer sua contribuição, doando alimentos não perecíveis. Aos alunos coube toda a parte operacional da organização de uma campanha: da distribuição dos panfletos de divulgação, à contagem dos itens para a montagem das cestas básicas.

Ao todo, foram arrecadados 205 itens, superando a marca de 150 kg de alimentos não perecíveis do ano anterior. Os produtos foram entregues no dia 5 de dezembro na FEAG, que reúne 23 instituições assistenciais de Mogi Guaçu, que trabalham em diferentes segmentos: atendimento e apoio a crianças e adolescentes, suporte a famílias carentes, a pessoas com deficiência, acolhimento a migrantes e pessoas em situação de rua, e na assistência a idosos.

A participação dos alunos do Formare em campanhas em datas comemorativas reforça o compromisso da IP com ações de voluntariado, mostrando aos jovens participantes do projeto que qualquer tipo de contribuição para transformar a vida das pessoas é válida, tanto para quem ajuda, como para quem recebe apoio.

 

IMG_4692

PEA beneficia mais de três mil pessoas em 2016

IMG_4698

O Programa Educação Ambiental (PEA), do Instituto International Paper tem muito a comemorar este ano.  As atividades envolveram um total de 3.161 pessoas, entre estudantes da Educação Básica e professores em sete municípios: Luiz Antônio, São Simão, Santa Rosa de Viterbo, Guatapará, Mogi Guaçu, Mogi Mirim, Aguaí e Altinópolis.

Este ano, o IIP trabalhou o PEA em duas formas: itinerante, em que as atividades vão até os estudantes nas escolas localizadas nas regiões onde a IP atua, e fixa, em que as ações acontecem nas dependências da International Paper, em Luiz Antonio e Mogi Guaçu, proporcionando uma vivência diferente aos alunos, que deixam o ambiente escolar para ver mais de perto como funciona uma indústria de papel.

No primeiro semestre, o PEA foi até as escolas. Já no segundo, alunos e professores excursionaram, de ônibus, pelas unidades e participaram das atividades na carreta interativa, que mostra os detalhes sobre a fabricação do papel, desmistificando alguns conceitos do processo produtivo, além de mostrar as ações da empresa para a preservação do meio ambiente.

Com a premissa de educar para transformar, o PEA traz não só informações sobre as florestas plantadas e a origem do papel, mas também aborda questões gerais de preservação ambiental, em um ambiente lúdico e atividades educativas em todos os momentos.

O programa de Educação Ambiental (PEA) é realizado desde 1993 nos municípios da região Luiz Antônio e Mogi Guaçu, tendo mais de 89 mil crianças e jovens nas regiões em que a empresa atua.

IMG_4699

Alunos da Escola Municipal Joaquim Marques de Souza (2)

Natureza e Corpo encerra o ano com alimentação saudável na escola

Alunos da Escola Municipal Joaquim Marques de Souza (3)

Educar para um estilo de vida mais saudável. Com este propósito, o Instituto International Paper promove anualmente o “Natureza e Corpo”, projeto que propõe às escolas do município de Três Lagoas (MS) uma reflexão sobre qualidade de vida por meio da implantação de hortas comunitárias. A edição deste ano, que teve início no primeiro semestre, terminou em 21 de novembro, na escola Joaquim Marques de Souza, e no dia 22, na Escola Parque São Carlos. Mais de 1.600 alunos foram beneficiados.

Os professores desenvolveram as atividades relacionando-as ao contato com as mudas. Assim, os estudantes aprenderam não só técnicas de cultivo de vegetais, como também aplicaram a teoria da sala de aula ao dia a dia na horta, em uma prática interdisciplinar.

O encerramento do projeto foi marcado por um evento, no qual foi feito um balanço dos conceitos ensinados aos jovens, os principais pontos de aprendizado e troca. Os alunos puderam também participar de um workshop, quando assistiram a um espetáculo teatral, que trouxe dois temas trabalhados no projeto: alimentação saudável e a história do café. Além das atividades expositivas, os alunos foram estimulados a propor melhorias para a horta no próximo ano. Após votação, as melhores propostas serão colocadas em prática em 2017.

De 2013 a 2015, o foco do “Natureza e Corpo” era o resgate dos costumes populares da região de Mato Grosso do Sul, por meio do cultivo de ervas aromáticas, mostrando como a saúde, a natureza e as tradições estão interligadas e fazem parte da cultura de um povo. Este ano, porém, o projeto deu um passo à frente e levou o plantio de verduras e legumes para a escola, visando ao estímulo de uma alimentação mais variada e nutritiva, por meio dessa aproximação de crianças e adolescentes ao contato com a terra.

A escolha do tema vem em um momento em que entidades internacionais discutem estratégias para uma alimentação ambientalmente sustentável e economicamente viável. Tanto que o ano de 2016 foi eleito pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Ano Internacional das Leguminosas. Trata-se de uma forma de chamar a atenção do mundo para a criação de políticas públicas que estimulem o consumo destes alimentos.

Ciente da importância da discussão desta temática no âmbito escolar, o Instituto International Paper trabalhou em seus projetos a questão da alimentação saudável em outras vertentes, como nos concursos Literário e de redação do ESA (Projeto Educação Socioambiental), levando alunos e educadores a refletirem sobre os próprios hábitos alimentares.

 

 

shutterstock_224404624

OMS propõe aumento de impostos para alimentos e bebidas prejudiciais à saúde

shutterstock_224404624A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou neste ano uma proposta de estabelecer medidas a fim de reduzir a obesidade no mundo. A estratégia é reorientar a alimentação por meio de políticas de incentivo a alimentos saudáveis e aumento de impostos em alimentos não saudáveis.

Entidades, como a OMS, estão em busca de ações que tragam políticas tributárias para reduzir a compra de alimentos e bebidas que colocam a saúde em risco, para diminuir a incidência de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares, e combater um problema mundial: a obesidade.

Se as políticas fiscais fossem adotadas no Brasil e pelo restante do mundo, o valor das bebidas açucaradas aumentaria em 20%. A prova de que a implantação seria eficaz, é a experiência no México, que sobretaxou em 10% esses produtos, reduzindo sua compra em 12%.

Na análise da OMS, o aumento dos impostos não seria somente em bebidas açucaradas, mas sobre praticamente todos os alimentos e bebidas que contém gorduras saturadas, gorduras trans e produtos derivados de tabaco.

A medida também busca atribuir subsídios de frutas e vegetais frescos entre 10 e 30%, com o intuito de aumentar o consumo desses alimentos ricos em nutrientes.

A estimativa é que um a cada três adultos da população mundial (39%) está acima do peso, por essa razão ter conhecimento sobre uma alimentação saudável e refletir sobre os aspectos ambientais que isso causa ao planeta é muito importante. Uma vez que 51% da população brasileira é obesa.

Estimulando a alimentação saudável - A Organização das Nações Unidas (ONU) elegeu 2016 como o Ano Internacional das Leguminosas, por isso a International Paper escolheu a Alimentação Saudável como tema para os projetos Educação Ambiental (ESA) e Natureza e Corpo.

Durante os meses de agosto e outubro, os dois projetos do IIP realizaram atividades com alunos dos ensinos fundamental e do médio abordando temas de muita relevância, mas pouco discutidos nas escolas: as práticas saudáveis de alimentação e a contribuição para um planeta mais sustentável e econômico.

O projeto Natureza e Corpo do IIP propôs que alunos de escolas municipais visitassem hortas, aprendendo sobre o cultivo de verduras e legumes e os cuidados necessários com a terra, para que refletissem a respeito de uma vida mais saudável e a preservação do meio ambiente. O projeto geralmente já tem como princípio trabalhar a educação alimentar por meio de hortas comunitárias.

Além disso, a importância das leguminosas, de uma dieta equilibrada e das ações sustentáveis foram estabelecidas como temática de duas tradicionais iniciativas do Instituto da Internacional Paper: o Concurso de Redação e Concurso Literário, que estão respectivamente na 41ª e 11ª edições.

O documento divulgado pela OMS, está disponível em inglês aqui
.

 

05-formare1

Aprovados no Formare 2017 de Mogi Guaçu

05-formare

Confira a lista de aprovados na primeira fase do processo seletivo do Formare International Paper na unidade Mogi Guaçu/SP

A dinâmica de grupo acontecerá no Horto Florestal - Centro de Treinamento da International Paper – Rodovia SP 340, Km 171 – Mogi Guaçu/SP)

TURMA 1: Candidatos convocados para participar da dinâmica de grupo no dia 21/11 (segunda-feira), às 9h.

1 Alan Henrique de Oliveira Menezes
2 Aldrey Mariane da Silva Ferreira
3 Aline Aparecida Scanavachia
4 Amanda Cardoso da Costa
5 AMANDA CAROLINE DOMINGOS
6 Amanda Penaforte de Lima
7 Ana Beatriz de Faria
8 Ana Beatríz Garcia Pereira
9 Ana Brenda Almeida de Vaz
10 Ana Carolina Coelho Bassichetti
11 Ana Flavia Barbosa Da Silva
12 Anderson Antonio da Silva
13 Arthur Marlon Acencio
14 Brenda Gabriely de Oliveira
15 Brenda Tuany Moreira Gonçalves
16 BRUNO FELIPE FERREIRA DA SILVA
17 Bruno Henrique Vieira
18 Bruno Richard Oliveira da Silva
19 Camila Negli Panseri
20 Camila Roberta Marsal
21 Carlos Felipe Landucci da Silva
22 Eduardo Henrique Dos Santos
23 Éllen Gonçalves Catine
24 Flavio Scomparin Gomes

 

TURMA 2: Candidatos convocados para participar da dinâmica de grupo no dia 21/11 (segunda-feira) às 14h.

1 Gabriele Bigaram Rosalino
2 Giovanna Gabrielly Silva Costa
3 Graziele Caroline Borges
4 Guilherme Brandão Martins de Sousa
5 Guilherme Elander da Silva Benati Batista
6 Gustavo Borges De Lima
7 Gustavo de Sousa Silva
8 Hebert Willam da Rosa
9 Hugo Yuji takakua
10 Ingrid de Jesus Augusto
11 Ivana Renata Zavoski
12 Jenifer Kauany de Souza dos Reis
13 João Otavio Lucio Della Torre
14 Julia Scarabello Serafim
15 Juliana da Silva de Araújo
16 Juliano Setin Feriato
17 Leandro Marcelino de Paula Garbi
18 LEONARDO VINICIUS GONÇALVES DE OLIVEIRA
19 Lilieny Karoline Gonçalves
20 Lucas Rodrigo Liel
21 Lúcia Regina da Cruz
22 Marcos Abreu de Souza
23 Marcos Gabriel dos Santos Carvalho
24 Maria Luiza Clemente de Abreu Sampaio Cyrino

 

TURMA 3: Candidatos convocados para participar da dinâmica de grupo no dia 22/11 (terça-feira) às 14h.

