Posts

Turma de Mogi Guaçu

Formare capacitou aproximadamente 50 jovens para o mercado de trabalho em 2017

O objetivo do projeto é a transformação social por meio da educação de jovens

Turma de Mogi Guaçu

Turma de Mogi Guaçu (SP)

Somente no ano de 2017, o Projeto Formare capacitou cerca de 50 jovens para o mercado de trabalho. O projeto está na IP desde 2010 e é uma parceria com a Fundação Iochpe. Os alunos ingressaram no curso por meio de seleções criteriosas, entre provas, dinâmicas e entrevistas. Todos os estudantes são de comunidades vizinhas aos negócios da International Paper nas cidades de Luiz Antônio (SP), Mogi Guaçu (SP) e Três Lagoas (MS).

“Mais do que capacitar jovens em vulnerabilidade social, nós estamos ajudando a modificar a base familiar. Nós acreditamos que ao manter esse projeto dentro das nossas unidades fabris estamos transformando a vida das pessoas por meio do exemplo, da educação e mostrando um cenário de oportunidades”, afirmou Tomás Fernandes, coordenador do projeto.

Durante nove meses, de segunda a sexta-feira, as aulas foram ministradas voluntariamente pelos profissionais da IP – conhecidos como Educadores Voluntários. O projeto também contou com a participação de executivos que ocupam cargos de liderança e ofereceram tutoria aos alunos por meio do programa “Mire-se no Exemplo”.

Turma de Três Lagoas (MS)

Turma de Três Lagoas (MS)

“Os alunos são talentos descobertos e podemos lapidá-los, é gratificante! Sabemos que isso só é possível pela estrutura que o Formare proporciona para cada um. Os jovens passam a ter outra percepção da vida profissional e pessoal”, declarou Gabriella Pavanelli, trainee da IP, também Educadora Voluntária do Formare.

Prática Profissional

Além de aulas teóricas, os alunos também tiveram a oportunidade de conhecer os processos de produção de papel e celulose durante a Prática Profissional, onde foram monitorados por profissionais da IP e puderam aplicar a teoria aprendida em sala de aula.

Além disso, no fim do curso, os estudantes receberam um certificado reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), emitido pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Turma de Luiz Antônio (SP)

Turma de Luiz Antônio (SP)

“O Formare me transformou em uma pessoa melhor!  Ele colaborou para o meu desenvolvimento pessoal e profissional, me tornando uma pessoa mais comunicativa. Hoje sei o valor do trabalho em equipe e por meio da Prática Profissional escolhi a carreira que quero seguir. O Formare também me mostrou como os estudos são importantes e fazem parte da realização dos meus objetivos”, comemorou Mileny Nomura, de 19 anos, aluna do Formare 2017.

Em 10 anos de Instituto International Paper, o Formare IP capacitou mais de 300 jovens. O projeto ocorre em Mogi Guaçu (SP) desde 2010, em Luiz Antônio (SP) desde 2011 e em Três Lagoas (MS) desde 2014. As próximas turmas começam em março, nas três unidades.

IMG-20171027-WA0039 (002)

Alunos de Mogi Guaçu conhecem jovens do Formare Eaton

Empresas promovem o intercâmbio de turmas para troca de boas práticas

IMG-20171027-WA0039 (002)A troca de experiências é uma importante etapa dentro do Projeto Escola Formare. Para possibilitar essa interação na reta final das turmas de 2017, a International Paper e a Eaton reuniram os alunos que participam da capacitação nas duas empresas em 26 e 27 de outubro.

No primeiro dia, os 20 jovens de 15 a 18 que fazem parte do programa na Eaton saíram de Mogi Mirim (SP) para uma visita técnica na unidade de Mogi Guaçu (SP) da International Paper. Eles conheceram os processos industriais do setor de papel e celulose, acompanhados por um coordenador e por três educadores voluntários, que atuam na empresa de automação.

Além dos processos na fábrica, os alunos conheceram melhor algumas das normas de segurança da IP. Eles também puderam conferir as ações de sustentabilidades desenvolvidas pelo Instituto, por meio de seus projetos socioeducativos.

No dia seguinte, em 27 de outubro, foi a vez dos 20 alunos do Formare IP de Mogi Guaçu, conhecerem a fábrica da Eaton em Mogi Mirim. Eles aprenderam um pouco sobre o processo de fabricação de produtos para motores automotivos, que é umas das áreas de negócio da empresa. A automatização da produção impressionou os jovens. “Vários dos alunos comentaram que gostariam de trabalhar lá”, contou Ednaldo Linardi, que atua como estagiário na área  de Assuntos Corporativos da IP.

Além das tecnologias empregadas na indústria, a preocupação da empresa com a segurança foi um dos destaques da visita. Atentos, os alunos acompanharam todas as instruções passadas durante a visita e elogiaram a receptividade dos profissionais, que explicaram os detalhes de suas áreas durante o tour.

As duas empresas também organizaram um almoço em suas respectivas unidades para criar mais um momento para a troca de ideias entre os alunos e os profissionais. Foi uma oportunidade para falar, de forma descontraída, sobre possibilidades de carreira e compartilhar dicas para quem dá os primeiros passos na trajetória profissional. “Os alunos demonstraram grande curiosidade e vontade de aprender durante as duas visitas e isso é extremamente gratificante”, comenta Ednaldo, que fez o acompanhamento das turmas.

ods onu 5p

Brasil avança no cumprimento da Agenda 2030 do Pacto Global

ods_onu

No mês de outubro de 2017, o Brasil deu um importante passo para se tornar um dos países mais engajados no cumprimento dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas. A Universidade de São Paulo (USP) assinou parceria com a ONU para sediar o primeiro escritório regional do Programa Cidades, do Pacto Global – acordo humanitário entre empresas, organizações da sociedade civil e demais instituições de todo o mundo.

O escritório fica localizado no prédio do Centro de Difusão Internacional (CDI), na Cidade Universitária. O objetivo é que o espaço seja um centro de pesquisas científicas sobre os temas humanitários da ONU na América Latina. Assim, municípios e estados podem levar suas demandas e problemas aos pesquisadores, que vão propor soluções.

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi lançada em 25 de setembro de 2015. O documento, que faz parte do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), é o resumo de longas consultas e debates entre governos, academia, sociedade civil e setor privado.

A Agenda lista os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e as 169 metas para alcançar dois objetivos: fortalecer a paz universal e erradicar a pobreza em todas as suas formas e dimensões. Por isso que o plano de ação atua em torno dos cinco P’s: pessoa, prosperidade, paz, parceria e planeta.

ods onu 5p

 As ODS e o Instituto IP – O engajamento do setor privado é muito importante para a ONU alcançar os seus ambiciosos objetivos. A International Paper, por entender que a sustentabilidade é crucial para o sucesso dos negócios, também faz suas contribuições para a realização dos objetivos. A empresa, a partir dos novos pilares do Novo Jeito IP, selecionou 11 objetivos da Agenda 2030 da ONU para trabalhar e desenvolver em todas as unidades. São eles:

 

  • Objetivo 2: Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável;
  • Objetivo 3: Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades;
  • Objetivo 4: Assegurar a educação inclusiva, equitativa e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos;
  • Objetivo 6: Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos;
  • Objetivo 7: Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todos;
  • Objetivo 8: Promover o crescimento econômico sustentável, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos;
  • Objetivo 11: Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis;
  • Objetivo 12: Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis;
  • Objetivo 13: Tomar medidas urgentes para combater a mudança do clima e seus impactos;
  • Objetivo 14: Conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável;
  • Objetivo 15: Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade.

 

 

 

 

 

05-formare1

Formare Luiz Antônio: aprovados para visita domiciliar

05-formare1

RESULTADO DO PROCESSO SELETIVO – LUIZ ANTONIO

APROVADOS PARA VISITA DOMICILIAR

Estamos chegando na reta final! Confira abaixo os candidatos aprovados para a última fase do processo seletivo do Formare International Paper – unidade Luiz Antônio/SP.

As visitas domiciliares acontecerão na semana de 27/11 a 01/12 nos municípios de Luiz Antônio, São Simão e Guatapará. Nessa etapa o foco da equipe do Formare é conversar com os pais e responsáveis dos candidatos.

Amanda Melo da Silva
Ana Carolina de Oliveira Azevedo
Ana Carolina Fagundes da Silva Araújo
Antonio Messias Ribeiro dos Santos
Bianca Helena Silva
Daniele Gabriel dos Santos
David Jardim da Silva
Diego Rodrigo Domingos de Souza
Emanuela Borges de Jesus
Gabriel Ricardo Romano de Godoy
Inelise Laura da Cruz Ferreira
Ingrid da Silva Felix
João Vitor Pereira da Silva
Laura Lima Alves Ferreira
Luiz Guilherme Montanha Vitorio
Mariana da Silva Pedro
Pablo Fernando dos Santos Alves
Patrick Trindade Viana
Raila Alves Barbosa Marciano
Simeão Carlos Francisco

 

05-formare1

Formare Mogi Guaçu: aprovados na primeira fase

05-formare1

Confira a lista de aprovados na primeira fase do processo seletivo do Formare International Paper, na unidade Mogi Guaçu/SP.

A próxima etapa acontece em duas turmas diferentes no Centro de Treinamento Horto Mogi Guaçu.
Rodovia SP 340, km 171 – Mogi Guaçu (SP)

Fique atento a sua turma e anote as datas e os horários:

Turma 1: dia 4/12/2017 (segunda-feira) , das 13h às 17h.

Turma 1: dia 4/12/2017 (segunda-feira) , das 13h às 17h.

