volta
vai
 
23/01/2019

PEA de cara nova

O programa, que existe desde 1993, foi reformulado no ano passado e teve como tema o desafio do gerenciamento dos resíduos sólidos

Realizado nas localidades de Mogi Guaçu e Luiz Antônio, o Programa de Educação Ambiental (PEA) passou por uma grande transformação no ano de 2018. A iniciativa que até então tinha o objetivo sensibilizar alunos das escolas públicas da região sobre a conscientização do meio ambiente, além de esclarecer questões relacionadas aos impactos da indústria de papel e celulose, passou a ser temático e a ser realizado dentro das escolas.

No modelo anterior, o PEA convidava os alunos a visitarem as unidades da IP e nesses encontros, conteúdos importantes sobre a preservação ambiental eram transmitidos. “O PEA sempre foi muito bem aceito pela comunidade e os resultados eram muito consistentes. A agenda de atividades era intensa e ao longo de mais de duas décadas, praticamente todo o nosso público-alvo visitou as unidades e teve contato com o conteúdo que oferecemos. Cumprimos uma importante etapa, aprendemos muito com a experiência, mas percebemos que era hora de mudar”, conta Gláucia Faria, gerente de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da IP.

A transformação consistiu na criação de uma agenda de atividades dentro das escolas contempladas e o tema trabalhado foi o dos resíduos sólidos, um dos maiores desafios que existe no mundo quando o assunto é a preservação do meio ambiente.

O primeiro passo foi promover uma discussão em cada escola sobre como era a geração de resíduos. Dessa reflexão surgiram iniciativas com o objetivo de minimizar a quantidade deste material e dar a destinação correta a cada um deles. Algumas das medidas colocadas em prática foram a substituição de materiais não recicláveis, como o EVA, por outros que podem ser reutilizados, como os diversos tipos de papel, coleta e separação de lixo reciclável, feira de troca e envio de materiais para as cooperativas de reciclagem, além de concursos de desenho e diários de bordo que relataram as práticas e promoveram reflexões diárias.

“O resultado foi muito positivo, percebemos que não apenas os alunos, mas toda a comunidade escolar, como os pais e a comunidade do entorno ampliaram de alguma maneira o seu nível de conscientização sobre os resíduos sólidos”, completa a gerente.

Com a conscientização, outros ganhos foram percebidos: as escolas ficaram muito mais limpas e o desperdício de alimentos e sucos também foi reduzido de maneira significativa, pois os alunos passaram a pedir na merenda somente aquilo que realmente queriam consumir. Em 2018 cerca de 2.600 alunos, 230 professores e 900 pais de alunos foram impactados pelo PEA. O programa terá continuidade em 2019 com outro tema a ser definido em conjunto com as escolas.