1 Mateus Henrique Gonçalves
2 Matheus Felipe Casagrande
3 Matheus Guimarães Justino
4 Mayra Martins De Freitas
5 Natália Cristina Francisco
6 Nathália da Costa
7 NICOLE AZEVEDO
8 Paloma Coraini de Souza
9 Patrick de Araujo Neves
10 Patrik Marlon de Almeida Silva
11 Paulo Ricardo De Oliveira
12 Rafael Luiz de Moura Borges
13 Renata Idalina de Souza
14 Sarah da Rocha Porfírio
15 Sarah Ferreira Alves Silva
16 Sarah Ribeiro da Silva
17 Stefany Nunes do Amaral
18 Thainá Ferreira de Sousa

 

05-formare1

Aprovados no Formare 2017 de Três Lagoas

05-formare

Confira a lista dos aprovados na primeira fase do processo seletivo do Formare em Três Lagoas. Os nomes estão em ordem alfabética.

A segunda fase acontece no dia 16/11 (quarta-feira), às 13h no Colégio Objetivo  – Rua Urías Ribeiro, 2327 – Alto da Boa Vista.

APROVADOS PARA 2 ª FASE (DINÂMICA)  PROCESSO SELETIVO FORMARE 2017 – TRÊS LAGOAS/MS
NOME
1 Abner Loureiro Santana
2 Alisson Torres Moreira
3 Ana Luiza Oliveira Bazan
4 Ane Caroline Rodrigues dos Santos
5 Beatriz Soares de oliveira
6 Bianca Pereira Catania
7 Bruna Maria Almeida e Santos
8 Bruna Pereira Queiroz de Almeida
9 Bruno Barbosa de Oliveira
10 Carlos Henrique Damião dos Santos Filho
11 Cassiane da Silva Domingues
12 Cleisla Martins da Silva
13 Danatielly Peixoto Uchôa
14 Dayane de Oliveira Araujo da Silva
15 Débora Gomes De Lima
16 Eduardo Borges Lopes
17 Eliziane Gabrielli dos Santos Ramos
18 Êmily Aparecida Gomes da Silva
19 Felipe Alexandre Alcantara
20 Felipe da Silva Campos
21 Felipe Henrique Medeiros de Lima
22 Gelson Rosa Cardoso Junior
23 Gisele Vitoria da Cunha Oliveira
24 Guilherme Pereira Calixto Gomes
25 Higor vieira brambilla
26 Isabella Saloah Valentim da Silva
27 João Augusto dos Santos
28 juliane Ribeiro Teixeira
29 Karen Moreira dos Santos Cavanha
30 Karina da Costa Conceição
31 Karina da Silva Souza
32 Kerolyn Barreto Barbosa
33 Ketlin Franco Faria
34 lavínia ferreira bispo
35 Leticia da Silva Moreira
36 Letícia Vasques Lucena
37 Lincoln Batista Melchior
38 Luana Regina Dias Ribeiro
39 Lucas Emanoel Witter de Souza
40 Mari Ellen Costa Romero
41 Maria Aparecida Fernandes dos Santos da Silva
42 MARIA EDUARDA
43 Maria Eduarda Ribeiro Martins
44 Mateus dos Santos
45 Natálya Moreira da Silva
46 Pâmela Feitosa Dos Santos
47 Paulo Ricardo Gonçalves Gama Monteiro
48 Rafaela Maurilha Alves Da Silva
49 Rhaislla Aleixo Dos Reis
50 Stéfany de Souza Felix
51 Stephanie Karoline Angelini Tavares Seara
52 Suze Eliane Ferreira da Silva
53 Tainara Batista Godinho
54 VICTOR FERNANDO GARCIA MEIRA
55 Vitória Maria de Oliveira Damaceno
floresta ip mogi guaçu

Biomassa de Eucalipto: energia limpa na produção de papel

Bianca_Bricio ipUma das preocupações da International Paper é com a redução de impactos ambientais, por isso a empresa trabalha constantemente para a melhoria dos processos industriais, com foco na sustentabilidade e no uso racional dos recursos na fabricação de papel e celulose. Entre as inúmeras iniciativas da empresa está o uso da biomassa de eucalipto na geração de energia para algumas de suas unidades. Quem explica um pouco mais sobre este processo e as aplicações do eucalipto no dia a dia é a Coordenadora de Sustentabilidade da IP, Bianca Brício.

Engenheira química, Bianca está na International Paper desde 2010. Como trainee, passou pelas áreas Florestal e pelo escritório corporativo de São Paulo, antes de ir para a unidade Mogi Guaçu, onde trabalha atualmente. Nesta entrevista, ela detalha o passo a passo da geração de energia pela biomassa e conta também o que é feito com as “sobras” do eucalipto, que são reutilizadas no plantio de novas mudas.

Como é o processo de geração de energia por meio da biomassa de eucalipto?

A biomassa de eucalipto tem sido utilizada como fonte de combustível para as fábricas de papel e celulose no Brasil em diversas unidades. Recentemente, este processo migrou do uso da casca e resíduos de madeira e passou para a queima de troncos inteiros.  A queima da biomassa gera a energia utilizada para aquecer a água, que passa por tubos dentro da própria caldeira. O aquecimento da água gera vapor, que é utilizado para movimentar turbinas, produzindo energia elétrica. As condições da queima da biomassa, assim como a temperatura e a pressão do vapor são controladas para que tenham máxima eficiência. Os gases resultantes da queima também passam por equipamentos de controle ambiental para minimizar possíveis impactos ao meio ambiente.

A energia gerada pela biomassa de eucalipto é capaz de tornar a indústria autossuficiente? O quanto essa energia gerada corresponde ao consumo da indústria?

No caso das unidades da IP, fontes renováveis de energia são responsáveis por aproximadamente metade da energia utilizada.

Todas as unidades da IP, de Papel e Embalagens utilizam a biomassa?

Na verdade, as unidades que utilizam a energia da biomassa de eucalipto são as de Luiz Antônio, Mogi Guaçu e Nova Campina, pois usam madeira como insumo na produção de celulose. Nas unidades em que não temos esse processo integrado, ou seja, não se produz celulose, a energia provém de outras fontes.

Quais as vantagens da utilização da biomassa de eucalipto para a indústria, do ponto de vista dos impactos ambientais?

O eucalipto tem grande potencial para ser usado para geração de energia, pois é um combustível de origem renovável e seu crescimento tem uma velocidade acelerada em regiões de clima tropical, como o Brasil, onde a colheita é feita com idade média de 7 anos. A IP possui aproximadamente 72 mil hectares de cultivo de eucalipto certificado. Vale ressaltar que as áreas de florestas plantadas da International Paper são certificadas pelos selos FSC/PEFC e Cerflor.  Além do cultivo de eucalipto, a IP mantém 26 hectares destinados a conservação da biodiversidade e preservação de florestas nativas.

Além das vantagens competitivas do eucalipto, do ponto de vista florestal, ao utilizar a biomassa como fonte de energia, deixamos de consumir combustíveis fósseis nas fábricas. Esta substituição deixa a matriz energética da unidade mais limpa e reduz as emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE).

A biomassa produzida pela IP é utilizada somente pela empresa, ou é comercializada? E a energia elétrica produzida? A indústria absorve ou há a comercialização com concessionárias de energia?

A biomassa produzida pela IP é utilizada apenas para consumo próprio, bem como a energia elétrica. A IP também compra parte da energia elétrica consumida do grid nacional.

Pode-se dizer que do eucalipto tudo se aproveita? O que ele gera, além de madeira, papel, celulose, energia? Há mais algum subproduto que queira mencionar?

São inúmeras as possibilidades de uso do eucalipto, mas os produtos mais comuns são, além da matéria prima para a produção de celulose e da biomassa que gera energia, há a produção de pallets, de carvão vegetal, caixas para embalagem de produtos, móveis e pisos como assoalho e laminados.

No campo, galhos e folhas dos eucaliptos colhidos ficam sobre o solo para sua proteção. Nas fábricas da IP, partes do eucalipto que não podem ser aproveitadas para a obtenção de madeira ou para a geração de energia, como cascas muito impregnadas com terra ou areia, são utilizadas para a produção de composto orgânico, utilizado na adubação das árvores da floresta.

Compostagem:

compostagem

Anuncio das escolas vencedoras - editada

Guardiões das Águas premia escolas em Rio Verde (GO)

Projetos vencedores incluem hortas e captação de água para reuso no ambiente escolar

Anuncio das escolas vencedoras- editada2

Representantes das escolas acompanham anúncio dos vencedores do “Guardiões das Águas”

No dia 22 de agosto, três escolas de Rio Verde (GO) celebraram o recebimento do prêmio “Guardiões das Águas”, iniciativa do Instituto International Paper para reconhecer os melhores projetos relacionados ao uso racional dos recursos hídricos. Este ano, foi a vez do município goiano participar ativamente das ações, envolvendo educadores do Ensino Fundamental. Os autores dos projetos premiados receberam respectivamente R$ 2 mil, R$ 1,5 mil e R$ 1 mil. E cada escola ficou com R$ 8 mil.

As grandes vencedoras de 2016 foram a EMEF Monte Alegre, com o projeto Água: conscientizar para preservar; em segundo lugar, ficou a EMEFTI Professor Waldyr Emrich Portilho, com Gota D’ Água; e o terceiro lugar foi para a EMEF Professor Francisco Joaquim de Paiva, com Água: joia cristalina. Em comum, essas escolas pretendem construir hortas e investir em sistemas de armazenagem de água para reuso, como cisternas. Um benefício para toda a comunidade, além de trabalhar a conscientização por meio de palestras, boletins informativos, entre outras ações com o foco ações educativas, como a economia de água (veja abaixo).

PRÊMIO SERÁ REVERTIDO EM MELHORIAS – A EMEF Monte Alegre, cujo projeto prevê o reconhecimento de nascentes próximas à escola e o reflorestamento de manancial, investirá parte da verba recebida para a compra de mudas. A EMEFTI Waldyr Emrich Portilho pretende expandir o projeto para fora da escola, incentivando pais e alunos para que pratiquem economia de água doméstica. A instituição também premiará o aluno que economizar mais água com uma bicicleta. A EMEF Professor Joaquim Francisco de Paiva planeja uma série de ações de conscientização dentro da escola. E o resultado irá compor uma exposição ao final do ano letivo.

O anúncio dos vencedores foi feito pela Gerente de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da International Paper, Gláucia Faria, na Secretaria de Educação de Rio Verde. A premiação dos projetos encerra um ciclo de conscientização iniciada no primeiro semestre na cidade, com a exposição Linha d’ Água e com o espetáculo teatral Espaço Mundi. “Cada uma dessas ações buscou envolver a comunidade escolar para refletir sobre a utilização correta da água, tornando alunos e professores multiplicadores de ações mais sustentáveis quanto aos nossos recursos naturais”, declarou Gláucia.