BIANCA HELENE DA SILVA
BRENDA TUANY MOREIRA GONÇALVES
CLAUDIA GISLENE GONÇALVES DOS SANTOS
DIANDRA MARIA ROBERTO DIAS
EVANDRO HENRIQUE LOPES
EVELIN DE JESUS MENDES
FABIANA FERNANDA CAVENAGHI
FERNANDA MARQUES PANDOLFO
GABRIEL CAVALCANTE SANTOS
GABRIELA DA SILVA IGNÁCIO
GABRIELE REZENDE
GRAZIELI MARIANA PEDRO
IGOR DOMICIANO MISTURA
INGRID VICENTE VIRGILIO
ISABELA BUENO
JAQUELINE SILVA SANTON
LAUANA ALVES DOS SANTOS
LUANA GABRIELE MACHADO
LUANA SOUZA QUEIROZ
LUARA TENÓRIO BRANDÃO
MILENE FERREIRA DA SILVA
NATHAN PHELIPE CHAVARI ROSSI
PABLO ALEXSANDER RODRIGUES
PEDRO OTAVIO FRALEONE
SABRINA LINS DA SILVA
THIAGO DOMICIANO MISTURA
VALDIR GONÇALVES DE ALMEIDA JUNIOR
VANESSA MOREIRA DOS SANTOS
VITORIA CARDOSO LARANJEIRA
VITÓRIA MENEGONI DOMINGUES
VIVIANE APARECIDA ALVES PRADO

Turma 2: dia 5/12/2017, (terça-feira) das 13h às 17h.

ALAN SILVA DOS SANTOS JUNIOR
AMANDA ROBETRTA CORREA RANGEL
ANA LAURA ZULIANE
ELLEN DE SOUSA MOTA
EVELIN OLIVEIRA GONÇALVES
FABRICIO GOMES DA SILVA
FRANCIELY CRISTINA DA SILVA
GABRIEL HENRIQUE TEIXEIRA
GABRIELA VITORIA DE OLIVEIRA
GUSTAVO ALVES DA SILVA
ISADORA CRISTINA PEREIRA SILVA
JAQUELINE DE SOUZA SILVA
JÉSSICA FERREIRA DA SILVA LUIZ
KAREN CRISTINA SERAFIM
KEREN RAQUEL TOLEDO PIZA
LEONARDO DE PAULA BISCHILIARI
LEONARDO JOSÉ DA SILVA
LUCAS CARVALHO DOS SANTOS
MARCOS ANTONIO SOARES
MARIA EDUARDA JESUS DE MELO
MARINA GASPAR DE ARAÚJO
MATHEUS ALVES DA SILVA
MIKAELA ALANA NAJLA DINIZ ANDRADE
NATHALIA FERREIRA OLIVEIRA
NATHAN DOS SANTOS SAMPAIO
PAMELA VICTORIA DA SILVA SABINO
PEDRO HENRIQUE ZANCHETTA
TELMA VAZ DE FREITAS NETA
TIAGO BARBOSA BESERRA
VITORIA ROGERIO

 

 

05-formare1

Formare Três Lagoas: aprovados para a segunda fase

05-formare1A dinâmica de grupo acontece no dia 6 de novembro (segunda-feira) no Campus II da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Anote:

– PROCESSO: 2ª Fase (Dinâmica de Grupo)
– DATA: 06/11 (Segunda-Feira)
– LOCAL: UFMS – Campus II (Em frente a Mabel)
– HORÁRIO: 13h30 às 16h30h
– NÃO ESQUEÇA: Levar documento com foto

Aprovados para a a segunda fase

Alana Leoncini Lima
Ana Beatriz Medina Tavares
Ana Beatriz Oliveira de Barros
Beatriz Chacra Ferreira
Bianca França Reis
Bruna Vitória Borges Gonçalves
Eliana Borges Lopes
Gabriela Maciel Souza
Geovanna Santiago Costa
Gleicielly Regattieri Souza
Ingrid Vitória Fernandes Sant’ana
Isabella Melissa Marques Santos
Jéssica Pereira de Souza
Jhonatan Galeano Lopes
João Victor Castro dos Anjos
Jossenildo Reisson Matos da Silva
Jullyana Karine Soares Lovo
Larissa Taynara Aparecida de Oliveira
Laura Daniela Dias Ferreira
Laura Paula Ferreira Barros
Leonardo de Paula Aquino
Lorrayne Muriel Mendes de Paula
Luana Kelly do Nascimento
Lucas Ormode Pereira da Silva
Lucas Teruhiko Yamamoto Narimatu
Marcos Vinicius de Oliveira Silva
Monique Marques de Souza Camara
Nathalia Garcia da Silva Guimarães
Nathália Matias Rodrigues
Nilton Rodrigues dos Santos Junior
Pedro Henrique de Souza
Raquel de Moura Martini
Yago Augusto Viana

Natureza e Corpo realiza sua primeira colheita

Alimentos cultivados em projeto do Instituto IP beneficiarão centros de apoio a pessoas em vulnerabilidade (Centros POP) de Três Lagoas (MS)

_DSC3946

Com o empenho de alunos e professores, as escolas Joaquim Marques de Souza e Parque São Carlos, participantes do Projeto Natureza e Corpo, realizaram sua primeira colheita no dia 6 de outubro. As doações foram entregues à Secretaria Municipal de Assistência Social de Três Lagoas, que direcionará os vegetais aos Centros Pop, que atendem pessoas em situação de rua.

No total, foram colhidos cerca de sete quilos de verduras, incluindo: alface, rúcula, almeirão e cebolinha, que alimentarão pessoas atendidas em programas da Secretaria Assistência Social do município.

Os alimentos foram recebidos pela secretária de Assistência Social, Vera Helena, em um evento especial na Escola Joaquim Marques de Souza, acompanhado de perto pelos alunos responsáveis pelo sucesso da colheita.

O projeto existe desde 2013 e começou com o cultivo de ervas conhecidas na cultura popular por suas propriedades terapêuticas. Em 2016, o projeto evoluiu para a implantação das hortas em ambiente escolar. Desde o início, o IIP dá todo o suporte para a implementação dos canteiros.

_MG_9468

Instituto IP comemora 10 anos com premiação em concursos do ESA

_MG_9468

 No dia 29 de setembro ocorreu a premiação do concurso de redação e do concurso literário do projeto Educação Socioambiental, o ESA. Foram reconhecidos os alunos e os professores das cidades Mogi Guaçu, Mogi Mirim e Estiva Gerbi, todas localizadas no estado de São Paulo.

Em 2017, o concurso de redação, que chegou à sua 42ª edição, foi aberto para jovens do 5º e 9º ano do ensino fundamental e 3º ano do ensino médio de escolas da rede pública e privada. Já o concurso literário, que ocorre há 12 anos, contou com a participação de professores de todas as séries e disciplinas das instituições de ensino dos três municípios.

Neste ano, o assunto principal das duas iniciativas foram os 10 anos do Instituto IP e seus impactos positivos para as comunidades, com o tema: “Transformar a vida das pessoas é o nosso papel”. Como apoio, o Instituto ofereceu um workshop (http://institutoip.com.br/home/10-anos-do-instituto-e-tema-em-workshop-para-participantes-do-esa-2/) aos educadores com a finalidade de orientá-los no desenvolvimento da proposta com os alunos.

Para Leandra Leite, presidente do Instituto International Paper, é uma satisfação celebrar mais uma premiação, desta vez com um tema que destaca os resultados da atuação do Instituto IP na comunidade. “Hoje colhemos frutos de um projeto que começou há mais de 40 anos, antes mesmo do instituto nascer. E, no ano em que celebramos 10 anos, é uma alegria receber textos tão especiais que abordam como um trabalho de transformação tem sido realizado em prol do desenvolvimento sustentável da comunidade”, comenta.

O evento de premiação foi realizado no Espaço Genesis, em Mogi Guaçu, e cada um dos três primeiros colocados foram contemplados com um prêmio em dinheiro. Confira a lista de vencedores:

Concurso de Redação

Alunos do 5º ano

1º Filipe Guilherme – Aqui se planta, aqui se colhe
2º Samuel Lazarini – O sonho do papel
3º Bianca Jesus – Desenhando o futuro

Alunos 9º ano

1º Camila Macedo – Saindo do papel para buscar o futuro
2º Ana Laura Depieri Filomeno – A empresa e o Instituto
3º Eduardo Rovigatti- Pequenas mudanças trazem grandes resultados

Alunos 3º ano

1º Julia Lanzi Ribeiro – O papel de todos
2º Ítalo Holanda – No caminho do bem: Uma década do Instituto International Paper
3º Julia Silva – Educar para transformar

Concurso Literário

1º Elaine Seco – Festa do Papel Picado
2º – Valéria Dipieri – Sobre tábuas, vãos e a vida que se transforma
3º Lidiane Pessota – Uma ideia sementeira

cidadão sustentável 2

Dia das Crianças e o Instituto IP

cidadão sustentável 2

 O Brasil comemora o Dia das Crianças em 12 de outubro. A celebração foi criada no país por meio de uma lei federal, proposta pelo deputado Galdino Filho e oficializada pelo presidente Arthur Bernardes em 1924. Inicialmente, a data designada pelo legislativo não ganhou popularidade.

Na década de 1960, a fábrica de brinquedos Estrela mudou o status dessa data. Para incentivar a venda da boneca “Bebê Robusto”, a empresa criou uma promoção que durou sete dias. Como a ação fez sucesso, a “Semana do Bebê Robusto” se tornou “Semana da Criança” no ano seguinte e, com o aumento das vendas no mês de outubro, todo o comércio aderiu à comemoração.

Celebração e conscientização o ano todo – Com dez anos de atuação, o IIP (Instituto International Paper) entende que a educação de crianças e jovens é uma das formas de transformar a vida das pessoas nas comunidades próximas de suas unidades fabris.  Conheça alguns projetos do Instituto IP que atuam diretamente para o público infantil.

No projeto Guardiões das Águas, ações pedagógicas são criadas para incentivar o uso racional dos recursos hídricos dentro e fora da escola. As iniciativas envolvem professores e alunos do Ensino Fundamental da rede pública de ensino da microrregião da unidade fabril e florestal de Luiz Antônio no Estado de São Paulo.

Com o PEA (Programa de Educação Ambiental), o Instituto desmistifica algumas questões relacionadas à utilização das florestas plantadas, combinando conhecimento e atividades lúdicas.  Idealizado para alunos e professores do Ensino Fundamental, o PEA recebe semanalmente cerca de 300 crianças, de 9 a 12 anos, nas unidades de Mogi Guaçu e Luiz Antônio para tratar de assuntos relevantes para a preservação ambiental.

O Natureza e Corpo desperta para consciência ambiental, dentro do conceito de sustentabilidade alimentar e alimentação saudável. O projeto é coordenado pelo Instituto International Paper no município de Três Lagoas (MS). Desde 2016 as escolas Joaquim Marques de Souza e Parque São Carlos trabalham com o cultivo de verduras e legumes, em hortas coletivas instaladas nas dependências das instituições de ensino.

