Países emergentes na liderança da energia limpa

Estudo revela que a geração de energia renovável por países em desenvolvimento equivale a capacidade total de energia da Austrália.

shutterstock_87899098

O grupo de 58 países emergentes analisado pelo Climatescope, índice anual de competitividade em energia renovável, que verifica o setor energético na África, América Latina e Caribe, superou em 18% a capacidade de geração de energia limpa demonstrada pelos países ricos.  O estudo, divulgado em dezembro de 2016 pela Blomberg New Energy Finance, considera informações sobre a geração de energia eólica, solar, geotérmica, entre outras fontes renováveis no ano de 2015.

O grupo de países analisados inclui China, Índia, Brasil, Chile, México, Egito e África do Sul. Enquanto as nações em desenvolvimento geraram 69,8 gigawatts de energia limpa no período analisado, o equivalente à capacidade de energética instalada na Austrália, a geração dos países ricos ficou em 59,2 gigawatts.

Atração de Investimentos – Na análise do Climatescope, o país que mais se destacou na capacidade de atração de investimentos para geração de energia renovável foi o Chile, cujos investimentos foram de US$, 1,3 bilhão em 2014 para US$ 3,2 bilhões em 2015.

O Brasil, que perdeu a liderança das edições anteriores do estudo, vem em segundo lugar como principal destino de investimentos. O País recebeu investimentos de US$ 121 bilhões (cerca de R$ 251,3 bi), no período de 2006 a 2015 e US$11 bi (R$ 39, 5 bilhões) somente em 2015.

Os critérios de atratividade consideraram as políticas de investimento em energia limpa em cada país, as condições de mercado e infraestrutura no fornecimento de energia elétrica, as atividades das empresas do setor em cada país e os esforços na redução da emissão de gases de efeito estufa (GEE).

O estudo destacou ainda o aumento dos investimentos em energia solar nos países analisados e a atuação de start ups financiadas por fundos privados que levam energia renovável a localidades distantes.

 

Fonte: Portal Exame

0 comentários

Deixe seu comentário

Quer participar da discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>