PROJETOS VENCEDORES

ouro1º EMEF Monte Alegre

Projeto: Água: Conscientizar para preservar
Responsável pelo projeto:Aline Bilbio Peres (Coordenadora Pedagógica)
Iniciativas: Reconhecimento de nascentes próximas à escola, reflorestamento de manancial, cavalgada ecológica e construção de cisterna para reaproveitamento de água. Visitas, palestras, teatro para comunidade e horta na escola.
Uso do Prêmio: Construção da cisterna e horta, materiais para campanhas de conscientização  e mudas para reflorestamento.

 

prata2º EMEFTI Professor Waldyr Emrich Portilho

Projeto: Gota D’Água
Responsável pelo projeto: Andrea Cristina Cabral Guimarães(Coordenadora de atividades artísticas e desportivas).
Iniciativas: Passeata, música, boletim informativo, jornalzinho para divulgar as ações do projeto, visitas, palestras, horta na escola e premiação de uma bicicleta para o aluno que que mais economizar água e doação de bombonas para armazenamento de água potável.
Uso do Prêmio: Construção de horta, compra de bicicleta, bombonas para armazenamento de água, e adequação de torneiras e descarga dos banheiros da escola

 

bronze3º EMEF Prof. Francisco Joaquim de Paiva

Projeto: Água Joia Cristalina
Responsável pelo projeto: Neusa Amélia Oliveira Cabral (Professora)
Iniciativas: Construção de cisterna para reaproveitamento de água, construção e manutenção de jardim com pneus, além de atividades trabalhadas na escola para conscientização e encerramento das atividades ao final do ano com a exposição do que foi realizado.
Uso do Prêmio: Construção de horta e cisterna.

 

 

 

 

DCIM100GOPROGOPR1240.

”Natureza e Corpo” leva alunos a assentamento agrícola

Projeto do IIP abraça a produção de verduras e leva a horta para a escola

DCIM100GOPROGOPR1240. Alunos de Três Lagoas (MS) conhecem técnicas agrícolas no assentamento “20 de março”

Os alunos das escolas municipais Joaquim Marques e Parque São Carlos, em Três Lagoas (MS), visitaram nos dias 08 e 09 de agosto o assentamento de agricultores “20 de março” e puderam conhecer de perto o cultivo de verduras e legumes para a edição 2016 do “Natureza e Corpo”.

Desde 2013, o projeto promove um trabalho de conscientização para a sustentabilidade, com enfoque na preservação ambiental e na promoção de uma vida mais saudável, com alunos da educação básica do município, por meio do cultivo de ervas medicinais dentro da escola. Mas, este ano o projeto dá mais um passo ao abranger o cultivo de verduras e legumes, levando a horta e os cuidados com a terra para o ambiente escolar.

“A ideia é inserir na proposta pedagógica das escolas todos estes temas transversais da sustentabilidade, saúde e preservação, desenvolvendo um trabalho continuado que agregue informações aos alunos para além do currículo escolar básico”, explica Gabriel Lima, Analista de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da International Paper, que promove as ações do “Natureza e Corpo”, por meio do Instituto International Paper (IIP).

E é com o objetivo de trazer as discussões da escola para a prática cotidiana que o projeto mergulha no universo da agricultura familiar e na produção de hortaliças. Para isso, a aproximação dos alunos com os agricultores foi fundamental para a reprodução das técnicas agrícolas nas escolas. “A visita ao assentamento foi fantástica e ensinou não apenas a importância dos cuidados com a terra, mas questões como perseverança e persistência, uma vez que os agricultores contaram sobre os desafios para conseguir a área e deixar a plantação como está hoje”, relata a professora de matemática da Escola Parque São Carlos, Lívia Ferreira.

As ervas medicinais continuarão a fazer parte do “Natureza e Corpo”, mas com a entrada dos alimentos, as possibilidades de temas discutidos nas aulas aumentam. “Ao implantar os canteiros, responsabilizando-se pela irrigação e plantio, os alunos não apenas colhem os vegetais, mas também o conhecimento trazido pelo contato com a terra”, conta Gabriel.

Matemática na horta – A professora Lívia, que acompanhou a visita dos alunos ao assentamento “20 de março”, levou a matemática até os canteiros, mostrando, na prática, os conceitos trabalhados em aula. “Os alunos mediram o tamanho da horta, calcularam área, perímetro, quantas mudas os canteiros comportam, além do sistema de medidas, trabalhando metros e centímetros”, conta ela, que, desde o ano passado, acompanha o envolvimento da escola no Projeto e vê uma evolução na participação dos estudantes. “Logo, eles vão começar a colher os resultados”.

Além das atividades na horta, que já beneficiam diretamente cerca de 400 alunos e chegam a impactar mil alunos em Três Lagoas, a edição 2016 do “Natureza e Corpo” pretende envolver os estudantes na colheita e na realização de saladas coletivas, que funcionam como eventos multiplicadores do conceito de alimentação saudável para toda a comunidade escolar.

Em um país que tem atualmente 51% de sua população obesa, de acordo com o Ministério da Saúde, trabalhar a alimentação saudável na prática, dentro das escolas, é mais do que uma questão de educação, é cuidar da saúde das futuras gerações, transformando a vida das pessoas – o papel do IIP.

 

DSC_6580

Cidade do Livro fecha o ciclo na IP e espera atender 51 mil crianças

DSC_6593

Desde 2009 na IP, projeto inicia sua última etapa em Rio Verde (GO), com expectativa de beneficiar mais de seis mil alunos, de 6 a 10 anos de idade

Depois de passar pelas cidades de Mogi Guaçu (SP), Luiz Antônio (SP), Três Lagoas (MS), Ribeirão Preto (SP), Suzano (SP), Paulínia (SP), Franco da Rocha (SP), Itapeva (SP) e Manaus (AM), chega a vez de Rio Verde (GO) receber a Cidade do Livro Itinerante, projeto coordenado pelo Instituto International Paper que percorreu as unidades da IP nos últimos sete anos, mostrando a crianças do Ensino Fundamental o mundo mágico da literatura. A cidade goiana será o último destino do projeto pelo IIP e a expectativa é atender cerca de seis mil crianças somente no município.

A Cidade do Livro Itinerante desembarca em Rio Verde no dia 22 de agosto (segunda-feira) e fica por lá até o dia 2 de setembro (sexta-feira). No dia 28/08 (domingo), haverá uma sessão exclusiva para os filhos de profissionais da IP.

Nestes sete anos em que percorreu as unidades da International Paper, o projeto beneficiou 45.994 crianças em nove municípios, em três estados diferentes. Ao chegar em Rio Verde, além de somar mais um estado atendido, a Cidade do Livro Itinerante tem um grande objetivo: “encerrar com mais de 51 mil crianças beneficiadas”, revela Sabrina Tenello, Analista de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da International Paper.

Uma viagem pela literatura – As crianças que visitarem a Cidade do Livro em Rio Verde encontrarão um lugar que deixa a imaginação voar mais longe. Ao atravessar o portal, formado por livros gigantes, elas conhecerão o Sr. Prefeito e sua secretária, D. Maricota, que apresentarão a cidade e falarão sobre o universo dos livros.

As crianças também participam de atividades relacionadas a reciclagem e ouvem as histórias da Vó Cotinha, em um ambiente cercado de diversão e conhecimento, além de aprenderem mais sobre a importância da alimentação saudável e da higiene de maneira lúdica e interativa.

“Para nós, é recompensador poder colaborar de alguma forma para o incentivo da literatura na infância, pois a formação de leitores deve acontecer desde cedo, de maneira prazerosa, para além das obrigações escolares”, finaliza Gláucia Faria, Gerente de Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade da International Paper.

 

Cidade do Livro vai a Manaus mostrar o mundo mágico da literatura

 

Instituto IP leva pela primeira vez projeto de incentivo à leitura infantil para a capital amazonense

Imagine uma cidade em que o portal de entrada é feito por livros gigantes que se abrem para um lugar onde as crianças têm total liberdade para viajar no mundo das histórias. Este lugar existe e se chama “Cidade do Livro”, um projeto de incentivo à leitura voltado para crianças e adolescentes, que o Instituto International Paper levou para Manaus pela primeira vez agora em maio. As apresentações para alunos das escolas municipais da região acontecem entre os dias 9 e 20 de maio, na Escola Municipal Francisca Mendes e no dia 15 houve uma sessão especial para os filhos de funcionários da IP.

Ao chegarem na Cidade do Livro, as crianças de seis a dez anos de idade são recebidas pelo Sr. Prefeito e sua secretária, Dona Maricota, que faz questão de apresentar os lugares que eles visitarão. Os alunos assistem a um teatro de bonecos, conhecem a Tracinha, que diz não comer mais livros (mas tem uma recaída de vez em quando), participam de uma oficina de desenho e pintura na Praça do Papel, aprendem sobre alimentação, reciclagem e higiene bucal no Castelo das Delícias e ouvem as histórias da Vó Cotinha.

“A Cidade do Livro” existe desde 1997 e em quase 20 anos de atuação já superou a marca de 900 mil visitantes entre o projeto fixo, localizado em São Paulo, e o itinerante, que faz apresentações em escolas, empresas e shoppings centers desde 2003.

Há sete anos, a “Cidade do Livro” integra as ações do Instituto International Paper, que leva o projeto para diferentes unidades a cada ano.  “A educação de crianças e jovens faz parte dos pilares do Instituto International Paper e é por isso que levamos o projeto para diversas localidades, para que desde cedo, as crianças tenham contato e se identifiquem com o hábito da leitura”, diz a Gerente de Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade do IIP, Glaucia Faria.

De acordo com Claudio Amadio, idealizador do projeto, todos os anos, a “Cidade do Livro” trabalha um tema diferente. “Para 2016, escolhemos o escritor Monteiro Lobato e o tema da UNESCO, Entendimento do Mundo”, conta ele, que diz ainda que o grande desafio na formação de novos leitores é criar vivências prazerosas relacionadas a leitura, sem vinculá-las a algum tipo de cobrança. “Outro grande desafio é encontrar novos autores e obras que despertem o interesse dos jovens, além de evitar o pré-julgamento dos clássicos”, finaliza.

Desenvolvimento sustentavel_ONU

Os 50 anos do PNUD e o papel das empresas nas metas de sustentabilidade

Desenvolvimento sustentavel_ONU O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, o PNUD, traz metas ambiciosas em sustentabilidade global para 2030. E a International Paper, que também atua com foco no desenvolvimento sustentável com ações centralizadas no Instituto International Paper, consolida suas ações como empresa e trabalha metas muito próximas das levantadas pela ONU, visando à redução de gastos com energia e o desperdício de recursos.

No início do ano foi dada a largada para as celebrações dos 50 anos do PNUD, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, que visa propor ações globais para um mundo mais sustentável economicamente, mas sempre de olho nas questões socioambientais. Para marcar a data, a ONU estabeleceu uma agenda global de metas para 2030, baseada em 17 princípios fundamentais de desenvolvimento sustentável, garantindo um futuro melhor para as próximas gerações.