Já o Cidade do Livro mostrou aos alunos do Ensino Fundamental o mundo mágico da literatura. Durante sete anos, mais de 51 mil crianças foram beneficiadas em nove cidades: Mogi Guaçu (SP), Três Lagoas (MS), Ribeirão Preto (SP), Suzano (SP), Paulínia (SP), Franco da Rocha (SP), Itapeva (SP) e Manaus (AM).

Com o ESA (Educação Socioambiental), a unidade de Mogi Guaçu tem o propósito de colaborar com a formação educacional e socioambiental de crianças e adolescentes. Para isso, são realizados um concurso de redação e também um concurso literário com temas relacionados ao meio ambiente e cidadania.

shutterstock_380464495

Brasil sobe em ranking de sustentabilidade

De acordo com o Environmental Performance Index de 2016, Brasil evolui na categoria qualidade do ar

shutterstock_380464495

Divulgado a cada dois anos, o “Environmental Performance Index” avalia o desempenho de 180 países em relação às políticas voltadas à sustentabilidade e bem-estar. Na última edição (2016), o Brasil saltou da 77ª posição para a 46ª, alavancado pela melhoria da qualidade do ar.

O relatório é fruto de uma parceria entre as universidades americanas Yale e Columbia e analisa os países em nove critérios macro: agricultura, saúde, qualidade do ar, água e saneamento básico, recursos hídricos, recursos florestais, clima e energia, recursos pesqueiros e biodiversidade. Os países que melhor se posicionam no ranking têm notas próximas a 100, indicador máximo de pontuação.

Os 10 países mais bem posicionados no ranking de 2016 foram: Finlândia (90.68 pontos), Islândia (90.51 pontos), Suécia (90.43 pontos), Dinamarca (89.21 pontos), Eslovênia (88.98 pontos), Espanha (88.91 pontos), Portugal (88.63 pontos), Estônia (88.59 pontos), Malta (88.48 pontos) e França (88.20 pontos).

Cada um dos nove indicadores tem pesos diferentes. Mas uma das curiosidades trazidas nesta última edição, em relação ao ranking divulgado em 2014, diz respeito à qualidade do ar: em 2013, as mortes em decorrência da qualidade da água foram maiores do que as mortes ocasionadas por problemas ligados à qualidade do ar. Situação que se inverteu dois anos depois.

De acordo com o relatório, o desenvolvimento industrial urbano, somado à maior exposição da população ao transporte motorizado, trouxe mais impactos para a saúde respiratória, configurando-se em um fenômeno global, que não está restrito a determinados países. E é justamente na categoria qualidade do ar, que o Brasil mais se destacou. No entanto, o documento aponta que um dos principais desafios mundiais hoje é equilibrar o desenvolvimento econômico com as metas globais de redução na emissão de gases, que contribuem para o efeito estufa.

Cuidado com as florestas: um longo trabalho para o Brasil

Se a categoria qualidade do ar fez com que o País subisse 31 posições no ranking, a categoria preservação de recursos florestais coloca o Brasil na 83º posição. Isso mostra que há ainda muito trabalho a ser feito nesta área, mobilizando poder público e iniciativa privada em ações voltadas à mitigação dos impactos ambientais e à preservação dos recursos florestais.

Na International Paper, as iniciativas voltadas à sustentabilidade incluem a preservação de um hectare de mata nativa para cada três hectares de florestas plantadas de eucalipto. Aliás, são as florestas plantadas que originam a madeira e o papel certificado pelo FSC e Cerflor, instituições independentes que avaliam a sustentabilidade do setor de papel e celulose.  Além disso, 95% da água utilizada na produção volta tratada ao meio ambiente. Este trabalho mostra a preocupação da empresa em reduzir ao máximo os impactos ambientais.

Fonte: http://epi.yale.edu/sites/default/files/2016EPI_Full_Report_opt.pdf

08-guardioes-das-aguas

Confira as Escolas vencedoras do Guardiões das Águas 2017

Projetos vencedores incluem construção de cisternas, plantio de mudas e passeatas informativas sobre o tema

08-guardioes-das-aguas

O prêmio “Guardiões das Águas” é uma iniciativa do Instituto International Paper, que propõe aos participantes criarem projetos pedagógicos relacionados ao uso racional dos recursos hídricos dentro e fora da escola.

Este ano, foi a vez da região de Luiz Antônio participar ativamente das ações, envolvendo educadores do Ensino Fundamental I e II, sendo que cada escola vencedora receberá até R$ 7 mil reais para tirar suas propostas do papel e já no próximo dia 14 de junho os vencedores serão recebidos na sede da fábrica da International Paper em Luiz Antônio para um café de confraternização e início da implantação dos projetos vencedores.

Confira abaixo quais são as Escolas Guardiãs das Águas de 2017 vencedoras de cada município:

ALTINÓPOLIS/SP

EMEF Professora Carmem Miguel Vicari

Responsável pelo projeto: Gilmara Alves Arantes do Nascimento (Coordenadora Pedagógica)

Principais iniciativas: Construção de cisterna para captação da água da chuva e conscientização dos participantes por meio de atividades pedagógicas realizadas na escola, como apresentações musicais, palestras, maquetes além da confecção de folders e cartazes pelos alunos.

GUATAPARÁ/SP

EMEF Andrea Sertori Sandrin

Responsável pelo projeto: Rita de Cássia Azevedo (Professora do Ensino Fundamental I)

Principais iniciativas: Troca de válvulas hídricas e torneiras para redução do consumo de água na escola, construção de um sistema de reaproveitamento de água do bebedouro para irrigação da horta escolas, divulgação de informações para comunidade por meio de passeata e a revitalização de áreas verdes na Avenida Jacarandás e plantio de mudas nativas no bairro Nossa Senhora Aparecida.

LUIZ ANTÔNIO/SP

EMEF Professora Helena Maria Luiz de Mello

Responsável pelo projeto: Margarete Carvalhaes de Jesus Janini (Professora do Ensino Fundamental II)

Principais iniciativas: Construção de cisterna para captação da água da chuva que será utilizada para regar uma horta comunitária já existente na escola. Além dessa ação a escola também propõe trabalhar o tema com os alunos ao longo do ano e fazer o reparo de alguns espaços públicos da escola.

SÃO SIMÃO/SP

EMEF Marcílio Bondesan

Responsável pelo projeto: Ana Paula Baldini Vieira de Souza (Assessora Pedagógica)

Principais iniciativas: Construção de cisterna para captação de água da chuva para ser implantada na escola e a demonstração para a comunidade de como construir uma mini cisterna doméstica. Também será feito a apresentação pelos alunos do texto “Carta do Futuro” e cada sala de aula desenvolverá um projeto relacionado ao tema para ser apresentado no final do ano.

shutterstock_410383780

Dia Mundial do Meio Ambiente é comemorado em 5 de junho

shutterstock_410383780

Em 1972, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano foi realizada em 5 de junho, em Estocolmo, Suécia. Na ocasião, a data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o “Dia Mundial do Meio Ambiente”, com o objetivo de promover a preservação ambiental em todo o mundo.

“A proteção e o melhoramento do meio ambiente humano é uma questão fundamental que afeta o bem-estar dos povos e o desenvolvimento econômico do mundo inteiro, um desejo urgente dos povos de todo o mundo e um dever de todos os governos.” Declaração de Estocolmo sobre o ambiente humano 1972

 Na mesma conferência, foi criado o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), que alerta povos e nações para o uso racional dos recursos naturais, dentro de uma proposta de desenvolvimento sustentável. A entidade tem sede em Nairóbi, no Quênia. No Brasil, a instituição tem um escritório em Brasília (DF) desde 2004 com o objetivo de atender as demandas locais, além de disseminar os temas relevantes da agenda global e regional.

Conheça as iniciativas do Instituto International Paper que estão relacionadas com o meio ambiente:

- Programa de Educação Ambiental (PEA): o objetivo é promover um diálogo aberto, com alunos e professores do Ensino Fundamental das comunidades onde a International Paper atua. Os assuntos abordados são: os mitos e verdades relacionados à produção de papel e celulose, à fauna e flora local, florestas plantadas, papel reciclado, entre outras questões.

- Formare IP: lançado no Instituto em 2010, o projeto oferece a jovens, preferencialmente em vulnerabilidade social, um curso de educação profissional, reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) e emitido pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Por nove meses, os alunos participam de aulas práticas e teóricas realizadas nas unidades da International Paper em Mogi Guaçu (SP), Luiz Antônio (SP) e Três Lagoas (MS). As disciplinas são ministradas por Educadores Voluntários (EVs) e os jovens contam com o apoio de 50 tutores da liderança da IP.

 - Guardiões das Águas: a iniciativa começou em 2008 na região de Luiz Antônio (SP) e, desde então, tem a missão de informar e conscientizar os participantes sobre o uso racional da água, além de incentivar práticas de conservação.

 - Apicultura Solidária: é realizado desde 2011 nas regiões dos municípios de Mogi Guaçu e Luiz Antônio, ambos em São Paulo. O objetivo é estimular o uso múltiplo das florestas de eucalipto plantadas pela International Paper, permitindo que apicultores locais instalem suas colmeias e caixas de captura necessárias para a produção do mel e, assim, tenham uma geração de renda com a venda do que é produzido.

- Natureza e Corpo: tem o objetivo de resgatar e despertar, em jovens alunos do município de Três Lagoas (MS), alguns costumes culturais da região, como o plantio de hortas comunitárias. Além de melhorar o acesso dos participantes e seus familiares a uma alimentação saudável e balanceada, os jovens alunos se tornam multiplicadores de conceitos de conservação ambiental e do desenvolvimento sustentável da própria comunidade local.

- Educação Socioambiental (ESA): a iniciativa, que este ano completa 42 anos, de existência na região de Mogi Guaçu,  propõeum concurso de redação para alunos do 5º e 9º ano do Ensino Fundamental e 3º ano do Ensino Médio, e um concurso literário entre professores dos municípios de Estiva Gerbi (SP), Mogi Mirim (SP) e Mogi Guaçu (SP).

- Projeto Parceiro Guardiões do Verde: realizada, desde 2008, no viveiro Semeando o Futuro, localizado no município de Guatapará (SP), a iniciativa capacita jovens de 14 a 17 anos em situação de vulnerabilidade social a exercerem a atividade de viveirista.

