Férias escolares pelo mundo

As estações do ano e datas comemorativas fazem com que cada país adote o recesso em diferentes datas do calendário

shutterstock_343101845

No Brasil, janeiro, julho e dezembro costumam ser meses muito aguardados por alunos de todo o país, pois eles marcam a chegada das férias escolares. Os períodos de recesso alternam entre as escolas particulares e as públicas, que seguem um calendário de nível federal, variando entre 60 e 120 dias distribuídos nos três meses.

Em outros países, porém, essa disposição pode ser bem diferente. É o caso da França, que permite que crianças e adolescentes em idade escolar tenham diversas pausas ao longo do ano. Lá, assim como em boa parte da Europa, dos Estados Unidos e do Canadá, o ano letivo tem início em setembro. Entre o fim de outubro e o começo de novembro, acontecem as “vacantes de la toussaint”, em comemoração ao Dia das Bruxas. E nos meses seguintes ainda acontecem mais quatro pausas: as férias de Natal, inverno, primavera e verão – nos meses de dezembro, fevereiro, abril e julho, respectivamente.

As temperaturas rigorosas dos Estados Unidos fazem com que, lá, a organização dos dias letivos também seja diferente de outras partes do mundo. As aulas começam no meio do ano, quando entra o verão, e o inverno marca as férias, uma vez que a neve é um grande obstáculo para quem precisa se locomover. E existe, ainda, o famoso “spring break”: período de pausa de uma semana antes do início da primavera, para alunos das escolas e universidades norte-americanas.

Na Finlândia, país que sempre figura no topo dos rankings internacionais por sua qualidade na educação, os estudantes possuem uma jornada escolar curta e as férias de verão duram dez semanas! Um longo período se comparado às outras nações.

Embora as quantidades e datas sejam tão diferentes, uma coisa é certa: nenhum país abre mão do merecido descanso durante o ano escolar. Para as crianças, além de um momento de relaxamento e diversão, as férias trazem enormes benefícios para a aprendizagem e devem ser aproveitadas ao máximo.

0 comentários

Deixe seu comentário

Quer participar da discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>