Estes 17 objetivos macro incluem ações que contribuem para a erradicação da pobreza, para a promoção da saúde e do bem-estar, para a equidade de gênero, para a educação inclusiva e outros itens como o manejo sustentável e racional dos recursos naturais, a adequação dos processos industriais e comerciais, para a produção e o consumo mais consciente e seguro, para a melhoria da eficiência energética, barateando custos e minimizando perdas.

Estas  últimas questões estão alinhadas às metas de Sustentabilidade da International Paper, que elaborou uma agenda para 2020 com metas de otimização de recursos em várias frentes de atuação. “Trabalhar a sustentabilidade é crucial para o sucesso dos negócios, uma vez que os clientes, acionistas e fornecedores estão mais preocupados em estabelecer relações comerciais com empresas conscientes de sua responsabilidade social”, pontua Gláucia Faria, Gerente de Sustentabilidade e RSC do Instituto International Paper.

Mas, dentro de princípios tão gerais como os do PNUD, qual o papel da sociedade civil, dos governos e do setor privado para garantir um mundo mais sustentável? Da parte dos governos, é necessária a formulação de políticas públicas que assegurem o desenvolvimento sustentável, priorizando a preservação dos recursos naturais e a adoção de condutas éticas e transparentes em suas ações. Da mesma forma, cabe às empresas a estruturação e o alinhamento de procedimentos afim de minimizar os impactos nas comunidades onde atuam, sejam eles de ordem ambiental, social e de saúde.

E qual a atuação da International Paper dentro deste contexto global? Na IP foram apresentadas metas que devem ser cumpridas por todas as unidades do mundo até 2020. Para a empresa, o compromisso com a sustentabilidade começa na floresta, mas não termina ali.  “As metas de sustentabilidade são globais e dão à empresa um direcionamento para onde queremos chegar, mantendo a produtividade, mas minimizando impactos e riscos ambientais e sociais. Por isso, cada ação desenvolvida representa um passo em direção ao cumprimento dessa grande meta”, explica Gláucia.

É por meio do trabalho do Instituto International Paper, que a empresa demonstra como pode dar retorno às comunidades locais, por meio de ações socioeducativas e ambientais, dois dos pilares escolhidos como principais para atuação do Instituto. Além disso, a empresa trabalha a questão da sustentabilidade em várias frentes, passando por todas as etapas da cadeia produtiva, incluindo o uso final, a reciclagem e o descarte correto.

Relembrando as 12 metas da Sustentabilidade da International Paper para 2020

As metas da IP em muito se assemelham às metas globais estabelecidas pelo PNUD, pois são um reflexo das necessidades do planeta e da sociedade em geral. Vejam:2020 Voluntary Goal overview (002)
1 – Melhorar a eficiência energética em 15%

2- Redução de 20% na emissão de gases doefeito estufa

3 – Priorizar um ambientede trabalho livre de acidentes.

4- Crescimento Global de 15% no volume de certificações de terceiros (fibra)

5 – Reduzir a perda de fibras no processo produtivo, ajustando-se aos níveis globais menores que 0,75%

6 – Reduzir a emissão de poluentes em 10%, alinhando as iniciativas de eficiência energética da companhia

7 – Reduzir em 15% o descarte de águas residuais do moinho

8- Redução no Consumo de Água: Mapeamento do uso de água na manufatura e planejamento estratégico para redução na utilização.

9 – Melhorar em 15% a recuperação de containers de papelão ondulado, explorando novos usos e minimizando o envio de peças reutilizáveis para os aterros

10 – Reduzir o desperdício geral nas fábricas

11 – Estabelecer um padrão de performance para a cadeia de suprimentos e implementar planos de melhoria.

12- Mensurar e registrar o retorno das ações sociais apoiadas pela IP nas áreas de educação, saúde e serviços nas comunidades onde a empresa atua.

“É importante notar que nós, como empresa, temos também a responsabilidade de utilizar os recursos naturais de maneira racional e sustentável e para isso não medimos esforços”, diz Gláucia, que alerta para a importância de cada um em fazer a sua parte, pois a transformação acontece desde as pequenas atitudes. “A empresa tem metas globais de responsabilidade social, mas nós também temos nossas responsabilidades, em casa, na família, na escola. A sustentabilidade está presente em todas as nossas ações”, finaliza.

Quer ver como as metas da IP se assemelham com as metas do PNUD? Acesse: http://www.pnud.org.br/ods.aspx

 

Apicultura: uma atividade regida pela natureza

Em comemoração ao “Dia do Apicultor”, celebrado no dia 22 de maio, IIP mostra as particularidades da produção de mel, um trabalho que depende do capricho da natureza

Além do sabor e aroma inconfundíveis, o mel é um alimento versátil com diversos benefícios para o corpo. A relação entre a iguaria e o ser humano remonta a Antiguidade e hoje a apicultura, importante atividade do setor agropecuário, é uma alternativa de renda para muitas comunidades.

Celebrado em 22 de maio, o Dia do Apicultor foi definido em homenagem à Santa Rita de Cássia, padroeira dos profissionais que trabalham não apenas com a produção do mel, mas também com outros derivados das abelhas, como própolis, geleia real e pólen. A atividade exige não apenas um profundo conhecimento sobre o cultivo e sobre o habitat das abelhas, mas também cuidados específicos.

A apicultura causa impactos positivos nos âmbitos social e econômico e tem cada vez mais contribuído para o crescimento da agricultura familiar, gerando fontes de renda para famílias que vivem nos campos. É o caso dos apicultores e colaboradores da Cooperativa dos Apicultores da Região de Ribeirão Preto (COOPERAPIS), que durante todo o ano trabalham nas florestas de eucalipto da International Paper, em uma parceria que começou em 2011, por meio do projeto Apicultura Solidária, uma iniciativa do Instituto International Paper.

Além de gerar renda, o projeto ajudou a fixar os apicultores em um local, sem que eles precisem viajar grandes distâncias por dia. “Somos em torno de 20 cooperados mais colaboradores e esse trabalho é a grande fonte de renda que sustenta nossas famílias”, explica o presidente do COOPERAPIS, José Antônio Monteiro, que trabalha na área há mais de 30 anos.

Ele conta como funciona a rotina dos cooperados, estipulada pelas condições climáticas e pela natureza. “Cada dia é um dia. Quando não estamos em uma área, estamos em outra. Se o tempo não favorece, trabalhamos no campo ou estamos no barracão, mexendo com a cera. E durante todo o ano é assim”. O volume da produção também é incerto e não depende apenas do esforço dos apicultores.

“A produção depende do ano, em um produzimos mais, em outro menos. O mel faz parte da agricultura e a agricultura depende muito do clima, da chuva, da seca, tudo isso influencia nossa produção. Ano que chove muito, como esse, é mais complicado já que a flor não segura muito néctar, que é lavado pela água”, explica Monteiro.

A falta de chuva, entretanto, também pode ser um problema. “Quando não chove, a flor do eucalipto não floresce, o que impede a polinização pelas abelhas, impossibilitando a produção de mel, o que faz com que seja necessária a migração dos insetos”, continua José. A migração das abelhas é uma das atividades mais importantes da produção, e pode garantir a sobrevivência das mesmas. “Chega a época da florada e temos que migrar para uma área de flores silvestres, para que a abelha encontre alimento. A produção só vai acontecer novamente a partir de setembro”, completa.

Esse trabalho exige certas normas, destaca Monteiro. “É necessário manter uma higiene impecável. Estamos sempre em cima de um cavalete, protegidos da terra. A centrifugação é feita em uma sala adequada”. Ele explica ainda que nessa profissão, a experiência de trabalho conta muito, mas é fundamental que os apicultores nunca parem de estudar sobre o tema, participando de cursos sempre que possível.

Apicultura Solidária

A renda de José Monteiro e dos outros 24 apicultores é fruto de uma parceria muito importante, firmada em 2011, entre o Instituto International Paper e duas cooperativas. O projeto, chamado Apicultura Solidária, incentiva a produção de mel nas florestas de eucalipto da IP, nas cidades de Luiz Antônio, Mogi Guaçu, Altinópolis e Brotas, no Estado de São Paulo.

E sem ele, a realidade dos apicultores da COOPERAPIS seria bem diferente. “Essa parceria agregou valou à nossa produção, que hoje inclusive conta com uma marca própria. Sem a parceria com a IP, não teríamos floresta de eucalipto para colocar as abelhas e teríamos que migrar para regiões distantes. Hoje nosso trabalho é positivo e temos um grande suporte da IP. Eles sempre nos dão muita atenção em tudo que precisamos, há sempre muita conversa, fundamental para nosso trabalho”.

Além de gerar renda para apicultores regionais, o projeto também oferece oportunidades para que as cooperativas vendam o mel para distribuidoras e dentro da própria empresa. O Apicultura Solidária já trouxe resultados muito significativos, desde sua implementação mais de 40 toneladas de mel já foram produzidas.

Cesar_Assin2

Mire-se no Exemplo: a palavra de quem aprendeu muito e ainda aprende no dia a dia da profissão

César Assin:  “É muito gratificante poder contribuir para o crescimento desses futuros profissionais”

César Assin, Gerente Geral de Mogi Guaçu durante um dos encontros com os alunos do Projeto Escola Formare

Há 27 anos na International Paper, o Gerente Geral da planta de Mogi Guaçu, César Assin, conta como é participar do “Mire-se no Exemplo”, uma ação que faz com que os próprios profissionais olhem para suas respectivas carreiras e encontrem diferentes formas de contribuir para a formação das novas gerações.

Tutor desde 2011, quando o “Mire-se no Exemplo” foi implantado na unidade de Luiz Antônio, unidade em que trabalhava na época, Assin conta que reconhece a importância de ações deste tipo, uma vez que já esteve no lugar dos alunos e a ajuda que obteve dos profissionais mais experientes quando estava em início de carreira foi fundamental para o desenvolvimento de habilidades e competências dentro da companhia.  “Ao participar do projeto, pude olhar para trás ver o quanto foi importante ter o suporte e o direcionamento de pessoas com experiência no mercado”, conta.

Mas somente a experiência não basta. Ser Tutor exige o aprimoramento de outras habilidades para que se construa uma relação de confiança e empatia com os tutorados. Por isso, as expectativas são grandes de ambos os lados. “Na primeira vez que participei como tutor em 2011, eu estava muito apreensivo e, ao mesmo tempo, ansioso sobre o que dizer, como falar e agir. Eu sabia que os tutorados contavam com os nossos conselhos, com as nossas dicas e esperavam que falássemos sobre nossas experiências profissionais”, rememora.

Confira, abaixo, a entrevista que fizemos com Assin, na qual ele conta quais os ensinamentos que “Mire-se no Exemplo” trouxe para sua vida profissional.

Instituto International Paper – O que mudou na sua vida desde que começou a atuar como tutor com os alunos do Formare?