11-pea

Participe do Programa de Educação Ambiental (PEA)

Estão abertas as inscrições para o PEA em Luiz Antônio e Mogi Guaçu para o 2º semestre de 2017.

11-pea

O objetivo do Programa de Educação Ambiental é trabalhar alguns mitos sobre a produção de Papel e Celulose. A capacidade máxima é de 60 alunos por visitação e eles conhecem mais sobre a IP e participam de brincadeiras descontraídas com o intuito de ensiná-los a respeito da fauna e da flora.

No ano passado, as atividades abordaram o processo produtivo e as ações de preservação ambiental, envolvendo um total de 3.161 pessoas.

Nesse conjunto, o PEA visa a conscientizar a comunidade escolar sobre o plantio e a fabricação da celulose e do papel, trazendo uma reflexão sobre a sustentabilidade do processo produtivo. O papel produzido pela IP segue as mais rigorosas normas de certificação ambiental, que exigem o manejo sustentável das florestas plantadas a fim de preservar os hectares de mata ativa.

O programa que iniciou em 1993, busca complementar a educação ambiental dada nas escolas, sendo seu público-alvo professores e alunos dos ensinos Fundamental I e II.

As visitas acontecem semanalmente nas unidades nas seguintes unidades da International Paper:

Unidade Mogi Guaçu

Local: Horto Mogi (Rodovia SP 340, Km 171 – Mogi Guaçu/SP)

Dias da semana: todas as segundas e terças-feiras

Horários: das 8h às 12h ou das 13h às 17h.

Para agendar sua visita entre em contato com Tomás Fernandes ou Maitê Silva.
Telefones:  (19) 3861-8955 e (19) 3861-8311
E-mail: tomas.fernandes@ipaper.com e maite.silva@ipaper.com

 

Unidade Luiz Antônio

Local: Centro de Educação Ambiental (Rodovia SP 255, Km 41.2 – Estrada Ribeirão Preto-Araraquara)

Dias da semana: todas as quartas-feiras

Horários: das 8h às 11h ou das 13h às 16h.

Para agendar sua visita entre em contato com Júlia Valadares ou Sabrina Tenello.
Telefones: (16) 3986-9076 e (16) 3986-9076
E-mail: julia.valadares@ipaper.com e sabrina.tenello@ipaper.com

Relatório Instituto IP 2016-1_crop

Instituto IP divulga relatório de atividades

Programas coordenados pelo IIP beneficiaram mais de 28.500 pessoas em 2016

Relatório Instituto IP 2016-1

O Instituto International Paper divulgou, no final de abril, o relatório de atividades 2016. Ao todo, 28.574 pessoas foram beneficiadas pelos projetos realizados pelo IIP e seus parceiros em 14 cidades. Para se ter uma ideia, o número de impactados pelas ações é mais do que o dobro da população estimada do município de Luiz Antonio (SP), que conta hoje com cerca de 13.703 habitantes, de acordo com o IBGE.

O IIP em números – Ao longo de um ano, foram realizadas 24 ações nos 10 projetos coordenados pelo Instituto. Juntas, as iniciativas totalizaram R$ 1,2 milhão em investimentos na área de Responsabilidade Social Corporativa, mostrando o compromisso do IIP com o desenvolvimento socioeducacional de crianças e adolescentes. Confira alguns destes projetos:

PEA – O Programa de Educação Ambiental (PEA) tem como objetivo dialogar com professores e alunos do Ensino Fundamental para desmistificar questões relacionadas à sustentabilidade na produção de papel. Durante as visitas das escolas nas unidades, são abordados temas como a importância das florestas plantadas na preservação da fauna e da flora nativas, além das iniciativas em reciclagem e tratamento de efluentes feitas pela IP. Em 2016, o PEA beneficiou 3.161 pessoas, entre alunos e professores.

Formare – Desde 2010, o Projeto Escola Formare IP já preparou mais de 250 jovens para darem seus primeiros passos no mercado de trabalho. Todos os anos, 50 adolescentes, sendo 20 da cidade de Mogi Guaçu (SP), 20 de Luiz Antônio (SP) e região e 10 de Três Lagoas (MS), são selecionados para uma formação de 9 meses dentro das unidades da IP.

Além de acompanharem as aulas, ministradas por profissionais da IP, que atuam como Educadores Voluntários (EVs), estes jovens recebem orientações sobre estudos e carreira. Também aprendem sobre o setor de papel e celulose. No ano passado, 248 pessoas participaram das atividades do Formare.

Guardiões das Águas – Com o objetivo de despertar a reflexão sobre o uso consciente dos recursos hídricos, o projeto Guardiões das Águas existe desde 2008 e mobiliza alunos e professores do ensino básico, além de estender suas atividades para a comunidade. Em 2016, as ações aconteceram no município de Rio Verde (GO) e dividiram-se em três ondas: a primeira delas, “Linha D’Água”, incluiu uma palestra do navegador Amyr Klink a alunos da rede municipal de ensino e uma exposição fotográfica das expedições de Klink. Esta fase, impactou 4.047 pessoas.

A segunda onda, “Espaço Mundi” levou o espetáculo “Dr. Gota Contra o Desperdício” a comunidade, beneficiando 4.966 pessoas. A peça, montada em um cenário inflável em forma de meio globo terrestre aborda situações relacionadas ao desperdício de água.

Para encerrar as atividades, na terceira onda, o IIP premiou os melhores projetos para redução do consumo de água propostos pelas escolas. No total, as três ondas de implantação do Guardiões das Águas impactaram 10.225 membros da comunidade escolar de Rio Verde.

Apicultura Solidária – Em 2016, a produção de mel nas florestas plantadas de Mogi Guaçu e Luiz Antônio chegou a 15 toneladas, quase o dobro do que foi produzido em 2015 (8,4 toneladas). No ano passado, o IIP contratou uma consultoria para orientar os apicultores clandestinos a atuarem dentro das normas de segurança, convidando-os para fazer parte do projeto.

Natureza e Corpo – O projeto desenvolvido no município de Três Lagoas levou a horta comunitária a 300 alunos com idade de 12 a 16 anos de idade. Eles tiveram a oportunidade de visitar um assentamento rural, antes de começarem o plantio de verduras e legumes nos canteiros escolares.

ESA – Os Concursos de Redação e Literário do Projeto Educação Sociombiental, ESA, envolveram 449 pessoas entre alunos e professores dos últimos anos do Ensino Fundamental (5º e 9º) e do Ensino Médio. Com base no tema da ONU “2016, ano internacional das leguminosas”, os participantes tiveram que dissertar sobre alimentação saudável. Antes do concurso, porém, os professores participaram de workshops para levarem a temática para o debate em sala de aula.

Cidade do Livro – O programa de incentivo à leitura do IIP beneficiou 12.974 pessoas em 2016 e encerrou um ciclo de sete anos, após a passagem pelos municípios de Mogi Guaçu (SP), Três Lagoas (MS), Ribeirão Preto (SP), Suzano (SP), Paulínia (SP), Franco da Rocha (SP), Itapeva (SP), Rio Verde (GO) e Manaus (AM).

Leia na íntegra o relatório de Atividades do IIP.

‘Mire-se no Exemplo’: A troca de experiências transformando a vida de alunos e tutores

TRÊS LAGOS_MAURO

Nos dias 6 de abril em Três Lagoas, 10 em Mogi Guaçu e 26 em Luiz Antonio, iniciaram-se as atividades do “Mire-se no Exemplo”. O programa do Instituto IP vinculado ao projeto Formare, visa à integração de alunos e líderes da empresa. Os profissionais são responsáveis em tutorar um aluno, que participa da iniciativa, durante dez meses por meio de encontros mensais.

Os voluntários do projeto são líderes da IP. Eles dão dicas, conselhos e contam sobre sua trajetória profissional aos tutorados, com o intuito de orientá-los na decisão da sua futura profissão. O projeto estimula os jovens alunos a buscarem respostas para seu futuro profissional e ajudá-los também a superar inseguranças da vida pessoal.

Mauro Borges é Educador Voluntário do Formare de Três Lagoas há sete anos. Em 2015, recebeu uma homenagem dos alunos, com a qual ficou bastante emocionado. “Para mim, foi muito gratificante, embora a minha alegria seja ainda mais especial quando encontro um ex-formare formado e que já se encontra no mercado de trabalho”, diz.

O Formare foi lançado na International Paper em 2010 e o “Mire-se no Exemplo” é um dos programas paralelos mais importantes do projeto. Nos encontros, o tutorado inspira-se em bons exemplos, que ajudam em seu desenvolvimento. Os líderes desempenham um papel social extremamente relevante e também aprendem com os alunos.

Mãos à obra – Durante as dinâmicas das três localidades, a equipe de Responsabilidade Social da International Paper realiza uma apresentação sobre o programa e a importância desses acompanhamentos individualizados na vida dos tutorados. Os alunos também fazem um breve relato de quem são e suas particularidades para os tutores.

Na unidade de Mogi Guaçu, os alunos presenciaram uma situação diferente dos anos anteriores. Neste ano, descobriram que seriam responsáveis pela escolha dos tutores, da qual ficaram bastante surpresos e animados.

Em Três Lagoas, dois Educadores Voluntários foram convidados para participar do projeto e, junto com outros líderes, realizaram a escolha dos tutorados mediante o perfil de cada aluno. Já em Luiz Antônio, a novidade é que de 19 líderes convidados, 42% estão participando do programa pela primeira vez. Um trabalho muito significativo para todos os profissionais da IP.

TRÊS LAGOAS_VIVIANELíderes motivados a engajar jovens – No seu terceiro ano como voluntária, a gerente de RH de Três Lagoas, Viviane Gonçalves, conta que é sempre uma experiência desafiadora e gratificante. “Lidamos com realidades que nos fazem retomar o valor da simplicidade e isso tudo são eles que transparecem para nós”, comenta.

Para a líder, o programa é puro desenvolvimento e todos os tutores são surpreendidos pelos alunos, que estão sempre buscando por mudanças e conquistas. “Como gestora de pessoas, tenho uma responsabilidade em ajudar todos a serem melhores a cada dia e os alunos do Formare são a prova viva de que essa evolução é possível”.

