IMG_0365

Resultados Projeto Guardiões das Águas 2014

O tema “economia de água” nunca foi tão sensível como nos últimos dias, mas os participantes do “Guardiões das Águas” já vêm trabalhando nesse assunto há muito tempo. Desde 2008, a região de Luiz Antônio em São Paulo conta com esse projeto que procura incentivar o consumo consciente de água entre professores e alunos da rede de ensino pública. Entre as crianças e adolescentes envolvidos, a meta é economizar!

A duração do projeto que normalmente vai de Março a Junho, teve sua última edição praticada nos meses de Agosto a Novembro em vista de um evento no calendário escolar, mas que em nada atrapalhou esse time a colocar as ideias em ação e mostrar que com muito pouco é possível fazer mudanças significativas em casa e em toda a comunidade. Guatapará e São Simão juntas reuniram mais de 600 participantes para chegar a um resultado de 550 mil litros de água economizados através de ações de conscientização.

Os professores e alunos mais engajados da campanha Guardiões das Águas 2014, receberam uma premiação do Instituto International Paper e os professores dos municípios de Luiz Antônio, Guatapará, São Simão e Altinópolis que participaram do projeto, também conheceram um pouco mais sobre o uso da água e o processo de fabricação do papel e celulose em uma visita realizada na unidade fabril instalada em Luiz Antônio.

Além dos prêmios individuais, a escola “EMEB Professora Vera Lúcia Castelhano” de Guatapará, também foi homenageada pelo engajamento dos professores e alunos nas atividades para estimular a economia de água dentro e fora do ambiente escolar. O prêmio foi uma grande festa de comemoração para a escola toda alguns dias antes de uma data muito especial: o dia mundial da água.

A última edição acabou, mas a economia continua: em breve, o projeto Guardiões das Águas volta para engajar ainda mais pessoas nesse processo contínuo de colaboração e consciência ambiental. Para conhecer mais sobre essa iniciativa, clique aqui e confira todos os detalhes.

 

iip_03_interna

7 maneiras de ajudar alguém

Pouco tempo, muita diferença. Dedicando poucos minutos do seu dia, você consegue fazer algo relevante para as pessoas que estão a sua volta. Já pensou que com pequenos atos você pode fazer muito? Para oferecer ajuda sem reunir grandes esforços, um pouco de dedicação já é o suficiente! Essa é a dica que trouxemos hoje. Conheça 7 maneiras de ajudar alguém: ser gentil, ensinar, doar alguma coisa que pode ser reaproveitada… você já fez algum deles?

 

    1. Sorrir e ser simpático: o clássico “gentileza gera gentileza” ainda funciona muito bem.
    2. Fazer voluntariado: já falamos aqui dos enormes benefícios de fazer parte de uma iniciativa social, com um pouquinho de tempo você pode fazer uma grande mudança.
    3. Oferecer sua ajuda: não é ótimo quando alguém sabe exatamente o que fazer numa situação que é totalmente nova pra você? Você também pode ser esse “expert” para outra pessoa.
    4. Ensinar: Ensinar é a melhor forma de aprender! O conhecimento sempre é uma via de mão dupla.
    5. Doar alguma coisa que você não usa: Para você parece que não tem mais uso, mas para alguém pode ter – procure instituições perto de sua casa.
    6. Doar alimentos: Existem instituições que aceitam doações de alimentos para ações sociais. Dá próxima vez que for aos supermercado, dê uma forcinha.
    7. Ajudar alguém a se tornar mais ativo: Um empurrãozinho as vezes é suficiente para alguém se sentir confiante para fazer a matrícula naquele curso dos sonhos ou começar aquela maratona de corridas que foi planejada há tanto tempo.