“É muito gratificante poder contribuir para o crescimento desses futuros profissionais”

“É muito gratificante poder contribuir
para o crescimento desses futuros profissionais”

César Assin – Pude constatar, a cada ciclo de dez meses da formação de um aluno do Formare, como eles se desenvolvem. Isso acontece graças ao trabalho conjunto do Tutor e, principalmente, dos EV´s (Educadores Voluntários), além, é claro, da disciplina com que a coordenação do projeto atua.  A mudança, a meu ver, acontece para todos nós (Tutores, EVs e Coordenação), na vontade de vê-los vencer. A gente percebe que é uma peça fundamental para essa vitória deles. E todo esse ciclo nos faz crescer, porque as experiências que eles nos contam – muitas delas difíceis – nos fazem refletir um pouco mais sobre a vida.  Vejo que a IP está no caminho certo. Quem sabe, um dia, teremos algum participante do Projeto na liderança da empresa!

 IIP – O que mais gosta de fazer no papel de tutor?

César Assin – Gosto de ver o quanto os tutorados mudam ao longo desses dez meses que ficam conosco, e também de perceber o crescimento deles, especialmente no que diz respeito às informações novas que recebem e o quanto desfrutam disso. É muito gratificante poder contribuir para o crescimento desses futuros profissionais.

IIP – Com relação ao “Mire-se no Exemplo”, como você vê a maturidade do projeto dentro do Formare?

César Assin – Desde que o Projeto Formare iniciou na IP, a maturidade vem aumentado e essa etapa do projeto tem sido cada vez mais leve, justamente porque sabemos o que esperam de nós e de que forma podemos ajudá-los, para que todos tirem o máximo de proveito desta experiência, construindo conhecimento.

IIP – E o que te desafia mais?

César Assin – O maior desafio é atingir o objetivo do Formare, isto é, colaborar para o desenvolvimento profissional destes jovens.

IIP – Você tem algum tema sobre o qual faz questão de falar a seus tutorados a cada ano?

César Assin – Reforço o quão importante é a dedicação e a garra para o alcance dos objetivos. Se não formos perseverantes, dificilmente venceremos, pois o sucesso profissional não é fruto da sorte. Eles são os condutores da própria carreira, precisam acreditar neles mesmos, entendendo que podem vencer e que não devem desistir nunca.

IIP – Quais os aprendizados que você tira dessa relação entre tutor e tutorado?

César Assin – É um saber ouvir constante. Por isso, é importante também passar-lhes as experiências vividas, ensinar-lhes a olhar o futuro sempre tendo um “Plano B”, para caso algo não funcione como o esperado. Sempre falo que eles encontrarão, na vida, pessoas que lhes darão suporte, mas também pessoas que não os apoiarão. É preciso muita garra e disposição para superar os obstáculos e atingir os resultados propostos. Nesse sentido, tento direcioná-los quando necessário e apoiar quem já tem uma meta definida.

IIP – O Formare é…  

César Assin – Uma excelente oportunidade de crescimento e autoconhecimento.  Só tenho a agradecer a todos que fazem desse projeto na IP um sucesso, alinhado todos aos princípios de nossa empresa. É realmente recompensador.

 

http://www.maisondelamutualite.com/

IP representa o Brasil em evento internacional de Sustentabilidade e Responsabilidade Social

Instituto International Paper foi a Paris para mostrar as boas práticas de sustentabilidade e RSC implantadas pela IP no Brasil.

http://www.maisondelamutualite.com/
Maison de la Mutualité, em Paris – divulgação (http://www.maisondelamutualite.com)

 No dia 12 de abril, a International Paper, por meio de seu Instituto, participou pela primeira vez da EcoVadis SustaIn 2016, conferência global anual sobre Sustentabilidade e Responsabilidade Social Corporativa (RSC). O Instituto foi o único representante do Brasil a participar da mesa redonda “Why is sustainability an opportunity to improve supplier-buyer relationships? ”, (Por que a sustentabilidade é uma oportunidade para melhorar as relações entre fornecedores e compradores?, em tradução livre).

Ao lado de executivos das áreas de sustentabilidade e RSC das empresas Adecco, Toyota e Forefront, Gláucia Faria, Gerente de Sustentabilidade e Responsabilidade Social da International Paper no Brasil, debateu com os demais profissionais sobre a importância da adoção de práticas sustentáveis em toda a cadeia produtiva, revelando a grande preocupação da IP com todas as etapas dos processos internos, além da atenção especial dedicada às questões de sustentabilidade de RSC, conduzidas pelos projetos do Instituto International Paper.

As ações envolvem desde a utilização das florestas plantadas para beneficiar os apicultores locais no projeto “Apicultura Solidária”, como as iniciativas de educação socioambiental desenvolvidas para os alunos de escolas locais e filhos de profissionais da IP, que concretizam o “PEA” e o “Guardiões das Águas”, além do amplo trabalho de educação profissional realizado por meio do Projeto Escola Formare, que já capacitou cerca de 230 alunos para o mercado de trabalho.

“A experiência em Paris foi muito rica e me possibilitou entender melhor como empresas globais de diferentes segmentos tratam a questão da sustentabilidade e da responsabilidade social. Percebi que estamos muito bem posicionados neste assunto, por conta das ações desenvolvidas pelo Instituto e pelos projetos sociais que a IP apoia nas comunidades onde atua”, explica Gláucia.

O convite para participar da conferência partiu da própria organização do evento, por conta do engajamento da IP no uso do sistema de gestão desenvolvido pela EcoVadis, que mede o desempenho das empresas em temas relacionados à sustentabilidade e à responsabilidade social corporativa na cadeia de suprimentos e nos processos logísticos.

Esse destaque da IP for percebido pelo fato de a ferramenta ser utilizada para atender aos requisitos de uma indústria química global, da qual a International Paper é fornecedora. “Como este parceiro de negócios utiliza esse sistema, temos que fornecer as informações para assegurar a sustentabilidade dos processos e foi este desempenho que nos levou à Paris”, explica Gláucia.

A EcoVadis SustaIn é uma conferência anual, que acontece em cidades diferentes a cada edição. Em 2015, foi sediada em Genebra, na Suíça, e este ano ocupou a Maison de la Mutualité (foto), localizada no famoso Quartier Latin, região onde estão as universidades Sorbonne e Paris VII, na capital francesa.

 

‘Mire-se no exemplo’: tutores e tutorados aprendendo juntos

As dinâmicas do ‘Mire-se no Exemplo’ acontecem este mês, no dia 19 em Luiz Antônio e 28 em Mogi Guaçu, quando alguns líderes da IP assumem a posição de tutor de um dos alunos do Formare.

Imagine ter a oportunidade de compartilhar a sua experiência de carreira com um jovem que busca respostas para seu futuro profissional. Essa é a missão e a responsabilidade dos gestores convidados a participar do “Mire-se no exemplo”, iniciativa do Instituto International Paper vinculada ao Projeto Escola Formare, que visa a integrar profissionais experientes no mercado com os jovens alunos inscritos no Projeto, mostrando a importância do voluntariado na educação, um dos pilares do IIP.

A cada ano, 20 executivos da unidade de Mogi Guaçu, 20 de Luiz Antonio e 10 de Três Lagoas são convidados a integrar o time de gestores responsáveis por tutorar um aluno do Formare. Eles participam de uma dinâmica com os alunos e têm a oportunidade de conhecê-los um pouco melhor, entendendo suas dúvidas sobre carreira e suas intenções profissionais.

Durante a dinâmica, a equipe do Instituto International Paper faz uma explanação geral sobre o papel dos tutores e a importância deste acompanhamento individualizado. Em seguida, o IIP mostra o carômetro (painel com fotos dos alunos), com uma breve apresentação de cada um deles, apontando aspectos em que o aluno precisa desenvolver e potencialidades a serem exploradas.

O encontro – após a apresentação do IIP é a vez dos alunos encontrarem os executivos e de se apresentarem. “É o momento que eles têm para convencer o tutor das razões pelas quais eles seriam bons tutorados, mostrando seus interesses de carreira”, explica Sabrina Tenello, que coordena os trabalhos de seleção na unidade de Luiz Antonio. Após as apresentações, os alunos se retiram da sala, os líderes deliberam quais alunos irão escolher, para, ao final, enfileirados ombro a ombro, revelarem com a foto do aluno em mãos, quem serão seus tutorados.

O Gerente Geral da unidade de Mogi Guaçu, César Assin participa do ‘Mire-se no Exemplo’, desde 2011, quando a ação foi implantada na Unidade de Luiz Antônio, onde trabalhava na época. Ele conta que em princípio ficou bastante apreensivo em corresponder às expectativas dos alunos. “Eu sabia que eles esperavam algo que pudessem lhes direcionar no futuro profissional e tudo isso me fez pensar sobre como poderia ajudá-los da melhor forma possível”, conta ele, que acredita ser fundamental para o crescimento da dupla, uma relação de empatia entre tutor e tutorado, de maneira a construir confiança para que a troca de conselhos e de experiências possa ser levada por toda a vida.

Para Dorival Almeida, Gerente Geral da unidade de Luiz Antônio, o Formare proporciona uma experiência de aprendizado mútuo, em que o tutor ganha muito mais do que o tutorado. “O desafio é neste trabalho é conseguir transmitir uma mensagem que seja efetiva e duradoura no curto espaço de tempo que temos para conversar”.

O “Mire-se no Exemplo” é um projeto adaptado à realidade da International Paper e a equipe de Responsabilidade Social do Instituto procura, quando possível, conciliar os interesses profissionais dos alunos, com os gestores das respectivas áreas ou de áreas correlatas para que o aluno tenha um contato mais próximo e aprenda um pouco mais sobre a carreira desejada, quando ele já tem algumas opções em mente. “Embora o Formare tenha um formato definido, por ser uma franquia social, conseguimos adaptar o ‘Mire-se no Exemplo’ ao projeto, como forma de aproximar os líderes da empresa do trabalho voluntário e da educação, que fazem parte dos objetivos do Instituto, e do trabalho de Responsabilidade Social”, explica Sabrina.

Para Assin, o Formare tem um papel muito importante na vida destes jovens e isso se deve ao trabalho conjunto dos Educadores Voluntários, da coordenação do Projeto e dos tutores. “Sempre reforço com os alunos a importância da dedicação e da perseverança, para que se consiga os objetivos; falo também que os donos das carreiras são os próprios jovens e, por isso eles precisam acreditar no próprio potencial e, que para vencer, não podem desistir nunca”.

Implantado pelo Instituto International Paper em 2010, o Projeto Escola Formare já capacitou cerca de 230 alunos nas unidades de Mogi Guaçu Luiz Antonio e Três Lagoas. Desde que o projeto faz parte do IIP, o ‘Mire-se no exemplo’ acontece como um reforço do aprendizado. O líder assume o papel de tutor e todos os meses tem um almoço com seu tutorado para alinhamento de ideias e troca de experiências.

Além disso, os gestores participam do “Papo Formare”, encontro periódico realizado entre os gestores e as turmas para falar sobre assuntos relacionados à vida profissional, num espaço pensado para um diálogo aberto, em que os alunos se sintam à vontade para esclarecer suas dúvidas sobre trabalho e carreira. “A prática contínua e a participação das pessoas contribuíram muito para melhorar esse projeto ao longo dos anos. Hoje o ‘Mire-se no exemplo’ está muito bem definido e consolidado dentro do Formare. explica Almeida. Outra oportunidade dos gestores se fazerem presentes é durante as práticas profissionais, já que alguns alunos acabam fazendo prática na mesma área que o seu tutor o que possibilita um acompanhamento do aprendizado mais próximo.