Também voluntário, há seis anos, Péricles Cardoso conta que é um privilégio participar do programa. “Sou um agente de transformação na vida desses alunos. É a sensação de dever cumprido em fazer diferença na vida dos tutorados. Aprendi muito com eles e pude repassar isso na educação da minha filha”, afirma o tutor. O líder ainda acrescenta sobre o ótimo suporte das equipes de Responsabilidade Social e do Instituto. “Junto com os tutores e voluntários, todos trabalham para que os tutorados sejam os próximos agentes de mudança e protagonistas de seus destinos”, completa.

O projeto Escola Fomare já capacitou cerca de 230 alunos nas três unidades. Os encontros dos tutores e tutorados é um reforço no aprendizado e contribuiu no potencial desses jovens, que descobrem infinitas possibilidades para seus futuros.

shutterstock_130286066

A busca por respostas para a crescente escassez de água

Cachoeira do Fundao_ Serra Canastra_MGEm artigo publicado no site das Nações Unidas do Brasil, José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), destaca a crescente escassez da água e ações que devem ser levadas em conta com base em dimensões globais. “Não se pode evitar uma seca, mas pode-se impedir que a seca se transforme em fome”, ressalta.

Segundo Graziano, o aumento da água não resolverá a crise global. Ele menciona, que a partir de agora, obter resultados para o crescimento, devem ser realizados em três dimensões: econômico, social e ambiental. Dessa forma, seria possível enfrentar fatores que encadeiam problemas estruturais pelo mundo todo, entre os quais a falta de saneamento básico e de recursos naturais.

A crise hídrica seria apenas um fator de risco entre tantos outros países como Sudão do Sul, onde 40% da população vive em situação de desnutrição e calamidade pública. Embora a nação seja rica em petróleo, há 5 milhões de pessoas vivendo em estado de insegurança alimentar. Em países como esse, quando desastres climáticos acontecem, podem ocorrer guerras regionais devido à extrema pobreza.

A crise hídrica e projetos em ação – A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que, atualmente, cerca de 663 milhões de pessoas no mundo vivem sem acesso à água potável, um recurso de extrema importância para agricultores, responsáveis pela grande parcela das 800 milhões de pessoas em rotina de fome. A agricultura é um elemento fundamental, mas consome 70% da água doce no mundo. Por isso, é preciso articular ações que diminuam essa utilização, afirma o diretor-geral em seu artigo.

Promovendo ações de conscientização – No Brasil, por exemplo, há milhares de famílias pobres que vivem em áreas secas e usufruem de cisternas para armazenar água de chuva. Desde 2003, o Programa Cisternas do Governo Federal já entregou cerca de 1,2 milhão de cisternas, com capacidade total de armazenamento de 20 bilhões de litros. O custo de instalação é de R$ 3 mil e, para cada família, garante o abastecimento de até cinco pessoas, por oito meses. Programas educativos e voltados para a reutilização e preservação de água são medidas fundamentais, como o uso responsável da água na agricultura, citado por Graziano.

A economia e a reflexão sobre a utilização consciente de recursos hídricos são pautas trabalhadas no projeto Guardiões das Águas do Instituto International Paper (IIP). Além de abordarem questões quanto ao uso racional da água, a instituição desenvolve outros projetos como o Natureza e Corpo, que visam conscientizar sobre a qualidade de vida e hábitos saudáveis por meio da implantação de hortas comunitárias. Ambos os projetos do IIP são políticas públicas, que trabalham com temas da atualidade e de integração, para conscientizar e repercutir temas em torno do consumo consciente de recursos hídricos e naturais do planeta.

Fonte: ONUBR

_DSC3312

Natureza e Corpo entra em nova fase e incrementa produção

Projeto iniciou o plantio de verduras e legumes em escolas de Três Lagoas em 2016 e pretende ampliar a produtividade este ano.

Alunos da Escola Municipal Joaquim Marques de Souza

Despertar para consciência ambiental, dentro do conceito de sustentabilidade alimentar e alimentação saudável são alguns dos objetivos do Projeto Natureza e Corpo, coordenado pelo Instituto International Paper no município de Três Lagoas (MS).

Desde o ano passado, as escolas Joaquim Marques de Souza e Parque São Carlos trabalham com o cultivo de verduras e legumes, em hortas coletivas instaladas nas dependências das instituições de ensino. Em 2017, o projeto dá mais um passo para melhorar a produção das hortas. Futuramente, a intenção é pensar na distribuição dos alimentos cultivados para a comunidade local ou, até mesmo, para outras instituições de ensino.

Para que o projeto ganhe essa dimensão, será necessário maior envolvimento de alunos e professores na gestão e na manutenção dos canteiros, que também são utilizados em conteúdos transdisciplinares nas aulas do currículo regular.  Isso significa que as hortas vão além das aulas de biologia e entram para os problemas de matemática em cálculos de área, pesos e medidas, por exemplo.

Da cultura popular à horta coletiva – O Natureza e Corpo existe desde 2013, com o intuito de difundir os costumes da região sul-matogrossense. Por meio da construção de hortas com ervas aromáticas, o Projeto resgatava hábitos das gerações passadas, com uso de chás e infusões de plantas com propriedades “terapêuticas”.

Em 2016, o projeto avançou e iniciou o cultivo de verduras e legumes (foto). Para conhecer o processo produtivo, os alunos visitaram um assentamento. No local, puderam conhecer, na prática, como funciona a base da agricultura familiar de subsistência.

Este ano, a ideia é dar continuidade ao cultivo de alimentos, ampliando as possibilidades dentro das hortas em cada escola, além de aproveitar a colheita, que deve render bons frutos.

shutterstock_338383619

Abril: mês da literatura infantil

shutterstock_338383619

O mês de abril celebra a literatura infantil ao homenagear os autores Hans Christian Andersen e Monteiro Lobato. Em diferentes épocas e localidades, estes escritores deixaram uma herança cultural que resiste ao tempo e atravessa gerações, abrindo as portas do mundo dos livros para milhares de crianças.

Além de exaltar a importância dos autores, as duas datas também promovem iniciativas para o estimulo à leitura por crianças e adolescentes.

Dia Internacional do Livro Infantil: 2 de abril

shutterstock_313165946

Criado em 1967 pelo International Board on Books for Young People (IBBY), o “Dia Internacional do Livro Infantil” homenageia o nascimento do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen. Ele se tornou famoso pelas adaptações de fábulas e histórias conhecidas em todo o mundo, como “O Patinho Feio”, “A Pequena Sereia”, “A Roupa Nova do Imperador” e “A Rainha da Neve”, que inspirou o filme “Frozen”, da Disney.

A cada ano, é escolhido um país membro do IBBY para representar a data, um autor local, que escreve uma mensagem de incentivo à leitura pelas crianças, e um ilustrador, responsável pela criação de um cartaz para divulgar a celebração e promover a leitura infantil em todo o mundo.

Em 2017, o “Dia Internacional do Livro Infantil” completou seu 50º aniversário, tendo a Rússia como representante e o escritor Sergey Makhotin como porta-voz. Em sua mensagem, ele rememora a infância, a alegria de segurar um livro com uma das mãos e de sentir o cheirinho de livro novo ao folhear as páginas.

Dia Nacional do Livro Infantil: 18 de abril

Cultural_1885.qxd

Criado em 2002, a partir da lei nº 10.402, o “Dia Nacional do Livro Infantil” homenageia o nascimento de Monteiro Lobato, pai de Narizinho, de Pedrinho e de toda a turma do Sítio do Pica-pau Amarelo.  Apesar de também ter escrito obras para adultos, ele costuma ser mais lembrado pela literatura infanto-juvenil, em que resgatou elementos da cultura caipira e personagens do folclore brasileiro.

Lobato também é considerado um dos pioneiros dos paradidáticos, livros que complementam a aprendizagem, unindo de maneira lúdica, conceitos de diferentes áreas do conhecimento às narrativas literárias.  Títulos como “Aritmética da Emília”, “Emília no país da Gramática” e “Serões de Dona Benta” são alguns exemplos de seu legado para a educação infantil.

Além de escrever, Lobato traduziu e adaptou diversas obras para o português, como “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll e uma compilação de contos de Hans Christian Andersen, entre outros títulos. Sua famosa frase “Um país se faz com homens e livros”, mostra sua preocupação com a educação e a cultura nacional.

O IIP e o incentivo à leitura 

DSC_6265

Contribuir para a educação socioambiental de crianças e jovens é uma das missões do Instituto International Paper. O Cidade do Livro Itinerante é um dos projetos porta-vozes dessa causa, unindo teatro e contação de histórias, busca estimular o hábito da leitura desde cedo e já atendeu mais de 50 mil crianças em nove municípios brasileiros nos últimos sete anos.

01

“Dia Mundial da Água” completa 25 anos

Instituída pela ONU em 1992, a data alerta para a reflexão sobre o uso racional dos recursos hídricos.

01Há 25 anos, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu 22 de março como o “Dia Mundial da Água”. A ação é um chamado às autoridades governamentais e à população sobre a utilização deste recurso vital para a sobrevivência no planeta.

Na ocasião, a ONU também divulgou a Declaração Universal dos Direitos da Água. O documento destaca, em dez itens, o valor do patrimônio hídrico e da preservação ambiental para a vida, além de lembrar a finitude dos recursos naturais, que é agravada pelo comportamento predatório do Homem.

Declaração Universal dos Direitos da Água

-A água faz parte do patrimônio do planeta;
2-A água é a seiva do nosso planeta;
3- Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados;
4- O equilíbrio e o futuro de nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos;
5- A água não é somente herança de nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores;

6- A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo;
7- A água não deve ser desperdiçada nem poluída, nem envenenada;
8- A utilização da água implica respeito à lei;
9- A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social;
10- O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.

Embora o planeta Terra tenha 2/3 de sua superfície coberta por água, menos de 1% é apropriado para o consumo humano. Soma-se a isso a insuficiência na distribuição e no tratamento para abastecer toda a população mundial. De acordo com informações das Nações Unidas, mais de 80% do esgoto produzido por seres humanos volta à natureza sem qualquer tipo de tratamento. A perspectiva é que a demanda de água potável aumente em 50% até o ano de 2030.

Diante de um cenário como este, a participação de todos é fundamental. A consciência ambiental pode ser disseminada em todos os setores da sociedade, por exemplo, por meio de ações sustentáveis, que aproveitem a água em seu máximo potencial.