 

 
A lista de ações ainda pode ser muito maior, existem milhares de oportunidades surgindo a cada momento: desafie-se! Se quiser descobrir mais formas de ajudar alguém, esse pode ser o momento certo para experimentar o voluntariado. Clique aqui e conheça nossos projetos!

iip_02_interna (1)

12 princípios do consumo consciente

As maiores mudanças acontecem com insistentes e pequenos hábitos que cultivamos na nossa rotina. Falando sobre sustentabilidade, ações simples como a separação correta do lixo, o consumo responsável de recursos naturais, o reaproveitamento de materiais recicláveis e muitos outros exemplos como este já fazem parte do nosso vocabulário e até do nosso comportamento. Mas, quando o assunto é o consumo, nossas escolhas também exercem influência e precisam estar em harmonia com o que procuramos fazer para uma participação ambientalmente responsável no meio em que vivemos.

 

Para esclarecer pontos como esse, trouxemos aqui os 12 princípios do consumo consciente com dicas simples, que podem além de contribuir para a redução de impactos ambientais, ajudar a reavaliar a relação com nossos recursos financeiros. Que tal escolher algumas e colocar em prática hoje mesmo?

 

1 – Planeje suas compras

2 – Avalie os impactos de seu consumo

3 – Consuma apenas o necessário

4 – Reutilize produtos e embalagens

5 – Separe seu lixo

6 – Use crédito conscientemente

7 – Conheça e valorize as práticas de responsabilidade social das empresas

8 – Não compre produtos piratas

9 – Contribua para a melhoria de produtos e serviços

10- Divulgue o consumo consciente

11 – Cobre dos políticos

12 – Reflita sobre seus valores: Avalie constantemente os princípios que guiam suas escolhas e seus hábitos.

 

Assim, como consumidor, você também faz a sua parte e traz benefícios para você e para o meio-ambiente. O primeiro passo pode começar hoje!

 

Para saber mais sobre os princípios do consumo consciente, clique aqui e leia os 12 itens na íntegra.

 

Formare

Educadores Voluntários do Formare falam sobre suas experiências

Responsável pela capacitação educacional de jovens e adolescentes, o Formare exerce impacto não só para os alunos que são beneficiados no projeto: os educadores voluntários aprendem a enxergar o trabalho e as relações sociais de uma forma totalmente nova e especial. Neste ano, 5 educadores voluntários foram homenageados por sua dedicação e empenho durante o desenvolvimento do curso, e falaram um pouco sobre suas experiências de voluntariado no âmbito pessoal e profissional.

Alessandro Nogueira, técnico de programação na unidade de Luiz Antônio, começou a trabalhar na International Paper em 2013, como estagiário. Conheceu o Formare durante a Integração, e logo se interessou pelas atividades apresentadas. Depois de ter participado do programa de monitoria na sua faculdade, se identificou com a possibilidade de transmitir conhecimento para outras pessoas através da disciplina de matemática, que foi a escolhida para formalizar sua participação. Alessandro conta que procura se organizar para conciliar as tarefas pessoais e o voluntariado: “os 40 minutos que eu tiro para dar aula para eles [os alunos] eu vejo que faz a diferença. Faz com que eu me sinta bem por saber que eu estou contribuindo para essas pessoas.”. Na opinião dele, qualquer pessoa pode se envolver – o importante é a vontade de querer ajudar – a perseverança e a dedicação são os pontos chaves para alcançar os próprios objetivos.

João Paulo Souza, estagiário na International Paper de Mogi Guaçu desde o ano passado, já trabalhava em projetos sociais através de aulas de musicalização infantil. Aproveitando a paixão em ensinar, ele se inspirou na música para ministrar as aulas de Comunicação e Relacionamento. Para ele, um valor marcante para quem é Educador Voluntário é poder acompanhar o encantamento dos alunos na descoberta de novas possibilidades profissionais, que ele procura estimular ainda mais através de exercícios extras que leva até a sala de aula. Sobre o voluntariado na sua vida pessoal, ele diz: “arrisque-se, tente aprender com isso, tente aproveitar o máximo que puder como um voluntário”. E garante que, o crescimento não é só dos alunos, e sim das duas partes.