“O ‘Mire-se no exemplo’ foi a maneira que o IIP encontrou de tornar a prática mais próxima dos alunos, por meio do diálogo e da troca de experiências, pois o jovem em momento de escolha profissional, passa por uma série de dilemas e, o trabalho do tutor é mostrar que, sim, eles podem mais, que o caminho não é fácil, mas que não se pode ter medo de desafios”, finaliza Glaucia Faria, Coordenadora de Responsabilidade Social e Sustentabilidade do Instituto International Paper.

 

 

“Guardiões em Ação” reúne voluntários e crianças em dia especial

IMG_1607

 Enfim chegamos à época mais doce do ano: a Páscoa! E para comemorar essa data de forma significativa, o Instituto International Paper realizou no último dia 26 mais uma edição do projeto “Guardiões em Ação”, com a missão de tornar a Páscoa de crianças e voluntários ainda mais especial.

 A ação deste ano contou com a participação de 66 “padrinhos e madrinhas” que se mobilizaram para tornar a Páscoa das crianças do Centro de Promoção Social Bororé um dia inesquecível. Os guardiões presentearam 73 crianças com ovos de chocolate e a entrega aconteceu pessoalmente, no dia 21 de março, no escritório da International Paper em São Paulo. Dividido em dois períodos, manhã e tarde, o encontro foi acompanhado por um divertido lanche, com muitas brincadeiras e é claro, muito chocolate.

Satisfeita com o resultado desta missão, Karla Califfa, Coordenadora de Planejamento Financeiro da International Paper, participou do Guardiões em Ação pela quarta vez e destaca a importância de ações solidárias dentro das organizações: “Vejo esta Ação como uma forma de olhar o que acontece em torno de nós. Sempre que volto deste projeto tenho a sensação de que, só de ver os sorrisos das crianças, fazemos o bem ao outro. Na correria do dia a dia nunca encontramos tempo para fazer uma ação solidária e quando a empresa nos dá essa oportunidade, percebemos o quanto podemos ajudar, mesmo que seja com este pequeno gesto”.

Para a Assistente Administrativo Pâmella Silva, a participação nas missões do “Guardiões em Ação” é sempre muito gratificante.  “É muito bom saber que fiz a diferença um dia pelo menos na vida daquelas crianças”, diz ela.

 O projeto, criaIMG_1806do em 2013, tem como objetivo ampliar o voluntariado dentro da International Paper, envolvendo, neste caso, os profissionais do escritório, em São Paulo. As “missões” acontecem sempre em datas comemorativas e só no ano passado, mobilizou 80 voluntários que presentearam crianças de quatro instituições diferentes.

Para Glaucia Faria, Coordenadora de Sustentabilidade e Responsabilidade Social do Instituto International Paper, projetos como o “Guardiões em Ação” reforçam o poder transformador do voluntariado, um dos pilares do IIP, além de ser um aprendizado de mão dupla. “O encontro dos profissionais com as crianças mostra o quão é importante ajudar com os gestos mais simples. Esses momentos são sempre muito gratificantes”, diz.

ResponsabilidadIMG_1868e Social Corporativa – Além de fabricar seus produtos em florestas 100% plantadas, renováveis e certificadas, a IP realiza, por meio

do Instituto International Paper, projetos voltados à educação e à sustentabilidade nas regiões onde a empresa mantém operações, beneficiando as comunidades locais. Desde sua criação, o Instituto tem como um de seus principais objetivos mobilizar e engajar parceiros, colaboradores e profissionais em causas que melhorem principalmente a educação socioambiental de crianças e jovens.

Atualmente, mais de 200 voluntários participam de projetos como Formare, EmCena Brasil, Guardiões das Águas, Guardiões do Verde, Guardiões em Ação, entre outros, que já impactaram a vida de aproximadamente 30 mil pessoas.

Realizar algum tipo de trabalho voluntário traz inúmeros benefícios também a quem pratica. Cada vez mais, as organizações valorizam profissionais que dedicam parte do seu tempo a causas sociais, especialmente se têm a prática inserida na própria cultura organizacional, como é o caso da IP.

Saiba mais sobre a instituição beneficiada pelos Guardiões em Ação:

 O Centro de Promoção Social Bororé está localizado em uma região extremamente carente, no Jardim Lucélia, na Zona Sul de São Paulo. Dividido em três lares sociais que abrigam 24 crianças e adolescentes, a entidade atende também 380 menores por meio dos programas Cantinho da Criança e Educando Para o Futuro, além de realizar diversos programas sociais que envolvem toda a comunidade. Saiba mais aqui.

 

IMG_9888

Filhos de funcionários passam um dia na IP

Ação envolveu os filhos de profissionais das unidades de Mogi Guaçu e Luiz Antonio. Atividades incluíram palestras e dinâmicas em equipe

Nos dias 20 e 21 de janeiro, o Instituto International Paper promoveu mais uma edição do Programa de Educação ambiental (PEA). Este ano 98 crianças de seis a 10 anos de idade tiveram a oportunidade de aprender um pouco mais sobre o lugar onde os seus pais trabalham e entender como acontece a fabricação de papel.

O Programa tem como objetivo desmistificar algumas informações sobre a indústria de papel e celulose, mostrando a preocupação da IP com o meio ambiente e as atividades que a empresa realiza em suas florestas plantadas de eucalipto.

Durante o dia que passam na unidade, elas participam de um bate-papo sobre preservação ambiental, assistem a um vídeo sobre as florestas plantadas. Em um segundo momento, passam da teoria à prática e participam de atividades lúdicas em contato com a natureza.

Luiz Antonio

No primeiro dia de evento, 45 crianças foram recebidas na unidade de Luiz Antonio para um dia inteiro de atividades. Após a identificação na portaria, elas participaram de um momento de integração em que puderam se conhecer e entender como funciona uma indústria de papel e celulose. Após as atividades de integração, elas foram para o Centro de Educação Ambiental da IP para um bate-papo com os educadores sobre as florestas plantadas.

Na hora do almoço, as crianças puderam encontrar os seus pais para uma refeição no restaurante da unidade, preparando-se para uma tarde recheada de brincadeiras no bosque.

Em meio à natureza, elas assistiram a uma apresentação de mágica e participaram de jogos de perguntas e respostas e brincaram com um jogo da memória palpável. As crianças também participaram de um tour de ônibus pela unidade. “Por conta das normas de segurança, o passeio foi pela área externa”, conta Douglas Arantes, consultor do projeto.

Mogi Guaçu

 No dia 21 de janeiro, foi a vez da unidade de Mogi Guaçu receber os filhos de profissionais e prestadores de serviços da IP. As 53 crianças foram divididas em duas turmas. A primeira, das 8h às 12h e a segunda das 13h às 17h.

Ambas as turmas puderam acompanhar um bate-papo com os educadores ambientais sobre a preocupação da International Paper em fazer um trabalho sustentável, também assistiram a um vídeo sobre as atividades da empresa para, num segundo momento, interagir com os jogos e brincadeiras sobre meio ambiente e preservação. As atividades foram realizadas no Mini Clube.

Todo o projeto foi desenvolvido pelo Instituto International Paper em parceria com as empresas Biosustentare e Cityvida, que desenvolveram as atividades.

 

PEA 9 LAN 17 FEV

IIP: balanço das atividades de 2015

2015 foi um ano e tanto para o Instituto International Paper. Mais uma vez, o objetivo de transformar vidas a partir do desenvolvimento educacional e socioambiental, com foco em crianças e adolescentes, foi atingido com sucesso!

Ao todo, mais de 39 mil pessoas em 23 cidades foram impactadas pelas sete iniciativas mantidas pelo IIP em todo o Brasil.

Neste ano, um dos grandes desafios foi a consolidação e a ampliação de projetos nas cidades onde estão instaladas as fábricas de embalagens da IP, como, por exemplo, a chegada do Projeto Cidade do Livro Itinerante nas cidades de Suzano, Paulínia, Franco da Rocha e Itapeva (Nova Campina).

Além disso, outra conquista que merece destaque foi o aniversário de 40 anos do projeto EducAção Socioambiental na região de Mogi Guaçu, o projeto abrangeu os alunos dos anos finais do Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio da rede pública e particular de ensino dos municípios de Mogi Guaçu, Mogi Mirim e Estiva Gerbi. Esse ano o projeto veio com inovações, como os workshops para professores e alunos, além da presença muito especial do maestro João Carlos Martins e sua Orquestra Bachiana no evento de premiação dos vencedores do concurso literário e de redação.

Um trabalho grandioso, que só foi possível graças ao envolvimento demilhares de profissionais e voluntários da IP que, com carinho e dedicação, foram peças fundamentais na missão de transformar vidas.

Conheça os números de cada projeto em 2015:

FORMARE

Oferece formação profissional com certificado do MEC nos cursos de Assistente de Produção da Indústria de Processo.

Beneficiados: 50 jovens do 3º ano do Ensino Médio da rede pública, além de aproximadamente 230 profissionais que atuam como voluntários no projeto.
Atende as cidades de Mogi Guaçu (SP), Luiz Antônio (SP) e Três Lagoas (MS).

Programa de Educação Ambiental (PEA)

Desenvolve atividades para formar cidadãos engajados na defesa do meio ambiente.

Beneficiados: 6.231 crianças, adolescentes, pessoas com deficiência e idosos.
Atende as cidades das regiões das fábricas de Mogi Guaçu (SP) e Luiz Antônio (SP).

Apicultura Solidária

Incentiva o uso compartilhado das florestas de eucalipto da IP com apicultores locais para produção de mel e geração de renda.

Beneficiados: 25 apicultores e 02 cooperativas.
Atende as cidades das regiões florestais de Mogi Guaçu (SP) e Luiz Antônio (SP).

Educação SocioAmbiental

Promove ações sociais e socioambientais por meio de concurso literário e de redação, além do plantio de mudas de árvores.

Beneficiados: 8.408 alunos e professores.
Atende a cidade de Mogi Guaçu e cidades vizinhas, como Mogi Mirim e Estiva Gerbi.

Cidade do Livro Itinerante

Desenvolve atividades educativas para conscientizar crianças e adolescentes sobre a importância da leitura.

Beneficiados: 22.797 crianças e adolescentes.
Atende as cidades de Suzano, Paulínia, Franco da Rocha e Itapeva (Nova Campina).

Natureza e Corpo

Divulga costumes populares que resgatam a identidade e a cultura regional e estimula o desenvolvimento sustentável com o cultivo de horta solidária.

Beneficiados: 377  pessoas.
Atende a cidade de Três Lagoas (MS).

Guardiões em Ação

Incentiva ações voluntárias dos profissionais da IP, com iniciativas voltadas a crianças e adolescentes.