O papel da indústria

Além da mudança de hábito por parte da população, o “Dia Mundial da Água” reforça a importância da adoção de boas práticas nas indústrias para a produção sustentável. De acordo com o “Relatório sobre o desenvolvimento mundial da Água” da ONU, o ano de 2017 terá a temática da “Água Residual”. Com isso, as soluções e aplicações para a água de reuso, imprópria para consumo, mas fundamental nos processos produtivos e nas operações fabris ganham mais destaque no debate sobre o consumo consciente.

Na IP, 95% da água utilizada no processo de fabricação de papel volta tratada à natureza ou é reutilizada. A empresa tem um compromisso não só com a produção sustentável, mas também entende sua função social de contribuir para a educação socioambiental de crianças e jovens por meio dos Projetos do Instituto International Paper.

guardioesdasaguas

Participe do Prêmio Guardiões das Águas 2017

guardioesdasaguasEste ano, atividades acontecem na região de Luiz Antônio (SP)

 Após a passagem por Rio Verde (GO) em 2016, a próxima edição do projeto Guardiões das Águas será realizada no interior do Estado de São Paulo, abrangendo as escolas municipais de Ensino Fundamental dos municípios de Luiz Antônio, Guatapará, São Simão e Altinópolis. A equipe do Instituto International Paper (IIP) responsável pela iniciativa já concluiu as etapas de divulgação e agora as Escolas devem se preparar para submeter seus projetos no edital.

O Guardiões das Águas acontece em etapas, ao longo de todo o ano letivo e propõe à comunidade escolar a reflexão sobre o uso consciente dos recursos hídricos. Mais do que discutir a teoria, os alunos e seus professores são estimulados a desenvolver propostas de economia de água, que possam ser colocadas em prática. As instituições de ensino vencedoras ganharão um prêmio de R$ 7 mil cada para tirar suas ideias do papel e transformá-las em benfeitorias para todos.

As escolas participantes deverão preencher o formulário de inscrição e encaminhar por e-mail para sabrina.tenello@ipaper.com até o dia 28/04.

Abaixo os links com os materiais do edital:

1 – Edital de Abertura

2 –Formulário de Inscrição

3 – Dúvidas e Perguntas Frequentes (FAQ)

4 – Roteiro para preenchimento da ficha de inscrição

Em caso de dúvidas, entre em contato:

Sabrina Tenello: (16) 3986-9073 / sabrina.tenello@ipaper.com
Julia Valadares: (16) 3986-9076 / julia.valadares@ipaper.com

01_APICULTURA-baixa

Instituto convida apicultores clandestinos para projeto

Cultivo de mel fora das normas põe em risco a segurança nas florestas plantadas

01_APICULTURA-baixa

O Instituto International Paper iniciou, recentemente, um mapeamento de suas áreas florestais. Esse levantamento identifica a atuação de apicultores que atuam clandestinamente nas florestas plantadas ou nas Áreas de Proteção Permanente (APP), mantidas pela IP.

O intuito, além de levantar o número de pessoas que trabalham fora das regras estipuladas pelo Apicultura Solidária, é convidá-las para participar do projeto. Desta forma, estabelecem um diálogo para a partilha do conhecimento sobre o cultivo do mel.

A apicultura é uma atividade de baixo impacto ambiental por depender da natureza e do tempo de florada das espécies. Mas o trabalho clandestino não obedece às normas de segurança, que são essenciais em todas as atividades das áreas da International Paper.

“O que pretendemos é chamar essas pessoas para que façam parte do Apicultura Solidária. A segurança para a IP é um valor e a atividade irregular põe em risco a saúde das pessoas e a manutenção das áreas nativas, que preservamos”, conta Gabriel Lima, analista de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da IP.

Os cooperados que fazem parte do Apicultura Solidária, projeto mantido pela empresa há sete anos, trabalham amparados pelas normas de segurança estipuladas pela IP, dentro da legislação vigente. Com isso, todos ganham! Não só na produção e na qualidade do mel, mas também em conhecimento técnico ao compartilhar experiências com os demais apicultores.

 

 

novo

Formare 2017 recebe mais de 170 inscrições de Educadores Voluntários

Projeto coordenado pelo Instituto International Paper envolve profissionais da IP na capacitação de jovens para o mercado de trabalho.

BAT5766

Encerradas em 17 de fevereiro, as inscrições para Educador Voluntário (EV) na próxima turma do Formare foram um sucesso. 174 profissionais decidiram compartilhar seus conhecimentos com os alunos selecionados para a edição 2017 da ação nas unidades de Mogi Guaçu (SP), Luiz Antonio (SP) e Três Lagoas (MS).

A expressiva adesão ao projeto mostra o compromisso da International Paper com o voluntariado. Por meio das iniciativas do Instituto IP, a empresa já beneficiou mais de 28 mil pessoas no ano passado.

Formare 2017 – as aulas nas três unidades do Projeto Escola Formare começaram no dia 7 de março e já estão a todo vapor. Este ano, serão oferecidas mais de 20 disciplinas, abrangendo áreas de conhecimento geral, como física, química, língua inglesa e matemática. Estão na grade curricular também, disciplinas ligadas ao processo de fabricação de papel e celulose, ministradas por profissionais das áreas técnicas, que vivem o dia a dia dos processos na indústria.

A Técnica de Qualidade e Processos de Três Lagoas, Paula Rocha, acredita que o trabalho como EV ensina tanto os alunos como também os próprios profissionais, que aprendem um pouco mais sobre a dinâmica de sala de aula e no próprio convívio com os estudantes. “Sempre surge uma pergunta nova, um questionamento e isso me instiga a aprender mais, para levar respostas para eles. Afinal, todos nós somos eternos aprendizes. ”, declara a profissional que está na IP há nove anos e será responsável pela disciplina de inglês.

O Formare já capacitou cerca de 350 jovens, desde sua implantação na IP no ano de 2010. Além das aulas com os Educadores Voluntários, os alunos recebem o acompanhamento de líderes da International Paper, que atuam como tutores, na orientação e no aconselhamento para questões relacionadas a estudos e carreira.

 

 

baled at source 2

Logística reversa: uma aliada da sustentabilidade

baled at source ip

Desde 2015, o Brasil tem um Acordo Setorial firmado entre o poder público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes, para a implantação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto. Nele, empresas privadas se comprometeram em reduzir em 22% a quantidade de embalagens destinadas a aterros até o fim deste ano.

Este grupo de organizações, que é ligado ao “Compromisso Empresarial para Reciclagem” (CEMPRE), conta com o processo de logística reversa para cumprir essa meta. Desta forma, ao mesmo tempo em que estimula o trabalho de cooperativas, a inciativa colabora com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, implementada na forma de lei pelo Governo Federal em 2010.

Em fevereiro deste ano, o relatório com os primeiros resultados do Acordo Setorial de Embalagens revelou que o sistema de logística reversa chega a mais de 50% da população, por meio de ações realizadas em 422 municípios em 25 estados brasileiros. Elaborado pelo grupo “Coalizão Embalagens”, que reúne 28 associações empresariais, os dados mostram que isso só foi possível graças a ampliação da capacidade produtiva das cooperativas.

Na International Paper – A redução de resíduos é uma preocupação constante na IP. Uma das alternativas implantadas pela empresa, desde 2013, é o projeto Baled at Source, ou B@S. Ele consiste na compra de aparas (fardos de papelão ondulado) diretamente de supermercados, hospitais e indústrias.

A IP estabelece uma parceria com estas grandes empresas e oferece os recursos necessários, como transporte e prensa enfardadeira, para que as embalagens retornem e possam ser recicladas.  As aparas são utilizadas na fabricação de novas caixas de papelão e, ao comprar diretamente da fonte, ganha-se na relação custo-benefício e no produto final, que é de mais qualidade por conta da matéria-prima.

shutterstock_347798567

Plataforma on-line permite troca de conhecimento entre escolas de todo o País

shutterstock_347798567Compartilhar nunca esteve tão em alta. É o caso da Edukatu, uma rede que promete aproximar alunos e professores do Ensino Fundamental para o compartilhamento de projetos voltados para o consumo consciente e o uso racional dos recursos naturais. Graças a uma parceria com a Secretaria de Estado da Educação, Sabesp e o Instituto Akatu, 42 projetos, que envolvem diferentes estratégias para economia de água, estão em andamento.

Para participar, basta fazer um cadastro gratuito no site edukatu.org.br. A plataforma oferece diversas atividades para instrumentalizar os educadores para a abordagem do tema da sustentabilidade ambiental em sala de aula, além de viabilizar a troca de boas práticas. A iniciativa já conta com a participação de mais de 300 escolas de 64 municípios paulistas, 1.606 professores inscritos e 1.694 alunos.

Economia de Água: uma preocupação antiga do IIP

Uma das causas apoiadas pelo Instituto International Paper (IIP) é a educação socioambiental de crianças e adolescentes. E o uso consciente dos recursos naturais é um tema trabalhado há oito anos pelo projeto Guardiões das Águas, que anualmente mobiliza escolas públicas próximas de unidades da IP para a elaboração de projetos focados na redução do consumo no ambiente escolar.

A cada ano, uma região é escolhida e, em 2017 será a vez dos alunos e professores dos municípios de Luiz Antônio, Guatapará, Altinópolis e São Simão, no interior de São Paulo, a colocarem suas ideias em prática, contribuindo assim para a preservação desse recurso tão valioso para nossa sociedade.

25-10-06_0906

Apicultura Solidária estuda cultivo de mel em mata nativa

Instituto avalia a possibilidade de estender a produção sustentável em áreas protegidas pela International Paper

25-10-06_0908

O Apicultura Solidária, projeto coordenado pelo Instituto International Paper (IIP), prepara-se para ganhar novos horizontes. Além do cultivo de mel nas florestas plantadas, este ano, os profissionais da área florestal, ao lado dos apicultores cooperados, estudam a viabilidade de estender a instalação das caixas-iscas para o cultivo de mel nas áreas de Reservas Legais (RL), mantidas pela International Paper (IP).

A intenção é implantar o projeto ainda em 2017, caso os estudos mostrem a viabilidade da extensão dos apiários, dentro dos padrões de segurança e sustentabilidade requeridos pelas RL, como já ocorre nas florestas plantadas de eucalipto.