Jéssica Pires, ex-aluna do curso Formare de outra empresa, entrou na International Paper no ano passado e hoje é analista de Recursos Humanos na unidade de Mogi Guaçu. Depois de participar do projeto como aluna, ela se sentiu na responsabilidade de oferecer a ajuda que recebeu: dessa vez, do outro lado da sala. Além do impacto na vida profissional dos jovens que são beneficiados pelo Formare, Jéssica fala também sobre o papel de responsabilidade social que a International Paper desenvolve, que influencia não só os próprios colaboradores, mas toda a comunidade que está próxima. Formada em psicologia, ela utiliza técnicas de dinâmica para estimular o desenvolvimento dos alunos em parceria com João Paulo nas aulas de Comunicação e Relacionamento. Para ela,“feliz aquele que transfere o que sabe, e aprende com o que ensina”.

 

ip_interna_05

Ciência comprova: quem faz um trabalho voluntário é mais feliz

Quem nunca ouviu a frase: “É dando que se recebe”? Pois bem, um estudo da Universidade de Michigan (EUA) comprovou, cientificamente, que quem faz um trabalho voluntário ganha muito em bem-estar e felicidade.

A pesquisa revelou que pessoas dispostas a doar seu tempo para um trabalho voluntário vivem em média quatro anos mais, segundo a universidade americana.

Já o pesquisador, Allan Luks, autor do livro “The Healing Power of Doing Good” (O Poder Curativo de Fazer o Bem, sem tradução para o português) afirma que pessoas que praticam o bem têm mais qualidade de vida. “Quem realiza pelo menos quatro horas de trabalho voluntário por mês tem dez vezes mais chances de ter uma boa saúde do que quem não voluntaria”, disse Luks.

Isso porque o voluntário vivencia um poderoso sentimento de satisfação, resultado da diminuição do stress e da liberação de endorfinas, neurotransmissores que provocam sensação de felicidade. A pessoa se sente valorizada, útil, com boa autoestima.

Luks fez seu estudo com mais de 3.300 voluntários. Aqueles que ajudavam regularmente informavam dez vezes mais que havia melhorado sua saúde do que aqueles que só trabalhavam como voluntários uma vez por ano.

Entretanto, especialistas afirmam que o contato pessoal é importantíssimo; doar dinheiro ou roupas não proporciona a mesma “sensação de bem-estar”.

São inúmeros os benefícios do trabalho voluntário para quem o realiza:

 

  • Melhora a saúde mental e física
  • Cria novas amizades
  • É um passatempo
  • Proporciona prazer
  • Mantém a pessoa ativa
  • Desenvolve suas habilidades
  • Permite adquirir novos conhecimentos
  • Aumenta as chances de conseguir um trabalho pago

Se animou? Então, fica de olho nos nossos projetos e participe!

ip_interna_06

Documentário inspira trabalho voluntário

Quem trabalha com voluntariado não pode deixar de assistir o filme “Quem se Importa”. Apesar de ter sido lançado em 2012, a temática permanece atual, comovente e inspiradora.

A cineasta brasileira Mara Mourão passou 40 dias viajando pelo mundo para descobrir e levar para as telas histórias de pessoas que fazem a diferença em suas comunidades por meio de ações pontuais. São 18 depoimentos, de pessoas que vivem em sete países diferentes: Brasil, Peru, Estados Unidos, Canadá, Tanzânia, Suíça e Alemanha.

O filme traz desde o caso de um monge que treina ratos na Tanzânia para achar minas terrestres e identificar o bacilo da tuberculose, até o economista Muhammad Yunus, criador do microcrédito e ganhador do Nobel da Paz em 2006.

Outra história que surpreende pela criatividade é a do cearense Joaquim Melo, que criou o banco comunitário para implementar programas de geração de renda e superar a pobreza. Deu tão certo, que o banco atua junto a Associação dos Moradores e tem até uma moeda particular, aceita pelo Banco Central.

Veja o trailer aqui e inspire-se!