Beneficiados: 182crianças e adolescentes e cerca de 160 profissionais voluntários.
Atende a cidade de São Paulo.

Casa Vhida

Atendimento especializado a crianças e adolescentes carentes portadores do vírus HIV, nas áreas de saúde, nutrição e serviço social.

Beneficiados: Cerca de 1.000 crianças e adolescentes.
Atende a cidade de Manaus e outras cidades da região norte do Brasil

2016 está apenas começando e o nosso objetivo é ir ainda mais longe. Vamos seguir juntos nessa caminhada de transformação de vidas e de valores.

 

 

novo

APROVADOS FORMARE 2016

O Projeto FORMARE completou 7 anos sob os cuidados do Instituto International Paper. Jovens que cursam o terceiro ano do Ensino Médio de escolas públicas em 2016 participaram do processo seletivo.

O curso de iniciação profissional é um complemento ao ensino regular, e acontece de segunda a sexta-feira durante o dia nas fábricas de celulose e papel da International Paper. Foram disponibilizadas 20 vagas por unidade, Mogi Guaçu e Luiz Antônio.

A disputa pelas vagas foi acirrada: 121 alunos se candidataram em Luiz Antônio e 349 em Mogi Guaçu. Confira abaixo a lista de aprovados nestas unidades:

LUIZ ANTÔNIO MOGI GUAÇU
Abner Roger Do Nascimento Gonçalves Bárbara Letícia de Freitas
André Martins Peres Beatriz Teodoro Martins
Andress Vicente da Lapa Lisboa Bruno Henrique de Oliveira
Camila Alves Pastora Carina de Melo Maineti
Débora Calixto Domiciano Daniel Alexandre Siqueira Vieira
Gabriel Jonas da Silva Emanuela Martins Tereziano
Hudson Do Carmo Mendes Fernanda Carolina Macedo De Almeida
Izabella Verucci Pascoalin Gabriela Soares Souza
José Alessandro Nogueira Teixeira Gustavo de Araújo Rodrigues
Joyce Santos Silva Iago Fernando Cirino
Lamia Cristina de Souza dos Santos Jefferson Leonardo Silva de Souza
Leonardo Stella Silva Jeovanna Orsoli dos Santos
Leticia Danieli Ferreira José Everson Ferraz da Silva
Luan Junior Teixeira Kétherlyn Vieira De Oliveira Depieri
Luis Gustavo Assunção Silva Leonardo Neppi Franco
Matheus Alexandre Gonçalves Raul Elias
Murilo Henrique Arruda da Silva Rebeca Cristine de Araujo Silva
Rafaela Ap. de A. A. Rodriguês Roberto Junio Pereira Belarmino
Rodrigo vicente da silva Ruan Tomaz Vieira da Costa
Silvelaine Tiburcio Stefani da Silva Xavier

 

Os ingressantes no FORMARE 2016 devem providenciar os seguintes documentos para o exame admissional:

  • 1 foto ¾, recente;
  • 1 cópia do RG;
  • 1 cópia do CPF;
  • 1 cópia da Certidão de Nascimento;
  • 1 cópia do Comprovante de endereço (conta de luz, água ou telefone);
  • 1 cópia do RG e do CPF dos Pais e/ou Responsável Legal (a pessoa que assinará o Termo de Formação – FORMARE);
  • Comprovante de endereço dos pais e/ou responsável (apenas no caso de residir em endereço diferente do aluno);
  • Declaração de conclusão do Ensino Médio (apenas aprovados para FORMARE em Luiz Antônio)
  • Declaração de matrícula no 3º ano do Ensino Médio (apenas aprovados para FORMARE em Mogi Guaçu)

 

Os responsáveis pelo projeto Formare em cada unidade entrarão em contato em breve  para marcar as datas dos exames. Em caso de dúvida procure:

LUIZ ANTÔNIO
Sabrina Tenello
sabrina.tenello@ipaper.com
(16) 3986-9073/ (16) 99781-7695
MOGI GUAÇU
Tomás Fernandes
tomas.fernandes@ipaper.com
(19) 3861-8955/ (19) 99818-8245

 

 

 

 

 

 

Imagem4

IIP profissionaliza 40 jovens em 2015

A oportunidade de entrar no mercado de trabalho está virando realidade para jovens da região de Mogi Guaçu e Luiz Antônio, no interior paulista. Nos dias 8 e 9 de dezembro, o Instituto International Paper realizou as cerimônias de formatura das turmas do Projeto FORMARE. Ao todo são 40 formandos que completaram o curso e agora possuem o certificado de Assistente de Produção da Indústria de Processo, emitido pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC).

Imagem12O curso com duração de 10 meses é integral e ministrado por profissionais da IP, que voluntariamente se tornam educadores. Segundo Gláucia Faria, Coordenadora de Responsabilidade Social da International Paper, o projeto é essencial para inclusão social e profissionais dos jovens. “Queremos formá-los como cidadãos e contribuir para a formação de valores e criar oportunidades de vida. Queremos encaminhá-los para o mercado de trabalho com uma boa formação técnica e ética”, disse.

Imagem9Esse foi o sexto anodo projeto na International Paper, desenvolvido pela Fundação Iochpe (franquia social). O curso de capacitação já formou mais de 250 jovens, nas unidades da IP de Mogi Guaçu, Luiz Antônio e Três Lagoas.

Para concorrer à vaga, são necessários alguns pré-requisitos, como: cursar o 2º e 3º ano do Ensino Médio em escolas públicas, ter renda familiar de até um salário mínimo, boa colocação na prova e na entrevista eliminatória, não ser filho de funcionário da IP e residir nas comunidades ao redor das fábricas.

Para Tomás Fernandes, Analista de Responsabilidade Social da IP e responsável pelo projeto FORMARE em Mogi Guaçu, os jovens plantam hoje aquilo que irão colher. “Os 20 jovens de cada unidade foram escolhidos por mérito e nosso desejo é que eles façam uma boa viagem durante o curso. Buscamos o brilho nos olhos para que eles possam fazer o que quiserem da vida deles”, enfatiza.

Imagem5

DSC02333

IIP celebra dia do voluntariado

Para comemorar o Dia Internacional do Voluntário, celebrado dia 5 de dezembro, o Instituto International Paper levou os profissionais voluntários do projeto Formare para uma atividade externa. Com o objetivo de reconhecer o trabalho voluntariado desenvolvido por cada um, os colaboradores de Luiz Antônio e Mogi Guaçu (SP) fizeram um passeio em Brotas e os de Três Lagos (MS) foram para A Pousada do Tucunaré, na própria cidade.

MG3O dia contou com atividades ao ar livre, lazer e interação entre os voluntários e os alunos do FORMARE. “Foi um dia muito gostoso. É muito gratificante e importante a empresa apoiar que tenhamos também um dia de reconhecimento e diversão”, ressalta Marina Novas, Assistente Administrativo na Fábrica da International Paper de Luiz Antônio e educadora voluntária no projeto FORMARE.

A data foi instituída pela ONU em 1985. Na definição da organização, o voluntário se caracteriza como “a pessoa que, devido a seu interesse pessoal e ao seu espírito cívico, dedica parte do seu tempo a diversas formas de atividades sem remuneração, visando o bem-estar social e outros campos”. Além disso, para o Instituto International Paper, são eles os grandes responsáveis por mudar a vida de muitas pessoas que vivem nas comunidades no entorno das fábricas da IP.

MG1

Para Wagner Cortez, Supervisor Administrativo do RH, ser voluntário do IIP é valioso tanto no fator humano como no profissional. “A gente ganha de todas as maneiras. Intelectualmente, pois aprendemos um pouco mais ao estudar para conseguir passar o conhecimento aos alunos; e pessoalmente, porque são histórias de vidas totalmente diferentes, que nos dão força. Eu sempre digo os alunos que nós – educadores voluntários – ganhamos mais do que eles”, ressalta.

Voluntários criam espaço para as pessoas se desenvolverem, adquirirem autonomia e voz, além de contribuírem para salvar o planeta por meio da educação socioambiental.

LAN1

Segundo Marina, que é voluntária desde que entrou na IP em 2013 e leciona as matérias Inglês e Comunicação e Relacionamento, a identificação que acontece é um dos fatores transformadores. “Eu me identifico muito com a história dos alunos, porque eu também vim de uma família humilde com alguns problemas socioeconômicos, então é bom poder compartilhar algumas experiências. É gratificante contribuir um pouco e também aprender e absorver com eles essa questão da diversidade das pessoas”, enfatiza.

Durante a comemoração da data internacional, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, elogiou a prática do voluntariado, pois “consegue transcender fronteiras, religiões e divisas culturais”, disse em pronunciamento.

Atualmente são mais de 200 voluntários engajados nas causas do IIP, comprometidos com a educação e em melhorar a vida de crianças, adolescentes e comunidades. Em depoimentos sobre o curso profissionalizante FORMARE, alguns voluntários do IIP destacaram suas experiências no projeto, como Alessandro Nogueira, que acredita que “os 40 minutos que tiro para dar aula, faz a diferença. Faz com que eu me sinta bem por saber que eu estou contribuindo para essas pessoas”.

O voluntariado traz vantagens que transcendem a estima e podem interferir, de maneira positiva, em sua vida profissional. As organizações veem naqueles que prestam algum tipo de serviço voluntário responsabilidade e engajamento com causas que beneficiem tanto os profissionais quanto a sociedade.

DSC02226

 

DSC03032

Alunos do FORMARE apresentam maquete na sede da IP

Na última quarta-feira (18/11), os alunos do FORMARE estiveram em São Paulo para apresentar aos profissionais do escritório da International Paper a maquete da fábrica de papel de Mogi Guaçu. Na ocasião, os jovens puderam compartilhar o aprendizado obtido no FORMARE, como a confecção da maquete, que foi feita em cinco dias, e os benefícios do empenho dentro e fora da sala de aula.

DSC03018

A maquete funcional da fábrica, mostra de forma detalhada todo o processo produtivo do papel: da plantação de eucalipto à venda e exportação. Os alunos apresentaram o cenário da fábrica, abordando dados técnicos, meios de produção, tempos de processo, logística e transporte. Os funcionários do escritório ficaram admirados com a riqueza de detalhes da apresentação dos alunos. “Eu já tinha assistido a apresentação na SIPAT, em Mogi, e fiquei abismada com tanto detalhe que eles colocaram e todo o conhecimento que eles têm de todo o processo de produção de papel, desde a plantação  dos eucaliptos até a venda final, exportação e tudo mais”, diz Milena Tanaka, Secretária Executiva na IP.

Para Leandra Ferreira Leite, Presidente do Instituto International Paper, a apresentação da maquete no escritório corporativo representou a realização de mais um desafio para os adolescentes que fazem parte do FORMARE. “Eles são muito carentes de referências. Ao chegar aqui, eles têm contato com outros profissionais da empresa. Alguns deles também começaram com 16 anos e hoje estão em boas posições. Isso vira referência. Eles olham e acreditam que também podem crescer”, enfatiza.