Baixo impacto ambiental – A apicultura é considerada uma atividade agrícola sustentável, pois depende da natureza para existir e, ao contrário de outras culturas, não causa grandes alterações no ambiente, aproveitando-se da flora existente em cada localidade e dos momentos de florada de cada espécie.

Com a autorização para cultivo nas áreas de Reserva Legal, produção ganhará mais espaço e diversidade para a polinização das mais variadas espécies. Atualmente, a International Paper mantém aproximadamente 26 mil hectares de florestas nativas.

O PROJETO - Desde 2011, o Apicultura Solidária contribui para a manutenção das atividades da Cooperativa de Apicultores da Região de Ribeirão Preto (Cooperapis) e da Associação de Apicultores de Leme e Região (AAPILEME), que utiliza as florestas de eucalipto da IP para a produção de mel. Grande parte dos cooperados e associados vivem exclusivamente da prática apícola enquanto outros ganham uma renda extra com a atividade.

prevent
Formare_mg_leandra_iip2

Papo Formare: unindo experiência e juventude em um aprendizado mútuo

Abrir um diálogo leve e descontraído sobre carreira e objetivos profissionais: este é o principal objetivo do Papo Formare, que aproximou os 39 jovens do Projeto Escola Formare IP de executivos da International Paper (IP), nas unidades de Mogi Guaçu e Luiz Antônio, ao longo das quase 70 edições dos encontros que ocorreram 2016. Confira uma retrospectiva dos bate-papos, com algumas das lições e dos ensinamentos transmitidos ao longo do ano.

eidio_frias_solenis_formare2Para começar bem o ano – Em fevereiro, quem abriu o ciclo de conversas com os alunos foi o executivo de Marketing da Solenis, Elídio Frias. Parceiro de longa data do IIP e do Projeto Formare, Elídio compartilhou experiências pessoais e profissionais, mostrando a importância de manter os pés no chão e estabelecer metas realistas. “Sempre procuro mostrar que todos têm potencial, mas é preciso conhecer a si mesmo, pois se você tem medo de ver sangue, tem que reconsiderar a ideia de se tornar médico”, disse ele aos alunos.

 

Formare_mg_leandra_iip2

Estudar sempre – Em março, a presidente do Instituto International Paper (IIP) e diretora Jurídica da IP, Leandra Ferreira Leite, falou aos alunos que para o sucesso na carreira é fundamental estar bem preparado para os desafios do caminho. “Os estudos podem ser um diferencial e isso é muito importante, mas também faço questão de dizer aos alunos que é preciso acreditar em um futuro melhor para alcançar os sonhos. E nunca desistir deles”, ressaltou.

“É muito gratificante poder contribuir para o crescimento desses futuros profissionais”

Experiência que transforma – O gerente-geral da unidade Mogi Guaçu, César Assin, foi um dos tutores da turma de 2016. Há 27 anos na IP, ele contou que, mesmo com toda a experiência como gestor, é possível aprender sempre mais. Também aproveitou para compartilhar sua vivência profissional. “É muito gratificante poder contribuir para o crescimento desses futuros profissionais e ver que a mudança acontece para todos nós (tutores, educadores voluntários e coordenação), além da vontade de vê-los vencer.”

 

eduardo fonseca 0012Sabor da conquista – No segundo semestre, o gerente de Assuntos Corporativos, Eduardo Fonseca, falou aos alunos sobre perseverança e persistência para que as coisas aconteçam.  “Nada vem fácil na vida, mas o prazer das conquistas é enorme, justamente por batalharmos por elas”, disse. Ele reforçou a importância do aprendizado que os alunos constroem na interação uns com os outros e também com os profissionais da IP. Este foi caso do gerente de Operações Industriais, Eurípedes Valadão “ Nesta vida, o que sempre se leva são as experiências”, salientou.

Newton_Scavone

“Conhece-te a ti mesmo” – Assim como Elídio Frias frisou no início do ano aos alunos, o gerente de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente Newton Scavone, retomou a importância do autoconhecimento para as boas escolhas na vida, já na fase final do ciclo de 10 meses do Formare. Durante o encontro com os alunos, ele retomou o clássico aforismo grego atribuído a Sócrates: “Conhece-te a ti mesmo”, para falar de futuro. “Nós só podemos traçar um plano de reforma íntima, quando nos conhecemos e queremos melhorar”, disse ele.

05-formare1

Formare 2017: Confira os aprovados para entrevista em Luiz Antônio

05-formareRESULTADO DO PROCESSO SELETIVO – LUIZ ANTONIO

APROVADOS PARA ENTREVISTA

 Confira abaixo os candidatos aprovados para a próxima fase do processo seletivo do Formare International Paper – unidade Luiz Antônio/SP

Os candidatos aprovados farão um tour monitorado pelo processo de produção de celulose e na sequência serão submetidos às entrevistas pessoais.

Vestimenta obrigatória para visitar a fábrica:

  • calçado fechado sem salto;
  • camisa/camiseta;
  • calça jeans.

Não é  permitido o uso de sapatos com salto, sapatilhas, chinelos, sandálias de dedo ou tiras, camisetas regata, blusas de alcinha ou transparente, saias, vestidos, shorts ou bermudas.

Os candidatos deverão dirigir-se à entrada da Portaria 1 (Estacionamento) da International Paper.

TURMA 1: Candidatos convocados para participar no dia 02/12 (sexta-feira) às 8h.

1 Alex Gonçalves dos santo
2 Állan Gabriel dos Santos Bortolozzo
3 Allan Kennedy Alves
4 Ana Beatriz Ferreira
5 Ana Carla da Costa
6 Beatriz Ramos Gaspar
7 Caio Vinicius Tavares Costa Claro
8 Carolina Barcellos Coimbra
9 Celso Aparecido Silva Junior
10 Crisele Aparecida dos Santos Costa
11 Daiane Dos Santos Azevedo
12 Daniely Cristina Graciute Araújo
13 Gabriel Ribeiro Junqueira
14 Gabriela Pires Melo da Silva
15 Geani da Silva Dos Santos
16 Isabella Damasceno da Cruz
17 Isabelle Santos Gonçalves
18 Jenifer Cristina Justino Oliveira
19 Jéssica Caroline Balsan
20 Jéssica Mara de Jesus Oliveira
21 João Victor Lima Galiane
22 João Vitor Beluti da Silva
23 José Henrique dos Santos Belchior

 

TURMA 2: Candidatos convocados para participar no dia 02/12 (sexta-feira) às 13h.

1 Jose Mauro Querido Correia
2 Julia da Silva Souza
3 Juliana Teixeira Pimenta
4 Karen Maria Garcia
5 Kenedy da Silva Camargo
6 Letícia Beatriz Moreira
7 Luana Gabriele De Figueiredo
8 Luiz Felipe Souza schimidt
9 Luiz Henrique Gomes Pauferro
10 Marcelo Junior Meira Alves
11 Maria Vitoria Januario
12 Mileny Hatsue Nomura
13 Othon Omar Balthazar
14 Pâmela Priscila Baldissarelli Bibiano
15 Paulo Henrique Oliveira da Silva Santos
16 Pérola Nicole Gonçalves
17 Rafaela Gonçalves Duarte
18 Raila da Silva Santos
19 Rita de Cássia Ribeiro
20 Rodrigo Augusto Moreira
21 Suellen Santana Guedes
22 Verônica Bernardes Souza
23 Vitoria Natalia Ignacio Gonçalves

 A empresa ofertará transporte gratuito aos candidatos, confira o trajeto e os pontos de embarque abaixo:

 SELECIONADOS NO PERÍODO DA MANHÃ

 Trajeto: Santa Rosa de Viterbo – São Simão – Luiz Antônio – Fábrica IP (ônibus Transanti)      

Parada 1 – Santa Rosa de Viterbo:
Local: EE Conde Francisco Matarazzo
Horário de embarque: 6h

Local: EE Salustiano Lemos
Horário de embarque: 6h05

Parada 2 – São Simão
Local: EE Agenor Medeiros
Horário: 6h40

Local: EE Capitão Virgílio Garcia
Horário: 6h55

Parada 3 – Luiz Antônio
Local: Rodoviária Municipal
Horário: 7h15

Trajeto: Guatapará – Fábrica IP (Táxi Coopcar)

Local: EE Gavino Virdes
Horário: 7h20

Local: Ponto de ônibus Mombuca
Horário: 7h30

SELECIONADOS NO PERÍODO DA TARDE

 Trajeto: Santa Rosa de Viterbo – São Simão – Luiz Antônio – Fábrica IP (ônibus Transanti)      

Parada 1 – Santa Rosa de Viterbo:
Local: EE Conde Francisco Matarazzo
Horário de embarque: 11h

Local: EE Salustiano Lemos
Horário de embarque: 11h05

Parada 2 – São Simão
Local: EE Agenor Medeiros
Horário: 11h40

Local: EE Capitão Virgílio Garcia
Horário: 11h55

Parada 3 – Luiz Antônio
Local: Rodoviária Municipal
Horário: 12h15

Trajeto: Guatapará – Fábrica IP (táxi Coopcar)

Local: EE Gavino Virdes
Horário: 12h20

Local: Ponto de ônibus Mombuca
Horário: 12h30

IMG-20161110-WA0050

Alunos do Formare desenvolvem foguete de garrafa PET

IMG-20161118-WA0031O Projeto Escola Formare do Instituto International Paper realizou, de fevereiro a outubro deste ano, atividades multidisciplinares orientadas pelo educador voluntário Joselir Cassuti, que consistia na montagem de um foguete com garrafas PET.

A iniciativa apresentada pelo educador, que trabalha há 22 na International Paper, envolvia todas as disciplinas. Mas foi em suas aulas de Química, que Joselir falou a respeito do projeto para os alunos, dividindo-os em grupos de quatro a cinco integrantes para produzirem o foguete.

O professor propôs o desafio quando entregou duas garrafas PET para os alunos. “Ao receberem o material, ficaram confusos. Mas quando começamos a recortar as garrafas e as peças surgiram, eles ficaram impressionados e empolgados com a ideia”, comenta o educador.

Os alunos desenharam individualmente as peças e depois entenderam mais sobre a base do foguete e suas funções, levando em conta que não poderia ser pesado por causa do voo. “Aprender sobre todo o processo foi fundamental para a estabilidade do objeto”, explica o professor.

Após concluírem o projeto, os alunos tiveram uma semana de apresentação. Uma bancada foi montada em frente à saída do restaurante da IP de Luiz Antônio e ali receberam perguntas dos profissionais da fábrica. “Os alunos foram questionados sobre temas que envolviam Química, segurança e processo de criação do foguete”, afirma Joselir.

Lançamento de Foguete – No dia 18 de novembro, os alunos participaram de uma competição no gramado da fábrica e ficaram muito impressionados com a estrutura montada para a realização da atividade.

Bandeirinhas no chão demarcavam a distância de dez metros para indicar o espaço que os foguetes atingiriam, o que fosse mais longe receberia a maior nota. Houve empate do primeiro lugar entre os foguetes Quimicopet Turbo F6 e Newton nas Estrelas.

Além da prova de lançamento de foguete, a competição incluía a categoria de nome mais criativo. Quatro foguetes concorriam: Blue Bird, Ácmon, Quimicopet Turbo F6 e Newton nas Estrelas, que recebeu o maior número de votos dos profissionais da fábrica.

“Todo esse projeto foi um desafio para os alunos. Eles não realizaram somente a produção do foguete, mas também as apresentações e avaliações. Fiquei impressionado com o empenho que tiveram ao longo do curso. É incrível ver que eles chegam aqui uma estrelinha apagada e no fim saem todos brilhantes”, diz Joselir.

Segundo o professor, os estudantes receberam nota pelo empenho e dedicação demonstrados do início ao fim do trabalho, além de terem ficado surpresos e contentes com o projeto e todas as atividades das quais participaram. A formatura e a colação de grau dos alunos do Formare serão no dia 16 de dezembro, na unidade Luiz Antônio da International Paper.

25-10-06_0906

Apicultura Solidária: apicultores realizam curso de capacitação no SEBRAE

fotos sebrae 1_2

Os apicultores do projeto “Apicultura Solidária”, do Instituto International Paper, participaram de oficinas para aprimorar as técnicas e também expandir os pontos de vendas. A ideia é que a Cooperativa tenha mais autonomia e, assim, amplie sua participação no mercado.

O projeto envolve os profissionais da Cooperativa dos Apicultores da Região de Ribeirão Preto (COOPERAPIS), que atuam nas cidades de Luiz Antônio, Brotas e Altinópolis, que, entre outras áreas de cultivo, utilizam para a produção de mel as florestas de eucalipto da International Paper.

A Cooperativa, juntamente com o SEBRAE, (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), promoveu cursos para os cooperados. A capacitação chega para ampliar os conhecimentos, uma vez que o processo de envase de mel atualmente é todo terceirizado. Com essa capacitação, os apicultores poderão realizar o envase e a distribuição sem a necessidade de entreposto.

Por meio do projeto “Apicultura Solidária”, os apicultores são beneficiados pelo Instituto IP por meio da geração de renda proporcionada pela produção proveniente das florestas plantadas, sendo este o ganho principal para o sustento das famílias dos cooperados.

Para ter maior domínio do trabalho e expandir os negócios, foram ministradas oficinas sobre o Relacionamento da Cadeia de alimentação entre abril e junho deste ano, com os seguintes temas:

  • Exigências Legais de Formalização e Comercialização
  • Produtos Agroindustriais Como Forma de Agregação de Valor – Apicultura
  • Canais de Distribuição

Em outubro, houve outra capacitação, desta vez no Senac de Ribeirão Preto, em que os apicultores assistiram mais oficinas e colocaram seus produtos à mostra.

Apesar da terceirização do envasamento, o mel é todo produzido pela Cooperativa: “Nós acompanhamos as empresas quando estão no processo de envase, para que no dia a dia possamos aplicar as normas que aprendemos”, explica José Antônio Monteiro, líder da COOPERAPIS.

Segundo Monteiro, a Cooperativa pretende expandir a participação nas oficinas e consequentemente os pontos de venda a partir do envase e da distribuição do mel no mercado. Além da parte logística, estes profissionais estão sempre em busca de diferentes soluções para qualquer problema que possa surgir na produção.

De olho no calendário – Em janeiro, o SEBRAE disponibiliza o calendário de cursos e já no início do ano, os apicultores verificam quais são interessantes para o grupo se aperfeiçoar. Os processos de capacitação são para todos, inclusive iniciantes. “Para o pessoal novo as oficinas são muito importantes, até porque eles estão aprendendo a trabalhar e a desenvolver o processo de apicultura”, diz Monteiro.

Com a capacitação, os apicultores obtiveram conhecimento sobre o sistema de gestão e também para que acompanhem o processo em toda a cadeia produtiva. Além disso, passam a ter uma visão mais ampla de sua atividade: da instalação das caixas-iscas, colheita ao envase e distribuição do produto final nos pontos de venda. “Os apicultores admiraram a organização das empresas durante os testes de envase. Dessa forma, eles valorizam ainda mais seus trabalhos”, conta Monteiro.

Para que o envase seja possível dentro da COOPERAPIS, a empresa precisa de um espaço adequado, e esse é o próximo passo da Cooperativa. Para isso, é necessário a aprovação do SIF – Serviço de Inspeção Federal ligado ao Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal – DIPOA.

A COOPERAPIS reconhece que faz um bom trabalho no mercado e que estar mais envolvida em todas as etapas do processo produtivo de mel é muito importante para conquistar mais espaço no mercado. E a parceria com parceria com o IIP é fundamental para que todas essas melhorias aconteçam.  “Se não fosse a International Paper, por meio do Instituto, nós não conseguiríamos evoluir em conhecimento técnico e aprimoramento de todos os processos produtivos. Parte do nosso sucesso é fruto desta parceria”, reitera Monteiro.

engenharia-florestal-2

12 de julho: dia do Engenheiro Florestal

Conheça o trabalho desse protetor do meio ambiente, profissional fundamental nos negócios da International Paper

Símbolo da Engenharia Florestal

Símbolo da Engenharia Florestal

Hoje é o dia do Engenheiro Florestal. Uma data que surgiu em homenagem a São João Gualberto, um monge conhecido por dedicar-se à preservação das florestas e ao cultivo da fauna e da flora. Ele faleceu nesta data no ano de 1703 e desde então foi nomeado como protetor dos Engenheiros Florestais.

Hoje é o dia do Engenheiro Florestal. Uma data que surgiu em homenagem a São João Gualberto, um monge conhecido por dedicar-se à preservação das florestas e ao cultivo da fauna e da flora. Ele faleceu nesta data no ano de 1703 e desde então foi nomeado como protetor dos Engenheiros Florestais.

Para o campo de atuação da International Paper e principalmente pelo papel do Instituto International Paper em todas as ações de manejo florestal e de produção de papel, esse dia é de grande importância para nós. Por isso, conversamos com o especialista em abastecimento de Fibras da planta de Mogi Guaçu, Bruno Mariani Piana, de 28 anos, engenheiro florestal formado pela Universidade de Göttingen, na Alemanha.

Para Bruno, comemorar o dia do Engenheiro Florestal é amar o meio ambiente e todas as questões que garantam sua preservação.

Para Bruno, comemorar o dia do Engenheiro Florestal é amar o meio ambiente e todas as questões que garantam sua preservação.
Como é o trabalho do engenheiro florestal na International Paper?
O trabalho do engenheiro florestal começa na área de conservação do meio ambiente, ou seja, garantindo que todas as ações estejam de acordo com as legislações e normas que as certificadoras exigem. Temos o controle de toda produção de muda, irrigação, combate de pragas e doenças para que o plantio cresça saudável.

Na parte estratégica, é preciso entender qual a melhor maneira de plantar, cuidar, colher e todo o processo de desenvolvimento para a adaptação da muda ao ambiente. Voltada a engenharia florestal, na parte científica, temos o “manejo”, a forma de tratar a árvore: espaço entre as mudas, quantidade de adubo, nutrientes e água. É preciso extrair a maior parte de madeira naquele espaço de terra.

Na parte cerebral: qual o investimento, quanto de retorno em madeira poderei ter, como consigo trazer essas madeiras para a fábrica, custo x benefício, o que você gasta durante sete anos para produzir uma floresta, aumento de 30% no custo operacional para trazer a madeira para a fábrica, e outros. O engenheiro florestal faz toda a parte analítica do processo, desde o início ao reflorestamento.

E como funciona a parte de Certificação? É um quesito fundamental para a IP, certo?

Sim, é uma parte extremamente sensível, porque são selos e certificações que garantem que a nossa operação esteja alinhada com as melhores práticas de manejo e conservacionistas. Temos que seguir isso a rigor, ter um produto de qualidade, ganhar os selos e as certificações que permitam vender papel em mercados desenvolvidos, como o europeu. O engenheiro florestal precisa ser um cara
extremamente minucioso, ter a capacidade de traduzir as exigências em práticas internas da empresa e precisa ter um conhecimento político e operacional muito grande.

O que te motiva nessa profissão?

Todo jovem que está terminando o ensino médio passa por essa crise existencial de qual será sua famosa vocação. A minha decisão foi feita com base na empregabilidade. Entrei na faculdade em 2006 e gostava muito de lidar com o meio ambiente. Eu imaginava que quando me formasse existiria um mercado muito voltado às questões ambientais. Isso tudo por causa do tratado de Kyoto que saiu em 2005.
Me encantei pela parte mais business da engenharia, pela essência e pela gestão de negócios florestais, sempre no corporativo. É impressionante como o setor industrial bem gerenciado, como na International Paper, consegue fazer trabalhos brilhantes na sociedade, institutos sociais e ambientais.

E quais os principais desafios em ser um Engenheiro Florestal?
Acredito que um deles seja conseguir uma produção de monocultura atrelado a práticas sustentáveis que não agridem o meio ambiente e nem a produtividade. Hoje as florestas deixam de produzir por causa das mudanças climáticas. Precisamos nos adaptar a essa mudança. O Engenheiro Florestal é contratado por sua capacidade de solucionar problemas e por superar determinadas barreiras com mais facilidade.

E o que mais te encanta na área?
Eu gosto de estar envolvido em várias transformações, ou seja, do produto, do meio ambiente ou da sociedade. Em determinados momentos o seu escritório parece ser uma floresta, não tem aquele caos de trânsito e tem ar puro.