O Analista de Responsabilidade Social, responsável pelo projeto em Mogi Guaçu, Tomás Fernandes, ressalta que o projeto da maquete foi um marco forte para os alunos. “Eles se empenharam bastante para apresentar na SIPAT e ao ver a repercussão que eles tiveram com o convite de vir apresentar em São Paulo, a motivação deles foi ainda maior.

O FORMARE é um programa da Fundação Iochpe, realizado pelo Instituto International Paper, que oferece qualificação e especialização profissional para jovens de baixa renda das regiões de Mogi Guaçu, Luiz Antônio, em São Paulo, e Três Lagoas, Mato Grosso do Sul. O curso de formação tem duração de 10 meses e é ministrado por profissionais da IP voluntários em sala montada dentro das fábricas.

DSC03032

Transformação

Daniel Medeiros, Analista de Precificação de Marketing da IP, também é ex-aluno do FORMARE pela empresa Delphi, localizada em Cotia. Segundo ele, um dos principais ganhos que o projeto proporciona é o desenvolvimento e o crescimento. “Lá dentro conseguimos aprender coisas que não veríamos na escola normal, além de reforçar o nosso conhecimento já adquirido. Entramos adolescentes e saímos preparados para o mercado de trabalho”, afirma.

O lema do Instituto International Paper é “Transformar a vida é o nosso papel”. Tomás acredita que essa transformação acontece e é visível após os 10 meses de curso. “Ver essa apresentação deles no escritório da IP é muito gratificante. Eles entram no projeto como crianças e hoje eles saem como homens e mulheres. A gente consegue ver isso pelas fotos e sabemos que estamos no caminho certo”, ressalta Fernandes.

O presidente de Embalagens da International Paper no Brasil, Santiago Arbelaez, prestigiou a apresentação dos alunos no escritório. “É muito gratificante ver que a empresa que eu trabalho hoje faz parte desse grupo que pensa na comunidade em volta. Com o FORMARE, é possível educar pessoas que certamente vão buscar desafios novos e que saem dali com uma mentalidade totalmente diferente”, enfatiza Santiago.

IMG_0909

Os 20 alunos da turma de Mogi Guaçu 2015 se formam no dia 8  de dezembro.

Após a apresentação, alguns alunos ressaltaram o que o projeto significou para eles. Confira:

Está sendo maravilhoso. É uma oportunidade única. Eu nunca imaginei que seria tudo isso. Eu entrei como se fosse um sonho e cada dia muitos outros sonhos estão sendo realizados. O meu mundo era muito fechado. Quando eu entrei no FORMARE eu vi que o mundo não é só meu e eu tenho que compartilhar com outras pessoas, então eu tenho que ir além de mim.” – Amanda Cristina de Araújo

“Se não fosse o FORMARE eu acho que hoje eu não estaria tão focado nos meus sonhos. O meu maior sonho é ser administrador e empresário. Foi uma grande experiência. No projeto eu fui incentivado a acreditar que tudo é possível e uma coisa que eu aprendi é planejar”Igor Santos do Prado

“Está sendo uma experiência incrível tanto do lado pessoal quanto do profissional. Aqui, a gente enxerga o mundo de outra maneira. A gente entra pensando de um jeito e sai pensando de outro.”Erica Caroline Vieira de Figueiredo

“Eu era uma pessoa muito sem expectativa, sem vontade de nada. Agora eu acredito na minha capacidade, e sei que eu posso conseguir o que eu quiser. E foi o FORMARE que me mostrou isso. Ele me proporcionou momentos que eu jamais podia esperar. Quando que eu iria vir pra São Paulo, para fazer uma apresentação para o pessoal daqui? Quando que eu iria ter contato com o presidente de uma multinacional? Com americanos? Várias coisas que a gente não imaginava a IP está proporcionando pra gente.”Larissa Alves Simões

“A nossa maturidade mudou muito. O retorno dessa mudança vem através dos nossos pais e nossos amigos que nos dizem isso. A gente entra no FORMARE querendo crescer na área profissional, mas acabamos crescendo como ser humano. A gente desenvolve muito mais dentro da gente do que só profissionalmente.”Daniele Oliveira da Silva

“Eu aprendi a interagir com as pessoas, conversar, desenvolver relacionamentos. Todos os voluntários do FORMARE nos deram muita inspiração para seguir os nossos sonhos. Hoje, eu sei o que quero seguir.”Wesley Carlos Camilo

“O FORMARE foi a coisa mais importante na minha vida. Porque eu, com 17 anos, não tinha nenhuma noção de empresa e agora eu estou saindo com um conhecimento que me ajudou muito na vida profissional. Eu era uma pessoa muito tímida, eu queria me esconder do mundo e hoje não. Hoje, eu quero me expor e alcançar o mais alto possível.”Mayara Cristina do Prado Lima

“O FORMARE foi uma fonte de sabedoria na minha vida. A escola não prepara para o mercado de trabalho. Esse foi o meu primeiro contato com o mercado de trabalho, e isso foi incrível. Agregou muito conhecimento na minha vida.”Maitê Cristina

“O FORMARE me transformou completamente. Na forma de pensar e de agir.” – Patric Fernandes Afonso

“O FORMARE me ajudou bastante. Me ajudou a escolher a faculdade que eu queria, a reconhecer os meus defeitos e talentos, me ajudou a melhorar em inglês e nas outras matérias. Antes do FORMARE, a minha expectativa em relação a minha vida estava lá em baixo e o FORMARE transformou isso.” - Samuel Paulo de Arruda

“Uma palavra que eu resumo é transformação. Eu entrei de uma forma e vou sair diferente. Foi surpreendente.”Tayna Natachi Aguede

“O FORMARE significou um caminho onde eu pude aprender muita coisa e me ajudou a ter novos direcionamentos, além de poder conhecer a International Paper, que é uma multinacional. E, para mim, foi uma oportunidade para ficar na empresa por mais dois anos.”Winie Scarlet Biazitto

“O FORMARE mudou minha maneira de pensar. Agora eu tenho um objetivo, sei o que eu quero fazer da minha vida. Eu indico o projeto para todo mundo.”Talita de Freitas Rodrigues

DSC03161

concurso

Concurso de Redação do IIP tem 10 mil inscritos

No dia 1º de outubro, o Clube Mogiano, em Mogi Mirim, foi o palco da 40ª Premiação dos Concursos de Redação e Literário do Projeto Educação Socioambiental, realizado pelo Instituto International Paper (IIP).

A cerimônia reconheceu os três primeiros lugares de cada uma das seis categorias do prêmio. No Concurso de Redação, voltado aos alunos, as categorias foram divididas pelas séries dos participantes: 5º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3° ano do Ensino Médio. Já no Concurso Literário, que comemorou sua 10ª edição este ano, as categorias foram Conto, Crônica e Poesia.

Conheça os ganhadores:

CONCURSO literário

1º Lugar:

Nome: Daniela Aparecida Lanza
Título: Deus viu que isto era bom
Cidade: Mogi Mirim

2º Lugar:

Nome: Jair Francisco Dias
Título: O melhor solo
Cidade: Mogi Mirim

3º Lugar

Nome: Elaine Cristina Seco
Título: Sala de Reunião
Cidade: Mogi Guaçu

VENCEDORES DO CONCURSO DE REDAÇÃO

 5° ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

 1º Lugar:
Nome: Giuliana Maria Vanucci
Escola: EMEB Vereadora Terezinha da Silva Oliveira

 2º Lugar:
Nome: João Pedro
Escola: EMEB Professor Jorge Bertolaso Stella

 3º Lugar
Nome: Renato Mantovani Müller
Escola: COC

 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

 1º Lugar:
Nome: Isabela Bombarda
Escola: EMEB Francisco Piccolomini

2º Lugar:
Nome: Gabriel Chung Ravanini
Escola: Anglo

3º Lugar
Nome: Maria Luiza Bronzatto de Oliveira Santos
Escola: Colégio Delta Nobre


3° ANO DO ENSINO MÉDIO

 1º Lugar:
Nome: Gabriel Leite Ferreira
Escola: Colégio Integrado Anglo de Mogi Guaçu

2º Lugar:
Nome: Sofia Brunheroto Nehmeh
Escola: Educar Instituto Educacional

 3º Lugar
Nome: Vinícius Augusto Zamariolo Setin
Escola: Fundação Educacional Guaçuana (FEG)

Reconhecido pela importância no cenário educacional, o Concurso de Redação teve a participação de aproximadamente 10 mil alunos das redes públicas e particulares das cidades de Mogi Mirim, Mogi Guaçu e Estiva Gerbi.

Os inscritos passaram por três fases eliminatórias:

Fase I – Preparatória: seleção dos textos em sala de aula. Após pesquisas, palestras, aulas expositivas e vídeos, os alunos desenvolveram uma redação, sendo selecionado um representante por sala.

Fase II – Workshops: organizadas pelo IIP, as oficinas de redação foram ministradas pela Doutora em Linguística e professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Silma Ramos Coimbra Mendes, que falou com os alunos sobre estruturação de texto, deu dicas práticas sobre as categorias de texto do concurso o e fez um trabalho de leitura e compreensão. A participação nas oficinas era obrigatória e os alunos que não compareceram foram eliminados.

Fase III – Final: depois das duas primeiras fases eliminatórias, 294 alunos foram selecionados para a última etapa, onde precisaram desenvolver uma redação sobre o tema ‘Solo’, assunto escolhido devido à declaração da ONU, que elegeu 2015 como Ano Internacional dos Solos.

As redações foram julgadas por uma comissão formada por representantes da área de Educação e um membro do Instituto International Paper.

No Concurso Literário, concorreram à premiação cerca de 41 professores, que também escreveram seus textos seguindo o mesmo tema. A banca examinadora foi composta por profissionais da área de Comunicação Social, Letras e Linguística convidados pelo Instituto.

O professor de Português Jair Francisco Dias, que leciona há três anos na Escola Municipal de Ensino Básico Francisco Piccolonini de Mogi Mirim, foi o segundo colocado no Concurso Literário. Este é o segundo ano consecutivo em que ele é premiado. “Além do reconhecimento por ser um dos ganhadores, é gratificante ver o orgulho dos alunos pela nossa conquista”, diz.

E mais do que isso! Para o professor, os alunos se sentem motivados a participar quando veem alguém próximo receber o prêmio. “Sinto que eles ficam mais interessados, questionam sobre como produzir um texto e vão atrás da informação. Este projeto vai além da aprendizagem em sala de aula”, conta Jair. Silma Ramos Coimbra Mendes, responsável pelos Workshops, complementa. “Este concurso gera a valorização da figura do professor e reconhece o papel do aluno, além de colocar em debate um tema importante de responsabilidade social.” E finaliza: “Desde o início senti muita receptividade, envolvimento, comprometimento e entusiasmo por parte dos alunos. Isso nos mostra que o simples desenvolvimento de um texto criará um desdobramento muito maior em relação ao futuro deles.”

banda